Pré-adolescência

As transformações físicas da puberdade desencadeiam uma série de mudanças de interesse e comportamento

Última publicação: 06/09/2011

Foto: Stck.Xchng

O caçula da família sofre nos almoços de domingo. Se você tem mais ou menos 10 anos de idade e enche a boca para dizer que já é pré-adolescente, tem que ter argumentos suficientes para provar isso aos outros. O primo mais velho tira o sarro da sua altura, a tia faz perguntas inconvenientes sobre a "namoradinha" do colégio, a mãe te agarra para um cafuné e, irritado, você sai batendo a porta. Nada difícil imaginar essa cena, não é? A pré-adolescência não é um conceito criado por crianças ansiosas para crescer, ela existe de fato, mas na área da saúde é chamada de adolescência inicial.

Este período de mudanças físicas e emocionais, que compreende toda a puberdade, começa por volta dos 10 anos de idade e dura aproximadamente quatro anos. Sabe aquela história de que as meninas se desenvolvem primeiro do que os meninos? É verdade! Geralmente, as transformações no corpo deles começa dois anos depois do que no delas e, ainda por cima, não são visíveis. O hebiatra Benito Lourenço, vice-presidente da Associação Brasileira de Adolescência e Membro Diretor do Departamento de Adolescência da Sociedade Brasileira de Pediatria, explica o processo: "Nos meninos, o primeiro sinal de que estão na puberdade é o aumento dos testículos, o pênis só cresce dois anos depois. Em seguida, surgem os pêlos pubianos. Mudanças visíveis, como pêlos faciais e mudança de voz acontecem na adolescência final".

Foto: Stck.Xchng
Se os meninos sofrem por serem tratados como criança, mesmo quando já entraram na adolescência, com as meninas, o constrangimento não é menor, pois todos que estão em volta acompanham e reparam no seu desenvolvimento: "O primeiro sinal da puberdade é a pelarca, o surgimento do broto mamário. Os ovários começam a funcionar, o corpo passa a produzir hormônios, surgem os pêlos pubianos, a cintura afina, o corpo começa a tomar a forma violão e, por último, contrariando o que muita gente pensa, acontece a menarca, a primeira menstruação", explica o especialista em adolescentes.

Essas mudanças físicas também refletem a maturação psicológica, por isso, vêm acompanhadas de muita confusão. Os carrinhos e bonecas, que antes garantiam horas de diversão, já não têm a mesma graça de antes. Ouvir música no último volume e ir paquerar no shopping passam a ser os programas preferidos. Muitos pais não sabem lidar com essa mudança de interesses dos filhos. O hebiatra garante que todo adolescente deve ser tratado como tal: "Eu não gosto do termo ´pré´ porque adia uma fase, dá a impressão que ela nunca chegará. Um adolescente tem que arcar com as responsabilidades de ser um adolescente, os problemas, as dúvidas, afinal, elas já existem na cabeça dele".

Foto: Stck.Xchng
Não é nada fácil lidar com as transformações do próprio corpo, com a gozação dos amigos, que adoram fazer comparações, e com a incompreensão da família, que insiste em tratá-lo como criança. Por isso, as variações de humor são outra característica típica dessa fase, assim como a flutuação de identidade, que cada hora leva o adolescente para um grupo diferente: "É na adolescência inicial que começa a separação emocional dos pais, surge o interesse sexual, mais pelo próprio corpo do que pelo outro, a valorização da turma e alteração de estados de micro-euforia e micro-depresão", esclarece Dr. Benito.

Patrícia Guimarães tem 11 anos, mas diz que ainda não se considera adolescente: "As pessoas me tratam como criança, eu me considero criança, me visto como criança. Não tenho vontade de crescer, nem me sinto pressionada, porque minhas amigas são como eu." Do ponto de vista legal, é considerado adolescente a pessoa de 12 a 18 anos. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), é dos 10 aos 20. Ou seja: "Mesmo os pré-púberes, aqueles que ainda não entraram na puberdade, já são adolescentes. Por outro lado, as crianças estão adolescendo cada vez mais cedo, existem meninas com oito anos que já tem broto mamário", explica o médico.

Mas, se você acha que deixar de ser criança é uma maravilha, esqueça. É muito legal trocar os brinquedos por horas de produção na frente do espelho, ir ao colégio sozinho, cair na balada com os amigos, ficar com os gatinhos (as)... Mas também tem as crises com o corpo, a neura com o cabelo, o medo de não ser aceito no grupo, discussões com a família "careta"...Não é à toa que pré-adolescente começa com pre, de prepare-se!

Serviço:
Dr. Benito Lourenço - Hebiatra
Telefone: (11) 5561-3335

Comentários