Guia da Semana

Divergências profissionais

Texto inédito do premiado autor inglês Joe Penhall ganha adaptação e direção acertada de Guilherme Leme.

Foto: Divulgação


Um texto ambientado num hospital psiquiátrico retratando jogos de poder entre médicos e divergências de diagnóstico teria todos os requisitos para ser técnico, enfadonho e pouco compreensível ao espectador. Não é o caso. Ao assistir Laranja Azul, em cartaz no CCBB-RJ, nos deparamos com o brilhantismo e agilidade da escrita de Joe Penhall num roteiro que discute problemas relacionados à saúde pública e ao racismo institucionalizado.

Num hospital psiquiátrico um paciente negro (Rocco Pitanga) aguarda alta em meio ao fogo cruzado de dois médicos de posições hierárquicas diferentes e diagnósticos divergentes. De um lado, o médico residente zeloso (Pedro Brício) que afirma ser o paciente esquizofrênico; de outro seu supervisor (Rogério Fróes), preocupado em seguir as regras e regulamentos e diminuir as despesas, que tenta convencê-lo de que o paciente é borderline e, portanto, deve receber alta.

A adaptação de Guilherme Leme e Marcelo Veloso para o texto de Penhall, recheado de jargões técnicos próprios da medicina, com cerca de uma hora de duração, torna o texto mais palatável e compreensível ao espectador, mas deixa algumas lacunas sobre o verdadeiro estado clínico do paciente e não se aprofunda muito em questões pertinentes, como o racismo e a exclusão social, fazendo com que o texto perca um pouco sua força. O foco deixa de ser o estado mental do paciente para se concentrar no embate entre os dois médicos e suas divergências profissionais.

O elenco se apresenta coeso. Rocco Pitanga defende bem o papel de doente mental e se mostra à vontade na personagem. Rogério Fróes e Pedro Brício tem atuações corretas.

A montagem de Guilherme Leme traz uma concepção bem cuidada e muito interessante. Logo na entrada, o público é convidado a vestir jalecos brancos antes de entrar na sala que os transforma em parte do universo proposto pela direção. O ótimo cenário de José Dias - todo branco - nos remete à sensação de assepsia de um hospital e é complementada pela iluminação idealizada em branco, muito bem elaborada por Tomás Ribas. A luz contribui com acerto para as transições de cena embalada por uma trilha sonora perturbadora de Marcelo H. recheada de punk rock.

Enfim, Laranja Azul é um bom espetáculo, onde se propõe um teatro mais sóbrio, feito por gente séria, que busca discutir temas importantes relacionados à sociedade.


Quem é o colunista: Alexandre Pontara.

O que faz: Paulista, radicado no Rio, Alexandre Pontara é uma mistura de ator, dramaturgo e produtor cultural.

Pecado gastronômico: Bolo Negro e Tiramissú de Chaika.

Melhor lugar do Brasil: Paraty.

Fale com ele: capontara @uol.com.br ou acesse seu site

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA