Guia da Semana

Comunicação vigiada

E-mail corporativo é considerado propriedade do empregador e exige uso adequado e profissional


Foto: Getty Images

Você costuma mandar e-mails para amigos ou parentes por meio de sua conta do trabalho? Se sim, fique esperto! O e-mail corporativo é propriedade da empresa e pode ser monitorado de acordo com a política do empregador. Essa foi a defesa aceita pela Justiça no caso da HSBC Seguros S.A., quando a mesma foi processada por um ex-funcionário, demitido por justa causa.

Em 2000, a empresa descobriu que o empregado utilizou o correio eletrônico corporativo para enviar fotos de mulheres nuas a outros funcionários e amigos. Ainda que ele tenha ganhado o processo em primeira instância, a empresa recorreu e ganhou. Ficou decidido que o e-mail corporativo é cedido ao funcionário e, por isso, deve ser usado para assuntos exclusivamente profissionais e pode ser monitorado. Porém, a questão ainda é polêmica, já que, para alguns, a monitoração fere a Constituição e o direito de privacidade de cada um.

Política de Uso

É preciso esclarecer que há diferenças entre o uso do e-mail pessoal e do e-mail corporativo. O e-mail pessoal não pode ser monitorado, sendo propriedade da pessoa física. Entretanto, aquele oferecido pela empresa deve ser utilizado com propósitos profissionais, já que leva o nome do empregador.

De acordo com a advogada e autora do livro Direito Digital - 3ª Edição Patricia Peck, o primeiro passo deve ser dado pelas empresas, que precisam criar uma política interna de uso clara. "A Justiça entende que não é apenas um direito da empresa monitorar, mas sim um ônus, já que a mesma responde pela má conduta dos seus funcionários no uso das ferramentas de trabalho, inclusive as tecnológicas. Isso pode ser aplicado ao telefone, ao e-mail e ao uso da internet", explica a advogada.


Foto: Getty Images

No Grupo Santander Brasil, por exemplo, uma política de uso do e-mail corporativo foi criada e devidamente passada aos funcionários. Há verificação de e-mails visando à prevenção de vazamento de informações proprietárias da empresa. "Todas as mensagens enviadas pelo e-mail corporativo são consideradas comunicação formal em nome do Banco. Assim, funcionários e colaboradores são instruídos a ponderar quanto ao conteúdo e destinatários antes do envio", diz o gerente executivo de segurança da informação do Santander Daniel Ho. O correio eletrônico da instituição para fins pessoais é permitido, na medida em que não implique em conflito de interesses com o Banco ou incorra em custos adicionais.

Cada empresa pode decidir como proceder diante de um caso de mau uso do e-mail. Patricia Peck afirma que o empregador deve institucionalizar qual será o critério para definição de infração leve, média, grave e gravíssima. Segundo a advogada, se o empregador decide por advertências ou demissões por justa causa, as ações devem ser alinhadas em um comitê multidisciplinar, que envolva TI, SI, Jurídico e RH, visto que não pode ser apenas um gestor que determine a punição, até para evitar acusação de perseguição.


Foto: Getty Images

Postura entre chefes e subordinados

É comum observar chefes e subordinados discutirem situações do trabalho pelo e-mail. A atitude é a mais recomendada pelos especialistas. Quando as questões da rotina do emprego são resolvidas por escrito, aquele "papel" se torna uma prova. Assim, chefes e subordinados devem tomar cuidado com o tom usado no e-mail, pois o conteúdo pode ser configurado tanto como assédio moral ou sexual. "Por outro lado, se bem feito, é difícil a pessoa dizer que não entendeu bem o que ele disse ou que não sabia o que era para fazer, o que ficou combinado", completa. Por isso, a linguagem é parte fundamental no momento de redigir a mensagem.

Confira algumas dicas da advogada Patricia Peck sobre como utilizar uma linguagem apropriada no e-mail corporativo e não se dar mal.

O que evitar:
- Termos coloquiais. O uso de tratamento formal evita situação de subjetividade e eventuais confusões geradas devido ao uso de tratamento mais íntimo em situação de trabalho/profissional.
- Uso de expressões como "beijos" ao final.
- Tratar de assuntos pessoais de modo indiscreto.

Outras dicas:
- O tratamento mínimo deve ser senhor/senhora, e não "você", independente do cargo. Se possível, deve ser feito uso da 1ª. pessoa do plural (ex: "nós gostaríamos de saber", "vamos agendar"), visto que a comunicação é em nome da empresa.
- O correto é enviar saudações ou abraços.
- Pode-se perguntar como foi o final de semana, desejar um bom dia, manifestar condolências, mas deve-se evitar assuntos íntimos, que possam gerar algum tipo de constrangimento (ex: questões médicas ou familiares).
- Pode-se congratular a pessoa por motivo de êxito em tarefas, mas deve-se evitar elogios que possam desmerecer o trabalho e empenho de outros.

Atualizado em 17 Jul 2012.

Por Angela Miguel
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira a programação especial de fim de ano da Rede Globo

A emissora carioca preparou muitas novidades para o mês de dezembro

Renato Aragão confirma volta de "Os Trapalhões"

Ator revelou a novidade durante painel na CCXP

Globo não exibe homenagem à Chapecoense e recebe crítica dos internautas

Emissora seguiu com a programação normal, com a novela "A Lei do Amor" e a sessão "Cinema Especial"

Saiba tudo sobre A Cara do Pai, nova série de comédia da Rede Globo

Série cômica tem estreia prevista para 11 de dezembro

Conheça todos os indicados ao prêmio Melhores do Ano 2016, do Domingão do Faustão

A premiação acontece no dia 11 de dezembro

Globo planeja exibir versões censuradas de suas séries na internet

Diretor de mídias digitais da emissora já avalia a ideia