Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

3 Motivos para ver (e 3 para NÃO ver) Jogos Vorazes: A Esperança – O Final

Confira os principais pontos positivos e negativos da principal estreia do mês.

Josh Hutcherson volta a interpretar Peeta Mellark (Divulgação)

Jogos Vorazes: A Esperança – O Final” chega aos cinemas no dia 18 de novembro para encerrar a saga de Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) na adaptação dos livros de Suzanne Collins. O filme é o quarto da franquia e a segunda parte de um final dividido em dois, cuja primeira metade foi lançada um ano atrás. Confira três motivos para ver o novo filme e três motivos para não ver, e decida se esta estreia vale o seu ingresso:

Para ver:

1. É o encerramento de uma das franquias mais bem sucedidas dos últimos tempos.

Se fosse preciso escolher um único motivo para ver “A Esperança – O Final”, é que este é o filme que encerra uma franquia histórica. Como “Crepúsculo” e “Harry Potter”, “Jogos Vorazes” influenciou toda uma geração de adolescentes e representou um forte movimento literário (a distopia), muito bem representado nos cinemas.

2. Há pelo menos uma cena de ação excepcional.

Por mais que a maior parte do filme tenha um passo mais lento, a sequência de ação passada no subsolo da Capital – com direito a uma infestação de bestantes (criaturas sem pêlos com dentes afiados) e armadilhas – é uma das melhores de toda a série.

3. Tem um conteúdo político mais ambicioso que a maioria dos filmes adolescentes.

O terceiro e o quarto filmes da saga podem não ser tão ousados quanto os primeiros, mas, ainda assim, conseguem provocar reflexões interessantes sobre guerra (e a anulação do indivíduo nesse contexto), mídia, manipulação de massas e totalitarismo versus democracia.

Para não ver:

1. O ritmo do filme é confuso.

Com mais de duas horas de duração, o último filme da saga se demora demais em cenas pouco relevantes, como a caminhada dos rebeldes rumo à Capital, e se apressa nos momentos mais cruciais da história, como o confronto final contra o presidente Snow.

2. A personalidade de Katniss se perde ao longo do filme.

Katniss Everdeen sempre foi apresentada (nos filmes) como uma mulher insubordinada, generosa e com um senso de justiça inabalável. No quarto filme, porém, ela não só passa todo o tempo planejando o assassinato do seu arqui-inimigo (a essa altura ela já deveria saber que violência não é o mesmo que justiça), como aparece numa cena final como [SPOILERS] uma mãe tranquila e acomodada, com um figurino que jamais seria usado espontaneamente pela personagem.

3. O mesmo truque não funciona tantas vezes.

Katniss encara a morte nada menos que TRÊS vezes ao longo deste filme – sem contar as outras duas nos filmes anteriores (no final de “Em Chamas” e após ser atacada por Peeta em “A Esperança – Parte 1”). Aqui, a Capital anuncia sua morte duas vezes (após um tiro e após uma explosão num edifício de onde ela escapara por pouco) e, por fim, ela é atingida de longe por uma bomba. Se o objetivo era mostrar que Everdeen é resistente, bastava um único alarme falso


Por Juliana Varella

Atualizado em 18 Nov 2015.

Mais notícias

10 filmes com Papai Noel que vão deixar o seu Natal mais divertido

Cinema

15 filmes imperdíveis em cartaz no feriado de 20 de novembro de 2019

Cinema

"Um Dia de Chuva em Nova York", "A Vida Invisível" e mais oito filmes estreiam nos cinemas dia 21 de novembro

Cinema

10 filmes importantes sobre solidão 

Cinema

15 filmes com Alec Baldwin que você precisa assistir

Cinema

13 filmes imperdíveis em cartaz nos cinemas durante o feriado de 15 de novembro de 2019

Cinema