Guia da Semana

A hora e a vez do software livre

Com o apoio do Google, conceito de programas com código fonte aberto é cada vez mais popular


Ilustração com GNU, mascote do primeiro programa feito com o conceito Software Livre, de mesmo nome, e Tux, mascote do Linux

Com a popularização de smartphones, netbooks e computadores de baixo custo, cada vez se ouve falar mais no software livre, principalmente depois do anúncio do Google de que lançará um sistema operacional próprio seguindo este conceito - programa que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído sem nenhuma restrição. No dia-a-dia, então, isto também pode ser sentido. O sociólogo Sergio Amadeu, professor de pós-graduação da Faculdade Cásper Líbero, e um dos maiores especialistas brasileiros no assunto, afirma que "o software livre tem avançado muito no Brasil e hoje não tem nenhuma grande empresa que não tenha alguma aplicação dele".

Para o especialista, a importância da adoção deste tipo de programa é tanta, que ele chegou a liderar a equipe que comandou a troca nos computadores do governo federal. Recentemente, o diretor de Tecnologia de Informação da Companhia de Informática do Paraná, Cláudio Dutra, afirmou que o estado já economizou cerca de R$ 300 milhões em licenças, desde a adoção do Software Livre em 2003. De acordo com Dutra, apenas nos primeiros três anos de uso, o governo do Paraná já somava uma economia de mais de R$ 127 milhões.

Mesmo o público leigo já usa programas assim, como Firefox, Picasa ou Wikipedia. Ao contrário do que muitos imaginam, a diferença entre um software livre e um proprietário é que no livre qualquer pessoa pode ler seu código e modificar para o desenvolvimento de novas versões, e não apenas ser pago ou n. O fato de ser livre não o torna gratuito, assim como há casos, como o Internet Explorer, que não há custo, mas não é livre. No caso dos sistemas operacionais, por exemplo, o usuário comum que optar por versões do Linux ou do FreeBSD, em vez do Windows 7, que deve ser lançado em outubro, pode economizar US$ 119 da licença.

Mas se programas com código fonte aberto podem ser cobrados, fica a dúvida de suas vantagens. Sérgio Amadeu deixa claro que "para empresas é fundamental ter o código aberto". Falando sobre um dos softwares livres mais populares do mundo, diz que "o Linux tem aproximadamente 150 mil desenvolvedores e usuários avançados. Quando soltam uma nova versão do sistema, esse pessoal corrige os problemas". Ou seja, como o código é aberto, mesmo que exista um erro, alguém logo descobre e distribui a correção para que o programa seja atualizado, o que o deixa mais seguro.

"Quando um código fonte é fechado, você tem que acreditar que aquele software não tem portas de entrada para intrusão, mas você não sabe. Se é aberto, mesmo que a pessoa não entenda, alguém pode analisar aquele código", afirma Sérgio. Tanto que, de acordo com o especialista, mesmo a Microsoft, quando vende para governos ou forças armadas, libera o código fonte. Por isso, empresas privadas e estatais como Casas Bahia, Rede Globo ou Banco do Brasil preferem este sistema, e mesmo alguns usuários comuns aderiram para não precisar comprar poderosos anti-vírus, que podem custar mais de R$ 1 mil. Sérgio, porém, avisa que "não é que todo software livre que é seguro, só que eu tenho condição de saber se ele é ou não seguro".


Logo do Chrome OS, sistema operacional desenvolvido pelo Google e que deve ser lançado apenas em 2010

Estudante de Sistemas para Internet da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Fernando Kanarski criou há quatro anos o site UnderGoogle sobre a grande sensação da internet, o que já lhe rendeu uma visita aos escritórios e conversas constantes com seus executivos. Acompanhando de perto as novidades, ele viu a dificuldade no lançamento do software livre Android, sistema operacional para celulares, mas já percebe mudança. "A quantidade de celulares está crescendo, o problema era no início que só tinha um aparelho que ainda era muito simples. Agora a HTC pegou o Android, colocou uma cara bonita, e estão surgindo mais opções". No Brasil, os primeiros aparelhos a usarem o Android são o HTC Magic e o Samsung Galaxy, ambos foram anunciados em 17 de setembro, e devem operar pela TIM. O preço sugerido para o modelo Samsung é de R$ 1.799, a HTC não informou valores.

Com o Chrome OS, que atenderá os netbooks, ele acredita que o processo será o mesmo. "No começo pode ser a mesma coisa que ocorreu com o Android, surgindo computadores não tão tops de linha, o que pode frustrar o usuário. Mas por ser um sistema aberto, a longo prazo eles vão ter um resultado bem legal". Assim, mesmo com preços tentadores, talvez valha a pena esperar mais um pouco para aproveitar o novo sistema, que deve ser lançado apenas em 2010. A vantagem, tanto de um como do outro programa, é que qualquer usuário com mais conhecimento pode desenvolver aplicativos para facilitar o uso, como acontece comumente com o Firefox, por exemplo.

Outra questão é a economia. Segundo Fernando, "por ser um software aberto, ele acaba deixando todo o investimento do produto no aparelho, então o fabricante não precisa se preocupar com o licenciamento". Exatamente por isso grande parte dos netbooks vendidos hoje no Brasil vêm de fábrica com o sistema Linux, em vez do Windows, o que pode gerar uma economia de cerca de R$ 300. Isto é notado também em computadores de mesa. Um exemplo é o BrOffice, que traz editor de texto, planilhas, entre outros. Enquanto o vendedor pode instalar ele gratuitamente em suas máquinas, a versão da Microsoft, o MS Office, tem licenças a partir de R$ 199, em sua versão doméstica, e R$ 1199, para empresas.

Para o Chrome OS, as expectativas de Fernando são altas. "O diferencial do netbook é justamente ter um sistema mais leve, então, tendo a entrada do Google, acaba alavancando o mercado, até por ser um sistema baseado na internet, que é o principal objetivo do netbook, e até agora não existe nenhum sistema para trabalhar especificamente com ela". Tanto o Chrome quanto o Android podem ser instalados em computadores comuns e até em carros e geladeiras, mas foram criados principalmente para netbooks e celulares. Assim, cada vez mais desenvolvedores devem criar novos aplicativos para os programas nestes aparelhos. Fernando, porém, conclui que "ainda falta um pouco de números e mercados para esses desenvolvedores se animarem".

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira a programação especial de fim de ano da Rede Globo

A emissora carioca preparou muitas novidades para o mês de dezembro

Renato Aragão confirma volta de "Os Trapalhões"

Ator revelou a novidade durante painel na CCXP

Globo não exibe homenagem à Chapecoense e recebe crítica dos internautas

Emissora seguiu com a programação normal, com a novela "A Lei do Amor" e a sessão "Cinema Especial"

Saiba tudo sobre A Cara do Pai, nova série de comédia da Rede Globo

Série cômica tem estreia prevista para 11 de dezembro

Conheça todos os indicados ao prêmio Melhores do Ano 2016, do Domingão do Faustão

A premiação acontece no dia 11 de dezembro

Globo planeja exibir versões censuradas de suas séries na internet

Diretor de mídias digitais da emissora já avalia a ideia