Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

Crítica: “Tudo Que Aprendemos Juntos” traz Lázaro Ramos como um professor de violino em Heliópolis

Filme segue a tradição de dramas escolares como “Mentes Perigosas”, mas traz uma contribuição particular ao gênero.

Lázaro Ramos é Laerte, um violinista que transforma alunos de uma escola pública numa pequena orquestra (Divulgação)

Filmes sobre professores já se tornaram um verdadeiro gênero à parte. Desde os anos 60, diretores de diversos países têm trabalhado para reforçar a imagem do educador como um herói moderno, capaz de promover mais revoluções do que qualquer soldado em campo de guerra. Agora, um novo título chega aos cinemas para reforçar o tema, desta vez se debruçando sobre as escolas brasileiras. “Tudo Que Aprendemos Juntos”, de Sérgio Machado, estreia no dia 3 de dezembro e merece sua atenção.

O longa é uma adaptação da peça “Acorda Brasil”, de Antônio Ermínio de Moraes, e narra uma história fictícia inspirada no Instituto Baccarelli e na Orquestra Sinfônica de Heliópolis. O protagonista é Laerte (Lázaro Ramos), um violinista que, contra a sua vontade, assume uma turma de alunos numa escola pública e acaba transformando radicalmente sua vida e a daqueles jovens.

Um dos pontos positivos do filme é que o roteiro não é ingênuo. Laerte não tem o sonho de transformar a comunidade ou combater a violência, e nem é esse o resultado do seu trabalho. Na verdade, ele só aceita o cargo porque fracassa na audição para a OSESP e, desde o início, mostra-se bastante desconfortável com a ideia de frequentar a favela. Só o faz porque descobre ser irresistível ver a evolução dos seus alunos.

O que o filme explora não é o idealismo piegas de que a música pode mudar o mundo (pelo menos não diretamente), mas sim a relação que se estabelece entre professor e alunos e entre os alunos e a aprendizagem, num ambiente em que a escola já perdeu há muito tempo sua função.

A periferia paulistana de “Tudo Que Aprendemos Juntos” poderia ser a californiana de “Mentes Perigosas” (1995) ou a parisiense de “Entre os Muros da Escola”(2008). Aqui, como ali, a autoridade precisa ser conquistada pelo professor não apenas em sala de aula como também fora dela, num equilíbrio delicado entre escola, líderes locais (traficantes, no caso) e as famílias disfuncionais dos estudantes.

Além de Ramos, que encarna com firmeza seu papel, também se destaca o estreante Kaíque de Jesus, que interpreta o aluno prodígio Samuel. Carismático e habilidoso, Samuel encanta o professor e até provoca ciúmes nos colegas de turma, o que culmina numa discreta sequência que diz muito sobre o papel do educador e o desafio de atender ao indivíduo e ao grupo simultaneamente. Nesta cena, também fica clara a carência daqueles jovens por atenção e o papel que a música (e o orgulho de tocá-la) acabará preenchendo em suas vidas.

“Tudo Que Aprendemos Juntos” tem todos os elementos nos lugares certos: o roteiro é inteligente e, apesar de ter as viradas comuns ao gênero, não soa repetitivo. Os atores, iniciantes ou veteranos, falam com naturalidade e fazem com que os contrastes entre periferia e capital não sejam forçados. A fotografia é bem trabalhada (destaque para uma sequência de combate com a polícia) e a trilha aposta numa imersão musical, como deveria ser. Ao conjunto já extenso de clássicos escolares, parece claro que Machado deve deixar sua marca, trazendo uma contribuição bastante particular. Vale 100% seu ingresso.


Por Juliana Varella

Atualizado em 27 Nov 2015.

Mais notícias

6 filmes imperdíveis com Emilia Clarke

Cinema

Férias no cinema: 10 filmes imperdíveis para ver com as crianças entre dezembro e janeiro

Cinema

10 animações imperdíveis confirmadas para 2020

Cinema

"O Juízo", "Feliz Aniversário" e mais cinco filmes estreiam nesta quinta-feira(5); Confira!

Cinema

Motivos para assistir ao filme “Um Dia de Chuva em Nova York”, de Woody Allen

Cinema

Black Friday do Cinemark tem ingressos a R$ 5 e pipoca em dobro; saiba mais!

Cinema