Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

Benedict Cumberbatch vive gênio solitário em “O Jogo da Imitação”

Filme narra o processo de criação do primeiro computador do mundo por Alan Turing.

O filme acompanha uma equipe responsável por decifrar as mensagens alemãs durante a Segunda Guerra Mundial (Divulgação)

Pode uma máquina pensar como um ser humano? Em “O Jogo da Imitação”, filme de Morten Tyldum baseado na biografia de Alan Turing, a questão colocada por um policial ao protagonista parece esconder outra, lançada nas entrelinhas: pode um ser humano pensar como uma máquina?

Turing, impecavelmente interpretado por Benedict Cumberbatch, é mais um representante da linha de gênios antissociais excessivamente conscientes da própria superioridade – como Steve Jobs e Mark Zuckerberg. Sua arrogância é cômica, mas há certa angústia na forma como ele alterna entre os papéis de herói e vilão, buscando sem sucesso a humanidade do meio-termo.

O longa inicia com um monólogo de Cumberbatch de interlocutor ambíguo. A cena sugere (e mais tarde confirma) um interrogatório policial, mas as palavras servem igualmente bem para o público do cinema – você mesmo - que, acomodado em sua cadeira, tem a missão de ouvir, atentar-se aos detalhes e só julgar depois de encerrada a história.

Como juiz no Jogo da Imitação (teste criado por Turing no qual um computador tenta se passar por humano), o espectador tem a missão de diferenciar o homem da máquina. Tarefa difícil, no caso dele.

Contratado pelo governo britânico para quebrar a criptografia nazista durante a Segunda Guerra Mundial, o protagonista acaba criando o que se tornaria o primeiro computador do mundo – processo que lhe rende mais inimigos do que amigos.

Turing recruta uma equipe para construi-lo, usando como teste um jogo de palavras cruzadas. Joan Clarke (Keira Knightley) se destaca entre os candidatos, a única mulher num clube de meninos.

A presença de Clarke é essencial para reforçar a identidade de Turing, ambos desacreditados por sua natureza. Homossexual numa época em que isso era considerado crime, o matemático mais tarde afirma, cheio de ambiguidade, que uma máquina jamais pensará como um ser humano, mas que pensar diferente não é sinônimo de não pensar.

Sua teoria sobre inteligência artificial, que nascia ali, mistura-se sutilmente à defesa de sua sexualidade, bem como dos direitos das mulheres e dos judeus. O romantismo igualitário desse discurso, porém, contrasta com a frieza com que ele lida com outras questões ao longo do filme.

Num momento-chave, Turing responde a um dilema moral estritamente com a razão, esmagando com a lógica as esperanças de centenas de pessoas. A dor em seu rosto denuncia o conflito entre o homem e a máquina.

Cumberbatch cumpre com excelência a missão de construir um personagem com dois lados – mecânico e, ao mesmo tempo, doce; previsível e, ao mesmo tempo, enigmático. Seu Turing se revela um gênio que encontrou na certeza da matemática um conforto para suas inseguranças – e, no meio do caminho, venceu uma guerra.


Por Juliana Varella

Atualizado em 3 Fev 2015.

Mais notícias

Mostras de cinema gratuitas e online para conferir em fevereiro

Cinema

Telecine Play apresenta mostra dedicada ao cinema negro e em celebração a Spike Lee

Cinema

Festival Internacional de Cinema de Trancoso: saiba tudo sobre o quarto dia da mostra

Cinema

10 filmes imperdíveis que estão em cartaz nos cinemas no feriado de 20 de novembro 

Cinema

Shopping Bourbon e Itaú Cinemas dão 30% de desconto nos ingressos em novembro; saiba mais!

Cinema

Saiba tudo sobre a 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Cinema