Guia da Semana

As mulheres trocaram de bolsa

Elas não pensam só em sapatos e roupas. O público feminino na BM&FBovespa cresceu 710% desde 2002 e a instituição oferece até um curso com foco nelas


Segundo o Ibope em parceria com o Instituto Ethos, apenas 11% dos cargos executivos são ocupados por mulheres. Elas estão presentes também em somente 27% das vagas de supervisão e 31% das gerenciais. Apesar da escalada mais lenta rumo ao topo da pirâmide corporativa, a participação feminina tem crescido substancialmente na economia e na decisão das finanças domésticas.

Mais dados do IBGE dão conta de que em 2001, a mulher era referência econômica em 27,3% dos lares; em 2008, este número saltou para 33%, o que significa que um terço das famílias brasileiras atualmente são chefiadas por mulheres.

A inserção da mulher em ambientes e cargos essencialmente masculinos e seu ingresso mais ativo em universidades e no mercado do trabalho têm revolucionado o modo de se administrar o dinheiro nas famílias brasileiras. E enquanto eles pensam em trocar de carro, elas não estão apenas de olho nas vitrines dos shoppings, mas também na Bolsa de Valores.

Com foco no público feminino contemporâneo, a BM&FBovespa criou um curso de educação financeira segmentado para elas, o Mulheres em Ação. Entre os assuntos abordados estão o orçamento familiar, como o mercado de ações pode servir como uma alternativa à poupança e a quebra a resistência sobre investimentos na bolsa.

O curso é voltado para todos os públicos, desde a executiva que pretende ampliar sua carteira de investimentos até a dona de casa, que não necessariamente é responsável pelos proventos da família, mas que tem em suas mãos a tarefa de administrar o dinheiro da casa e olhar para o futuro. "Nas quatro horas de curso, os problemas são listados, entendidos e há uma ação dentro de uma visão sistemática que funciona para qualquer classe. É preciso entender que a bolsa tem uma relação de tempo com o investimento", destaca José Alberto Netto, consultor dos programas de Popularização da BM&FBovespa.

Segundo o consultor, as mulheres procuram se informar sobre melhores formas de investir seu dinheiro e garantir o amanhã, se preparando também para imprevistos, como um eventual desemprego. Mas, e os sonhos de consumo? "Também devem passar por planejamento", alerta Netto.

O resultado do trabalho reflete nos dados levantados pela instituição, que revelam que a participação da mulher na Bolsa vem crescendo numa velocidade muito maior do que a do homem. Enquanto a quantidade de homens evoluiu 470% de 2002 para cá, o número de mulheres cresceu 710% no mesmo período. Hoje são 122 mil mulheres na Bolsa, contra 399 mil homens investidores.

Veja a evolução ao longo dos anos da proporção entre homens e mulheres que investem na Bolsa: 


O curso Mulheres em Ação, criado em 2003, é ministrado gratuitamente e atende pessoas em São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza, Paraná e Rio Grande do Sul. Para se inscrever, é necessário acessar o site da BM&FBovespa. O Projeto Educar, que abrange este e outros cursos, já atendeu mais de 100 mil pessoas.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira a programação especial de fim de ano da Rede Globo

A emissora carioca preparou muitas novidades para o mês de dezembro

Renato Aragão confirma volta de "Os Trapalhões"

Ator revelou a novidade durante painel na CCXP

Globo não exibe homenagem à Chapecoense e recebe crítica dos internautas

Emissora seguiu com a programação normal, com a novela "A Lei do Amor" e a sessão "Cinema Especial"

Saiba tudo sobre A Cara do Pai, nova série de comédia da Rede Globo

Série cômica tem estreia prevista para 11 de dezembro

Conheça todos os indicados ao prêmio Melhores do Ano 2016, do Domingão do Faustão

A premiação acontece no dia 11 de dezembro

Globo planeja exibir versões censuradas de suas séries na internet

Diretor de mídias digitais da emissora já avalia a ideia