Guia da Semana

"Boa Sorte" mostra uma Deborah Secco cada vez mais segura de si e pronta para enfrentar papeis ainda maiores

Destaque da última Mostra Internacional de Cinema, o segundo longa de Carolina Jabor integra o circuito alternativo do cinema nacional.

A Mostra Internacional de Cinema mal acabou e os destaques da seleção oficial já começam a pipocar por aí. Entre os brasileiros, um dos que mais chamou atenção foi "Boa Sorte", segundo longa de Carolina Jabor. Adaptado do conto "Frontal com Fanta", de Jorge Furtado, o filme segue o encontro e amizade entre João e Judite, ambos internados em uma clínica psiquiátrica. Salvo alguns clichês, Jabor mostra-se segura e promete conquistar não só com uma história de amor, e sim com um conto sobre a vida e a morte.

Poucos diretores conseguem segurar seus roteiros contando apenas com, praticamente, um ambiente; no filme de Jabor, a característica, entretanto, é essencial à história. Lá, encontram-se João (João Pedro Zappa) e Judite (Deborah Secco). Ele, um jovem de 17 anos viciado em frontal e internado pela primeira vez. Ela, uma mulher de 30 anos que já experimentou de tudo. Na reabilitação, eles vivenciam um amor intenso e transformador.

Não é de hoje que vimos Deborah Secco transmutar a sua carreia de papeis de boa moça à personagens violentas e desafiadoras. De "Confissões de Adolescente" a "Bruna Surfistinha", o aspecto é claro. Agora, em "Boa Sorte", a atriz mostra-se capaz de encarar qualquer tipo de papel. Já o insosso João Pedro Zappa parece ser perfeito para o filme: um adolescente sem personalidade confrontando a verdadeira faceta da vida. Acontece que tamanha apatia cansa e, diferente de outros jovens atores, como Jesuíta Barbosa, parece que não veremos o rapaz brilhar nas telonas.

Depois de sua estreia, em 2008, com o documentário "Mistérios do Samba", Carolina Jabor optou por se inspirar na poesia de Jorge Furtado para contar a sua nova história. "Frontal com Fanta" chegou a fazer parte de uma antologia intitulada "Tarja Preta" e, como o nome sugere, trata não apenas das psicopatologias contemporâneas, e sim das sensações inerentes a qualquer ser humano. O conto, sobre um garoto que diz sentir-se invisível, é a chave para o lapidado roteiro de Jabor. Não podemos deixar de lado o sutil olhar da diretora para tratar das questões visuais de seu filme - a densidade da narrativa contrasta com o acabamento quase que perfeito da fotografia.

Mesmo que não tenha provado de experiências similares, no caso a reabilitação, o espectador inevitavelmente identifica-se com a história a sua frente. "Boa Sorte" personifica em suas personagens o confronto entre distintas bagagens de vida. João e Judite, em suas diferenças, acabam mostrando-se iguais. Acima de tudo, "Boa Sorte", junto com tantos outros, continua a mostrar que o cinema alternativo brasileiro, muitas vezes, supera o pastelão do comercial. Configura-se, assim, não só como peça de festival, mas como entretenimento para todo tipo de público. Seja você cinéfilo, ou não, encher os olhos com a graciosa crônica de Jabor não será de tanto esforço assim.

Atualizado em 14 Nov 2014.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dossiê da 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (2017)

Acompanhe diariamente a avaliação dos filmes vistos pela nossa redação na 41ª Mostra

Estreias da semana: “A Guerra dos Sexos”, “Doentes de Amor” e mais 6 filmes

Drama com Robert Pattinson também é destaque nesta quinta-feira

'Jogos Mortais – Jigsaw' ganha prévias com cenas inéditas; confira!

Oitavo filme da franquia chega ao Brasil no dia 30 de novembro

Além da Morte: assista à entrevista com o elenco

Remake de “Linha Mortal” estreia nesta quinta, 19

20 filmes imperdíveis da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2017

Saiba por onde começar na hora de escolher os filmes que você verá na 41ª Mostra

“Detroit em rebelião”, “Logan Lucky” e mais 7 filmes estreiam nesta quinta-feira (12)

Novo longa de Kathryn Bigelow é destaque para o feriado