Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

Crítica: “Sangue Azul” narra romance incestuoso com imagens ousadas e roteiro previsível

Filme venceu o Festival do Rio e estreia nos cinemas no dia 4 de junho.

Daniel de Oliveira vive um artista de circo que retorna à sua cidade natal (Divulgação)

O cinema brasileiro evoluiu muito nos últimos anos, mas alguns padrões insistem em se repetir. Um deles é a aposta exagerada no sexo ou na nudez, como se esses elementos – muitas vezes inseridos aleatoriamente e sem qualquer função narrativa ou estética – pudessem salvar um roteiro ruim. Pois não salvam, e são justamente esses padrões que preenchem a maior parte do supervalorizado “Sangue Azul”, de Lírio Ferreira.

O terceiro longa de ficção do diretor pernambucano conta a história de Zolah (Daniel de Oliveira), um garoto criado no circo a pedido da mãe, que, temendo a relação íntima que existia entre ele e a irmã (Caroline Abras), preferiu enviar o menino para viajar pelo mundo. Um dia, o circo de Zolah volta à ilha onde ele nasceu e todas as frustrações voltam à tona. A mãe está lá, fingindo que nada aconteceu, e a irmã também - noiva, é claro.

Zolah tem sua própria namorada, mas isso não o impede de transar com outras mulheres sempre que tem a oportunidade. Não é por acaso que sua função no circo é a de “homem-bala”- a comparação é ruim, mas é feita com todas as palavras por uma personagem, quando ele falha por estar pensando na irmã.

Não há surpresas ou mistérios no enredo: Zolah sente atração pela irmã e o sentimento é recíproco. Todos sabem, e todos estão preocupados demais com suas próprias relações para se importarem com o incesto. Quanto ao casal, também não há entrelinhas: ele tem medo do mar e ela é mergulhadora, portanto, quando esse pânico for vencido, eles estarão prontos para se assumirem.

“Sangue Azul” foi o grande vencedor no Festival do Rio de 2014 e também saiu premiado do Festival de Paulínia. Filmado em Fernando de Noronha, o longa tem a seu favor um cenário lindíssimo, complementado por uma sequência bastante poética de montagem do circo, logo no início. Depois de erguido o toldo, porém, o espetáculo se revela uma experiência longa e dolorosa.


Por Juliana Varella

Atualizado em 2 Jun 2015.

Mais notícias

7 filmes do diretor David Lynch que você precisa assistir

Cinema

Os melhores filmes infantis de 2019... até agora

Cinema

10 filmes imperdíveis com alienígenas para quem gosta do gênero

Cinema

10 filmes europeus imperdíveis para assistir na Netflix

Cinema

"MIB: Homens de Preto - Internacional", "Dor e Glória" e mais quatro filmes estreiam nesta quinta (13); Confira:

Cinema

Dia dos Namorados? 8 filmes para cultivar o amor próprio

Cinema