Guia da Semana

Sem riscos

Histórias de sucesso incentivam muitos brasileiros a trabalhar por conta própria. Saiba como evitar o fracasso e trilhar o caminho certo na abertura do negócio

Foto: Getty Images


Em 1993, o paulistano Leandro Neves decidiu abrir uma barraca de hot dog em frente à loja de tintas de seu pai. Na época, com19 anos,  montou o negócio para complementar a renda da família. Com o passar do tempo, o comércio do seu pai fechou e o jovem empreendedor passou a viver das vendas dos lanches. Quatro anos depois, começou a trabalhar com um carrinho de cachorro-quente na Avenida Paulista. Como a região sempre foi muito visada pelos fiscais da Prefeitura de São Paulo, ele transferiu a barraca para a Joaquim Eugenio de Lima, uma travessa da Paulista.

Em 2001, com ajuda de empréstimos, ele inaugurava a primeiro ponto fixo. Sempre com opções diferenciadas de molhos e com um hot dog incrementado, o Black Dog, como já chamava desde a primeira barraca, ganhou destaque na madrugada e passou a atrair jovens de várias regiões da cidade. Hoje, aos 35 anos, Leandro Neves é responsável por uma marca forte no mercado. Com duas lojas próprias e nove franquias, sendo uma em Goiânia e outra em Belo Horizonte, atualmente, a rede vende em média 100 mil lanches por mês.

Histórias como a de Leandro servem de exemplo a vários empreendedores e estimulam a abertura do próprio negócio. Mas não é tão simples conquistar o sucesso. Para chegar ao patamar em que está hoje, o dono do Black Dog conta que trilhou um caminho difícil, muitas vezes sem orientação. "Eu cresci sem conhecimento, mal estruturado, e passei por algumas crises. Não é fácil trabalhar por conta própria. É preciso ter persistência e dedicação. Muitas pessoas pensam em abrir o próprio negócio para trabalhar pouco, mas é exatamente o contrário que acontece", conta.

Para ele, existem vários fatores que contribuíram para o êxito do Black Dog. Ele afirma que a persistência, os produtos de qualidade, a localização e o atendimento diferenciado foram fundamentais para o sucesso da empresa. "Uma coisa é vender um pão com salsicha e outra coisa é vender um Black Dog, que é um lanche caprichado, feito de acordo com o gosto do cliente", relata.

Foto: Camila Silveira

Leandro Neves na loja Black Dog dos Jardins, em São Paulo

Como começar

De acordo com a consultora jurídica do Sebrae-SP (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), Sandra Regina Fiorentini, antes de abrir o negócio próprio, é necessário planejamento e conhecimento. "O primeiro passo para quem quer abrir a própria empresa é identificar o tipo de atividade que será desenvolvida. A partir daí, o ideal é elaborar um plano de negócio, no qual é feita a pesquisa de mercado. É muito importante também verificar se o que o mercado está necessitando é compatível com sua aptidão", explica.

Depois de escolher o ramo de atividade, o empresário decide se deseja ter um sócio ou se prefere atuar individualmente. Se ele optar por abrir uma empresa sozinho, vai constituir-se como um empresário individual, que significa que a pessoa deve responder ilimitadamente com o seu patrimônio pessoal no caso de insucesso da empresa. Segundo dados do Sebrae-SP, somente no estado de São Paulo há cerca de 3,5 milhões de pessoas que trabalham por conta própria. As regiões metropolitanas de São Paulo concentram 57% desses empreendedores.

Caso o empresário opte por ter um sócio, os investidores respondem pelo insucesso da pessoa jurídica no limite do capital social. Porém, na hora de escolher o sócio é necessário ter cautela para evitar problemas futuros. "É preciso verificar se o sócio compartilha os mesmos objetivos, se ele vai auxiliar na administração e se é alguém confiável. Depois desses pontos serem analisados, eles vão se constituir como sociedade empresária do tipo limitada, que visa a preservação do patrimônio social dos sócios", diz Sandra.

Outro ponto importante para garantir o sucesso da empresa é a escolha do ponto comercial. A consultora do Sebrae-SP afirma que nessa fase é imprescindível verificar se é possível abrir o tipo de negócio escolhido na região desejada. Para isso, é preciso ir à Subprefeitura da região e procurar a Lei de Zoneamento, que mostra quais atividades são permitidas na área.

Depois, é preciso avaliar quais são as condições do imóvel e conferir ele se está regularizado junto à Prefeitura. "A escolha do local é muito importante. É necessário verificar se há lugar para estacionar, se é uma região perigosa, se está em um zona de enchentes, entre outros fatores. Para abrir um negócio, é necessário ter mínimas chances de errar", alerta.
 
Mortalidade de empresas

De acordo com pesquisas do Sebrae, entre as principais causas que levam ao fechamento das empresas estão a falta de planejamento prévio, a gestão deficiente do negócio e a falta de conhecimento na formação de preço de venda, entre outros fatores. Mas um dos principais erros cometidos pelos empresários é não saber separar o dinheiro da empresa com gastos da pessoa física. "Muitas vezes o empresário usa o caixa da empresa como um banco de crédito ilimitado para a família. Quando chega ao final do mês, não há dinheiro para pagar os gastos da empresa", explica.

O último monitoramento da sobrevivência e mortalidade de empresas feito pelo Sebrae-SP mostra que 27% das empresas paulistas fecham em seu primeiro ano de atividade. Para Sandra Fiorentini, o fechamento das empresas está diretamente ligado com a falta de conhecimento do empresário. "Para garantir o sucesso, é necessário ser o mais profissional possível. É muito importante frequentar cursos, palestras e buscar orientação de um profissional da área. O conhecimento é imprescindível para uma boa administração" pontua.

Segundo pesquisas do Sebrae, 67% das empresas que abrem e não buscam o conhecimento fecham em cinco anos. Entre as empresas que abrem e buscam orientação, só 29% fecham."Fracasso é a falta de dinheiro. E a falta de dinheiro é consequência de uma má administração. Porém, mesmo quando a pessoa está à beira da crise sempre há uma solução", alenta.

Principais erros cometidos por quem abre o próprio negócio:
  • Misturar o dinheiro da empresa com os gastos da pessoa jurídica;
  • Falta de conhecimento na formação de preço de venda;
  • Falta de registro dos funcionários;
  • Não fazer pesquisas de mercado;
  • Trocar cheque pré-datado.

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Renato Aragão confirma volta de "Os Trapalhões"

Ator revelou a novidade durante painel na CCXP

Globo não exibe homenagem à Chapecoense e recebe crítica dos internautas

Emissora seguiu com a programação normal, com a novela "A Lei do Amor" e a sessão "Cinema Especial"

Saiba tudo sobre A Cara do Pai, nova série de comédia da Rede Globo

Série cômica tem estreia prevista para 11 de dezembro

Conheça todos os indicados ao prêmio Melhores do Ano 2016, do Domingão do Faustão

A premiação acontece no dia 11 de dezembro

Globo planeja exibir versões censuradas de suas séries na internet

Diretor de mídias digitais da emissora já avalia a ideia

Band vai exibir episódio de "Os Simpsons" que previu vitória de Donald Trump

Programa vai ao ar nesta quarta-feira, às 22h10