Guia da Semana

Tire seu negócio de alimentação do papel

Você já pensou em virar seu próprio chefe e iniciar um negócio na área de alimentação? Veja uma história de sucesso e dicas de empreendedorismo para saber se você está pronto para o desafio

Getty Images

Em tempos atuais, em que homens e mulheres trabalham e possuem inúmeras atividades cotidianas, frequentar restaurantes virou mais que um luxo: é uma necessidade para driblar a falta de tempo. O mercado de alimentação fora de casa movimentou R$ 50 bilhões em 2008, segundo dados da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) e tem tendência de crescimento ano a ano.

Abocanhar uma fatia do orçamento mensal dos clientes, entretanto, não é tarefa para desavisados neste negócio, cada vez mais disputado e com concorrentes pipocando por todos os lados. Para garantir a sua entrada com o pé direito neste mercado e tirar o seu projeto do papel, a equipe do Valuta foi conhecer a história de sucesso de Jesse de Andrade, proprietário do Josephine Bistrô, na Vila Nova Conceição, São Paulo, além de consultar as preciosas dicas do consultor do Sebrae Ricardo Curado.

A história do Josephine Bistrô começou muito antes da casa se tornar o que é. Foi inicialmente uma butique de carnes, na época em que este negócio ainda não era difundido. Jesse de Andrade conseguiu fidelizar a clientela e optou por abrir uma lanchonete para atender aos alunos do colégio da redondeza. Como conseguiu sucesso, passou a incluir pratos à la carte e conquistar também os pais dos estudantes. E assim deu início ao restaurante, há dez anos.

Para dar os passos de ampliar o negócio, Jesse explica que "o termômetro sempre foi a opinião dos clientes. Há, claro, um estudo quanto a novos investimentos, ampliação de espaço etc., mas as maiores adaptações foram feitas de acordo com os clientes que atendemos". E a receita deu certo. Apesar da história bem-sucedida, ele não planeja investir em outras empresas por enquanto, e revela que todo o faturamento é constantemente reinvestido em melhorias na casa.

Ricardo Simões Curado, consultor do Sebrae, revela aos que desejam entrar neste ramo é preciso cuidado: "nenhum empresário deve se aventurar sem a garantia que haverá lucro líquido. Um restaurante vale pelo lucro que gera, que deve ser em média de 10% do seu faturamento", alerta.

Outros pontos devem ser considerados, como pesquisas, elaboração de um atrativo comercial para o produto, definição do público-alvo, perspectivas de vendas e seleção de uma localização adequada, ou seja, um plano de negócios. Mais uma dica de Curado é que não se aconselha começar um negócio sem capital próprio, dependendo apenas de empréstimos bancários. Se houver alguma falha na elaboração do retorno de investimento do restaurante e as coisas não saem como o esperado, a dívida com a instituição financeira pode ter um peso negativo e até decisivo para a continuidade da empresa.

Divulgação

 Jesse de Andrade (foto acima) aposta também que o grande segredo de seu negócio foi o atendimento personalizado que conseguiu prestar a seus clientes. "Eu o acompanho de perto, vou todos os dias ao restaurante, no almoço e no jantar. Conheço os clientes pelo nome, sei os pratos e lugares preferidos. Alguns, inclusive, me pedem pratos que nem estão mais no cardápio. E nós atendemos, claro", relata o empresário.

Mais um problema comum nesta área é a contratação de mão-de-obra qualificada. Curado aponta é uma alta taxa de rotação entre os funcionários é um mau sinal. Segundo ele, é preciso ter investimentos constantes em treinamento para prestar um bom atendimento, fundamental aos olhos do cliente. "Um bom funcionário faz direito e uma vez só", ressalta. Neste aspecto, Jesse de Andrade está bem resguardado, pois a maioria dos seus colaboradores trabalha na casa desde a inauguração e a rotatividade é praticamente zero. "Acredito, sim, que este é um dos grandes diferenciais em um restaurante", arremata o empresário.

Por último, se você optar por abrir um negócio na área de alimentação, é básico se atentar à gestão e não apenas à cozinha. O Sebrae verificou que parte dos empresários não têm exato conhecimento da situação financeira de sua empresa, apenas uma vaga ideia. A gestão, segundo Ricardo Curado, é determinante para o sucesso ou fracasso de uma empreitada.

Do projeto para a ação: dicas para iniciar seu negócio


- Ter um plano de negócios bem estruturado;

- Colocar no papel, diariamente, tudo o que acontece no seu negócio;

- Um contador deve ser contratado para iniciar a empresa. Ele cuidará de toda a papelada exigida especificamente para o ramo de alimentação;

- Não adianta apenas ter dinheiro para investir, é preciso conhecer o negócio em que se atua;

- A matéria-prima no ramo de alimentação custa, em média, 50% do valor cobrado pelo produto. Ou seja, para preparar um prato de macarronada, só em ingredientes gasta-se, por exemplo, R$ 10,00. Neste caso, o prato deve ser vendido a R$ 20,00.


Serviço
Josephine Bistrô
Rua Jaques Félix, 253 - Vila Nova Conceição
Tel: (11) 3242-5891

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Participante do "The Voice Kids" presta queixa após sofrer racismo na internet

Franciele Fernanda da Silva, de 14 anos, foi chamada de "neguinha" em comentário no Facebook

Globeleza aparece vestida em nova vinheta e internautas reagem com memes

Confira a repercussão (positiva e negativa) nas redes sociais!

Transmissão ao vivo do Globo de Ouro 2017 na TV e internet

Cerimônia premia os melhores do cinema e da TV dentro e fora dos Estados Unidos

SBT volta a exibir "Clube do Chaves" a partir de janeiro

Um dos personagens mais queridos da emissora está de volta!

Brau e Michele ganham programa de TV na 3ª temporada de 'Mister Brau'

Nova fase da atração tem estreia prevista para o primeiro semestre de 2017

Jô Soares renova contrato e voltará para Globo em 2018

Apresentador retorna à emissora após período sabático