Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

“É Apenas O Fim do Mundo”, de Xavier Dolan, é um estudo aflitivo sobre ego e comunicação

Jovem diretor canadense alfineta novamente a falsidade das relações humanas em filme que estreia no dia 24.

Gaspard Ulliel interpreta Louis, um escritor que volta à casa da família para avisar sobre sua morte (Foto: Divulgação)

A comunicação é impossível no novo filme de Xavier Dolan. “É Apenas O Fim Do Mundo”, que chega aos cinemas na próxima quinta-feira, dia 24, é o sexto longa-metragem do diretor-prodígio canadense e, assim como seu filme anterior, o explosivo “Mommy”, é um verdadeiro (e necessário) soco no estômago.

“É Apenas O Fim Do Mundo” conta a história de um escritor de 34 anos, bem sucedido e gay (duas características que virão rancorosamente à tona mais tarde), que decide voltar à sua cidade-natal para visitar a família, que não vê há 12 anos. O motivo? Avisá-los de que ele vai morrer.

O filme não explica se Louis, o protagonista interpretado Gaspard Ulliel, pretende se matar ou se está sofrendo de alguma doença fatal, mas isso – por incrível que pareça – é irrelevante. O fato é que este é um filme sobre despedidas e sobre o tempo, que passa generosamente enquanto as pessoas lamentam o passado ou criam expectativas para um futuro que nunca chegará.

Não demora para entendermos os motivos pelos quais Louis poderia querer tirar a própria vida. Talvez ele tenha compreendido que, apesar da fama, é invisível num mundo de egos e aparências. Quando chega à casa da mãe, por exemplo, seus parentes (a mãe, a irmã, o irmão e a cunhada) o esperam com ansiedade, mas, ao invés de perguntarem sobre sua viagem ou acolhê-lo na sala de estar, ficam parados no hall discutindo uns com os outros sobre como deveriam se comportar. Louis não tem a chance de dizer uma palavra.

O estranhamento é uma sensação constante nos filmes de Dolan e, frequentemente, é provocado por uma mistura de linguagem de câmera expressiva e direção intensa de atores. No caso, o filme passa do choque inicial da revelação das intenções do personagem para uma sequência de imagens simbólicas de amor e amizade vistas pela janela de um táxi. Então, quando finalmente chegamos à cena do hall, Dolan troca sua trilha sonora pop por uma mais dramática, fecha a câmera radicalmente no rosto de cada personagem e faz com que os atores se interrompam uns aos outros criando uma tensão crescente. É como se ele dissesse que, naquele hall, não haveria espaço para duas pessoas coexistirem de verdade. O efeito é asfixiante.

Talvez a melhor expressão para descrever o que acontece a partir daí é “aflitivo”. O filme é aflitivo. Não que qualquer um dos personagens de fato faça ou diga algo muito chocante, mas a forma como eles interagem ao longo de uma única tarde, projetando no visitante todas as suas frustrações enquanto proíbem que ele se expresse, e como isso tudo dialoga com a informação (que apenas o público tem) de que Louis morrerá em breve, é de partir o coração.

Esta é a primeira vez que Dolan tem à disposição um elenco “de elite” (seu próximo filme, “The Death and Life of John F. Donovan”, será ainda mais carregado de figurões), o que, para alguns diretores, costuma ser sinônimo de menos controle e menos qualidade. Não para ele: Vincent Cassell, Marion Cotillard e Léa Seydoux entregam, todos, lados até então inexplorados no cinema comercial e contribuem com extrema devoção à construção desse drama. Quem domina a situação, porém, é a menos conhecida por aqui Nathalie Baye, que já trabalhara com o diretor em “Laurence Anyways” e que interpreta a mãe. Ulliel também faz sua parte e expressa, quase exclusivamente com o rosto em closes fechadíssimos, toda a angústia de seu personagem.

“É Apenas O Fim Do Mundo” não é um filme fácil e muitos espectadores podem se incomodar com o ritmo. Diferente de “Mommy”, ele não funciona em picos de adrenalina, mas adota uma frequência mais ou menos constante de tensão durante todo o filme, encerrando numa nota melancólica. Para quem não se incomodar com isso, entretanto, a recompensa é grande: provocação, reflexão e um arrepio gelado na espinha pela certeza de que a realidade não está tão distante da ficção.

Conheça o cinema de Xavier Dolan

O canadense é uma das maiores revelações do cinema atual; saiba mais!

10 filmes imperdíveis do Festival Mix Brasil 2016

Confira as produções que você não pode perder!


Por Juliana Varella

Atualizado em 25 Nov 2016.

Mais notícias

Saiba como assistir ao Oscar 2021 na TV e Internet

Cinema

Divulgados trailer e pôster inéditos do filme "Cruella"; confira!

Cinema

Resenha: 'En las estrellas'

Cinema

Confira a lista dos indicados ao Oscar 2021

Cinema

Oscar 2021: saiba onde assistir aos filmes indicados

Cinema

10 mostras de cinema online para conferir em março de 2021

Cinema