Guia da Semana

Violência Contra a Criança

Segundo dados do Ministério da Saúde, uma criança é assassinada a cada dez horas no Brasil

Foto:Getty Images


Isabella Nardoni, 5 anos, foi espancada, estrangulada e arremessada pela janela do 6º andar no Edifício London. Os principais suspeitos são seu pai e a madrasta. Num outro caso, depois de denúncias anônimas, a polícia encontrou L., uma menina de 12 anos que era torturada por sua mãe adotiva, em Goiânia. Na cidade de Ribeirão Pires (SP), dois irmãos foram mortos e esquartejados por seu pai e a madrasta, os garotos tinham 12 e 13 anos. Esses casos aconteceram em 2008, chamaram a atenção da mídia e chocaram a população por mostrarem a crueldade da violência doméstica.

O problema atinge diferentes classes sociais e é considerado uma questão de saúde pública mundial. A UNICEF estima que todos os anos cerca de 275 milhões de crianças sofram agressões em casa. Segundo informações do Laboratório de Estudos da Criança (LACRI), entre 2000 e 2007, foram constatadas 532 mortes por causa desse tipo de violência, porém, os dados relativos ao Brasil não são precisos, já que, principalmente por falta de diagnóstico e queixas, apenas 10% dos casos são denunciados.

Os agressores são pessoas que mantêm contato diário com a criança. Segundo a especialista Maria Ângela Carneiro, "na maioria das vezes, são os próprios pais, padrastos, cuidadores e babás, pessoas nas quais a criança confia". Quem agride geralmente está fora de si, devido ao uso de álcool e drogas. Em situação de desemprego, a estrutura familiar também fica abalada e, em casos extremos, os chefes da família podem apelar para a violência contra a criança, já que esta é vista como um estorvo. Porém, sobre quadros em que o padrasto ou a madrasta comete o assassinato, Maria Ângela explica que "em casos de segundo ou terceiro casamento, o cônjuge sente inveja da relação estreita entre pai e filho. Acha que a criança representa concorrência. São pessoas inseguras que já apresentam algum distúrbio".

Cicatrizes

As agressões deixam marcas no corpo da criança, com pancadas que geram hematomas, hemorragias e fraturas, podendo causar deformações nos ossos, principalmente nos dedos e nas vértebras das vítimas. "É importante lembrar que a violência contra as crianças inclui várias formas que não só a física: a violência psicológica, a discriminação, a negligência e maus-tratos ferem e freqüentemente deixam seqüelas para toda a vida", ressalta a psicopedagoga Maria Irene Maluf.

Atenção

Quem se importa com o bem-estar do pequeno deve ficar atento a alguns detalhes como, por exemplo, a Síndrome do Bebê Sacudido (SBS), um conjunto de evidências que mostram quando a criança é chacoalhada bruscamente. O indício mais fácil de notar é a hemorragia da conjuntiva - mancha de sangue no branco do olho- além disso, a SBS é caracterizada por lesões cervicais e edemas cerebrais. As seqüelas interferem principalmente no desenvolvimento motor da criança.

Já a Síndrome da Criança Espancada é caracterizada pela presença de diversas lesões causadas por golpes, injúrias e traumatismos, determinando a morte em 25% dos casos. Esse termo foi substituído por Síndrome de Maus Tratos, que também inclui agressões psicológicas e negligência.

Quando os médicos ou professores percebem algum machucado suspeito na criança, precisam tomar atitudes legais e informar o caso ao Conselho Tutelar ou à Vara da Criança da Infância e da Juventude. Segundo a pediatra Tereza Uras, algumas vezes é fácil de identificar quando o menor sofreu maus tratos. "Os pais chegam e contam uma história qualquer. Outro dia, chegou uma mãe e disse que o filho tinha caído da escada", diz. Dessa forma, cabe ao médico consultar uma segunda opinião e redigir um documento às autoridades competentes.

Mesmo assim, a denúncia pode ser feita por qualquer pessoa que suspeite de abuso contra a criança, como um vizinho que ouve choros e gritarias constantes vindas da casa ao lado. Basta ligar para o Disque Denúncia (o número é 181) e fazer o depoimento anônimo. Assim, é possível evitar conseqüências mais graves.

Números da Violência Doméstica
275 milhões - crianças vítimas da violência no mundo*
Apenas 10% da violência doméstica é denunciada**
159.754 - casos denunciados entre 1996 e 2007**
49.481 - crianças vítimas de violência física**
65.669 - casos de negligência**
10% - casos de abuso denunciados do total**
532 - crianças e adolescentes que morreram vítimas da violência doméstica entre 2000 e 2007***
90 - bebês menores de 1 ano foram assassinados em 2002***
Um bebê morre a cada dez horas no Brasil***

*UNICEF
** Laboratório de Estudo da Criança - USP
***Ministério da Saúde - Pesquisa levantada pelo O Globo

Fontes:
Maria Ângela Barbato Carneiro
Núcleo de Cultura, Estudos e Pesquisa sobre o Brincar
PUC-SP

Maria Irene Maluf
Psicopedagoga
Editora da revista Psicopedagogia da Associação Brasileira de Psicopedagogia

Teresa Uras
Pediatra
Hospital Samaritano

ANDI - Agência de Notícias dos Direitos da Infância

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 15 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob

4 motivos para levar as crianças para assistir ao espetáculo "Galinha Pintadinha em ovo de novo"

Peça fica em cartaz até dia 28 de agosto, no Teatro Net

Rede de cinemas oferece ingressos gratuitos para pais acompanhados dos filhos

Pais que forem ao cinema com os filhos no Dia dos Pais não pagam o ingresso nos cinemas Playarte