Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

2 Motivos para ver e 3 para não ver “O Bom Gigante Amigo”

Novo filme de Spielberg chega aos cinemas no dia 28 de julho.

Longa de Spielberg conta a história de uma menina órfã que se torna amiga de um gigante (Divulgação)

Estreia no dia 28 de julho o novo longa de Steven Spielberg, “O Bom Gigante Amigo”, inspirado no livro homônimo de Roald Dahl. O filme conta a história de uma garotinha órfã que é sequestrada por um gigante e forma uma grande amizade com ele, mas precisa se proteger de outros gigantes comedores de crianças. Quer saber se este filme vale o seu ingresso? Confira 2 motivos para ver e 3 para não ver “O Bom Gigante Amigo” nos cinemas:

 

Motivos para ver:

Fotografia


O visual mágico é um dos pontos altos do filme. Tanto na cidade inglesa (que parece um cenário de stop-motion) quanto na Terra dos Gigantes, prevalecem os ambientes escuros iluminados por pequenos focos de luz coloridos, normalmente em tons de amarelo, roxo ou azul. A sensação é de se estar dentro de um sonho.

Elenco


Mark Rylance chamou a atenção do mundo no início do ano, quando levou o Oscar de Ator Coadjuvante por “Ponte dos Espiões”, também de Spielberg. Aqui, ele dá vida ao gigante bondoso e contracena com a estreante Ruby Barnhill, que interpreta a inteligente e carente Sophie.

 

Motivos para não ver:

Roteiro


A história do clássico infantil poderia ter sido um prato cheio para a imaginação juvenil de Spielberg, mas alguma coisa saiu dos trilhos – e suspeitamos que tenha sido o roteiro. Escrito por Melissa Mathison (“E.T. – O Extraterrestre” e “A Chave Mestra”), o texto se apressa em mostrar o Bom Gigante Amigo, não trabalha o contexto anterior de Sophie, no orfanato, nem mostra em detalhes como é o mundo dos gigantes. Além disso, falta ritmo e a aventura acaba se revelando enfadonha e sem emoção.

Tom


Um dos grandes problemas do filme é o tom ingênuo e pastelão que ele adota, em contraste com o visual sombrio e fantasioso. Depois de apresentar os gigantes como seres ignorantes (a ponto de se importarem com uma menina que mal serviria de aperitivo a um único membro do bando) e explorar piadas com gases e pancadas, o roteiro busca soluções como uma visita à rainha ou uma adoção milagrosa. Para comprar essas ideias, será preciso um público de, no máximo, oito ou nove anos de idade.

CGI


Apesar de ter cenários belíssimos, o longa escorrega quando se tratam das criaturas. Os gigantes têm rostos expressivos, mas seus corpos balançam pelos campos e cidades desajeitadamente, sem o peso necessário e com proporções que mudam a cada cena.


Por Juliana Varella

Atualizado em 29 Jul 2016.

Mais notícias

7 filmes do diretor David Lynch que você precisa assistir

Cinema

Os melhores filmes infantis de 2019... até agora

Cinema

10 filmes imperdíveis com alienígenas para quem gosta do gênero

Cinema

10 filmes europeus imperdíveis para assistir na Netflix

Cinema

"MIB: Homens de Preto - Internacional", "Dor e Glória" e mais quatro filmes estreiam nesta quinta (13); Confira:

Cinema

Dia dos Namorados? 8 filmes para cultivar o amor próprio

Cinema