Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

“Caçadores de Obras-Primas” desperdiça grande elenco em trama superficial

George Clooney lidera time de acadêmicos que tentam salvar obras clássicas das ameaças da guerra.

Bon Balaban e Bill Murray em cena do filme (Divulgação)

No final da Segunda Guerra Mundial, uma equipe de acadêmicos americanos se infiltrou no front para identificar e resgatar obras de arte – sequestradas por Hitler para seu futuro museu, roubadas pelos russos por dinheiro ou, simplesmente, destruídas pela guerra. A história detalhadamente descrita por Robert M. Edsel no livro “Caçadores de Obras-Primas” ganha agora sua versão para os cinemas, sob direção de George Clooney e elenco estelar.

+ Confira salas e horários para assistir ao filme
+ Saiba quais são as principais estreias de 2014 nos cinemas
+ Conheça 7 filmes que são melhores que os livros

Matt Damon, Bill Murray, John Goodman, Jean Dujardin, Hugh Bonneville e Bob Balaban se unem a Clooney (também protagonista) na nobre missão, alheios ao fato de que sua mera presença nos territórios em guerra pode significar sua morte.

A princípio, os “Caçadores de Obras-Primas” viajam com o plano de informar os exércitos sobre as obras e orientar sua ação para que não as destruam. Previsivelmente, eles não encontram muita ajuda ali e acabam agindo sozinhos – fardados e armados, mas pateticamente despreparados.

Isso poderia ser uma fonte rica de piadas (afinal, temos Goodman e Murray juntos, por que não aproveitar?) ou, no extremo oposto, poderia desencadear uma série de tragédias e transformar a inocente aventura artística num violento retrato da guerra. Fosse qual fosse o caminho, o final necessariamente traria aquela epifania sobre a importância da arte para a humanidade e o público sairia do cinema repensando tudo o que achava que sabia sobre museus.

Bem, não é exatamente o que acontece. Nem cômico nem trágico, o filme de Clooney se aloja preguiçosamente no meio de campo, deixando escapar poucas piadas (repetidas exaustivamente) e uma ou outra cena mais dramática (como a bela sequência da vitrola, que preenche o acampamento com uma gravação da família de um dos “caçadores”).

Quem poderia chacoalhar um pouco as emoções era a personagem de Cate Blanchett. Parisiense, ela trabalhara num museu comandado por nazistas e sabe o paradeiro de todas as obras francesas. Ela tem seu irmão assassinado pelos alemães e nutre uma paixonite pelo personagem de Damon, mas nada disso se desenvolve o suficiente.

Entretidos, porém levemente desapontados com a caçada a Picassos e Michelangelos, esperamos ansiosamente por um final recompensador. Que não vem.

As obras-primas ficam apenas no título e nos discursos inflados de Frank Stokes (Clooney). Mas nada da beleza de um David... Nada do mistério de Monalisa. Apenas a frieza de uma apresentação de slides, que parece especialmente projetada para um público que não se interessa por arte. Pobre de quem se interessa.

Assista se você:

- Quer ver um filme com bons atores
- Procura um filme para se divertir, sem se aprofundar muito
- Se interessa pela história das guerras ou da arte

Não assista se você:

- Espera ver um filme de história tão provocador quanto "Bastardos Inglórios"
- Não se interessa por artes clássicas
- Procura um filme "forte" sobre a guerra


Por Juliana Varella

Atualizado em 16 Fev 2014.

Mais notícias

Telecine Play apresenta mostra dedicada ao cinema negro e em celebração a Spike Lee

Cinema

Festival Internacional de Cinema de Trancoso: saiba tudo sobre o quarto dia da mostra

Cinema

10 filmes imperdíveis que estão em cartaz nos cinemas no feriado de 20 de novembro 

Cinema

Shopping Bourbon e Itaú Cinemas dão 30% de desconto nos ingressos em novembro; saiba mais!

Cinema

Saiba tudo sobre a 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Cinema

Filme 'Convenção das Bruxas' ganha trailer e pôster em português; confira!

Cinema
Guia da Semana Premium
Nosso conteúdo na melhor forma!

Aproveite o Guia da Semana de forma mais rápida, sem banners ou publicidade digital!