Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

Crítica: “Meu Amigo Hindu” é um mergulho na imaginação fetichista de um diretor de cinema

Novo filme marca o retorno de Hector Babenco aos cinemas após 8 anos.

Willem Dafoe interpreta um diretor de cinema que se trata de um câncer maligno (Divulgação)

O que se passa na imaginação sórdida de um diretor de cinema? Em “Meu Amigo Hindu”, temos a chance de mergulhar nas fantasias do argentino naturalizado brasileiro Hector Babenco, que relembra sua luta contra um câncer e reflete sobre seu amor ao cinema – no que jura não ser uma autobiografia.

Para saber o que esperar de “Meu Amigo Hindu”, imagine a seguinte cena: Diego (Willem Dafoe) acaba de descobrir que tem um câncer em fase terminal. Ele desconta sua raiva na esposa (Maria Fernanda Cândido), dizendo que preferia que fosse ela a morrer, desce do carro no meio do trânsito e passa a perseguir uma mulher na rua, vestida com tecidos indianos. Ele invade sua casa, admite estar morrendo e ela tenta acalmá-lo com uma reza. Não satisfeito, ele a despe e ela aceita confortá-lo com um sexo oral.

A cena não faz sentido, mas entendemos, mais tarde, que faz parte de um filme escrito por Diego (também um diretor de cinema) sobre a própria vida. É assim, de forma egocêntrica e fetichista, que ele enxerga o mundo à sua volta. As fantasias vão longe: uma atriz implora para estar em seu filme (e tem um destino parecido com o da primeira moça); uma prostituta se masturba com um vibrador enquanto o cineasta sai do quarto, deixando a porta escancarada (e ela não para); outra atriz (Bárbara Paz) dança de camisola molhada sob a chuva, num show particular só para ele.

Mas não são só fantasias sexuais. Diego também conversa com a Morte (Selton Mello, irônico e muito engraçado no papel), numa referência óbvia ao clássico “O Sétimo Selo”, de Ingmar Bergman. Os dois, inclusive, jogam xadrez como forma de adiar o julgamento final, como fizeram Max Von Sydow e Bengt Ekerot em 1957.

No meio do tratamento, Diego também conhece um garotinho hindu, a quem começa a contar as histórias dos filmes que ama, numa sala de espera do hospital. Esses encontros o fazem recuperar a vontade de escrever e, de certa forma, salvam sua vida – mas não o tornam menos arrogante.

O filme todo é falado em inglês, por mais que grande parte da história se passe no Brasil e que a maioria dos personagens sejam brasileiros. Ironicamente, o protagonista, apesar do nome, é americano. A escolha da língua, segundo o diretor, se deu primeiramente porque a história seria “universal”, sem uma ambientação específica (o que é questionável, já que nome do país é citado) e, em segundo lugar, por causa do ator principal, que não falava português. Dafoe, de fato, faz a diferença no longa.

“Meu Amigo Hindu” estreia nos cinemas no dia 3 de março.


Por Juliana Varella

Atualizado em 25 Fev 2016.

Mais notícias

Saiba tudo sobre a 44ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Cinema

Filme 'Convenção das Bruxas' ganha trailer e pôster em português; confira!

Cinema

12 filmes imperdíveis do festival de documentários "É Tudo Verdade"

Cinema

10 festivais de cinema para ver online em 2020

Cinema

5 motivos para conferir a 9ª edição da Mostra Ecofalante de Cinema

Cinema

Pipoca com sabor inspirado nas sobremesas do Outback entra no cardápio do Drive Park por tempo limitado; saiba tudo!

Cinema
Guia da Semana Premium
Nosso conteúdo na melhor forma!

Aproveite o Guia da Semana de forma mais rápida, sem banners ou publicidade digital!