Guia da Semana

Rompendo velhos hábitos

É preciso saber a horar de tirar a chupeta e romper o vínculo com o berço. Colunista ensina o caminho.

Foto: Getty Images

Os pais precisam e muito saber quando é preciso começar e principalmente quando parar, pois é bem mais difícil desabituar o pequeno de algumas rotinas que, a partir de um determinado momento, não precisam mais fazer parte da vida de seu filho.

Quando parar de dar mamadeira e chupeta?

Como já vimos no último texto, o ideal seria nem começarmos a usar esse tipo de mecanismos para favorecer mais o nosso sossego como pais, do que o real bem estar de nossos filhos.

Mas, já que isso não é possível na maioria das vezes, é importante que se estabeleçam alguns critérios.

A chupeta deve estar associada ao sono, mais precisamente ao processo do adormecimento. Assim que a criança dormiu, se ela própria não cuspir a chupeta (que é muito comum), o objeto deve ser retirado para que ela não acorde a cada vez que escape e os pais sejam obrigados a acordar e recolocá-la, seguindo esse ritual criado pela família, mesmo em crianças maiores que já sabem colocar a chupeta na boca sozinhas.


Não coloque nenhum cordão ou prendedor amarrados nela. Esses podem ser fatores importantes até de sufocamento dos bebês (se os cordões se enrolarem, por exemplo).

A mamadeira também deve estar relacionada exclusivamente ao processo alimentar. Não deve ficar à mão da criança como brinquedo ou consolo e nem deve ser oferecida para que o pequeno mame deitado e sozinho (por exemplo, à noite, não deixar a mamadeira no berço para que, caso a criança acorde, pegue sozinha sem acordar os pais).

Ambas devem ser retiradas o mais breve possível, esperando, no máximo, até os 3 anos de idade (segundo recomendação dos especialistas - odontopediatras, otorrinos e fonoaudiólogos).

Quando tirar do berço e colocar na cama?

Fiquem atentos para quando o berço, em vez de reter e proteger a criança, passa a ser um "obstáculo a ser transposto" ou quando o bebê resolve que ele quer deixar de ser bebê e crescer. Essas são ótimas dicas para iniciar esse processo, a princípio, baixando as grades do berço e orientando a criança sobre as formas adequadas e os riscos ao subir e descer, para que ela não se machuque.

Entre os 2 e os 4 anos de idade, a curiosidade, a maior capacidade física e a consciência corporal facilitam o senso de exploração do mundo ao redor. Mesmo assim, nenhuma mudança deve ser brusca e tudo deve ser conversado e explicado, mesmo que seja uma decisão já tomada. O interessante seria que a criança até participasse da escolha e da compra da sua cama nova e de seus complementos (lençóis, travesseiros etc.), sendo cúmplice dessa transformação.

Quando parar de se preocupar com os filhos?

Essa resposta eu não sei e não imagino quem possa dar, apesar de ter filhos de 27 (Renato) e 25 anos (Danilo). Talvez a grande questão não seja o não se preocupar, mas sim o quando deixar de fazer com que essa preocupação contamine a relação entre pais e filhos.

Hoje os filhos têm permanecido pouco mais tempo na casa de seus pais (até os 30 anos, por exemplo) ou enquanto estão solteiros. Parece estar em decadência a necessidade de liberdade que nós tínhamos de sair de casa para adquirir independência e liberdade.

Aceitamos (com muito prazer e até um pouco de egoísmo) muito mais os nossos filhos em casa, até dormindo em seus quartos com as (os) namoradas (os), mesmo sabendo que existe a possibilidade de um relacionamento sexual precoce com gestações indesejadas e doenças sexualmente transmissíveis (DST - herpes, HPV, AIDS e outras). Assim, essa orientação precisa começar muito antes desse momento, para que quando essa hora chegue não seja tarde demais.

Muito mais poderia ser falado sobre esse assunto, mas acho que vale a pena parar nesses próximos. Pelo menos eu acho que essa é uma boa hora para parar.

Quem é o colunista: Dr. Yechiel Moises Chencinski

O que faz: Médico pediatra e homeopata

Pecado gastronômico: Brownie da padaria Bella Paulista quente com sorvete de creme

Melhor lugar de São Paulo: Qualquer lugar num feriado prolongado (Avenida Paulista, por exemplo)

Fale com o colunista: fale_comigo@doutormoises.com.br ou acesse seu site .

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte