Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

“Insurgente” sofre com a falta de densidade de seus protagonistas

Segundo filme da série “Divergente” estreia em 19 de março.

Shailene Woodley interpreta a divergente Tris (Divulgação)

Tris, Four e todas as facções que o público conheceu em “Divergente” estão de volta aos cinemas na primeira sequência, “Insurgente”. O filme deveria marcar o meio da saga, mas, como já virou regra entre séries milionárias adolescentes, o último episódio será dividido em dois, retardando o clímax e criando aquela longa e sonolenta jornada de preliminares.

O filme inicial apresentou a estrutura política de uma Chicago destruída, segmentada “para o bem de todos” de acordo com as aptidões de cada cidadão – deixando quem não se encaixasse às margens da sociedade. A heroína Tris, interpretada por Shailene Woodley, descobriu que se encaixava até demais, contendo características de todas as facções e sendo considerada “divergente”. 

Em “Insurgente”, Tris e seu namorado Four (Theo James) aparecem vivendo às escondidas, tentando reunir os outros integrantes da Audácia para atacar a Erudição, facção comandada por Jeanine (Kate Winslet) que dizimara, ainda no primeiro longa, o grupo do qual faziam parte os pais de Tris. Paralelamente, Jeanine procura um divergente capaz de abrir uma caixa que, ela acredita, trará legitimação a todas as suas maldades. A essa altura, você já deve ter adivinhado o final.

Se a disputa de poder soa natural em qualquer história, a postura dos protagonistas destoa radicalmente do que se esperaria de heróis adolescentes – modelos de comportamento, em geral. Do primeiro para o segundo filme, Tris ficou mais violenta e arrogante, matando sem pensar duas vezes e mostrando desdém por qualquer pessoa mais velha, que tente lhe ensinar alguma coisa. Já Four, belo e vazio, perdeu sua identidade de líder e passou a se preocupar exclusivamente com as vontades da amada. 

Quem manteve a coerência, ironicamente, foram os personagens de índole menos nobre: Peter (Miles Teller), Caleb (Andel Elgort) e a própria Jeanine. O primeiro continua jogando conforme a conveniência; o segundo se mantém fiel ao seu senso de moral, mesmo que isso contrarie todos os outros sensos; e a terceira permanece ingênua, cavando a própria ruína a cada decisão.

Novas personagens aparecem para dar algum frescor à trama: Octavia Spencer vive a líder da Amizade, Johanna, e Naomi Watts interpreta a líder dos sem-facção, Evelyn, que promete ter um papel bem mais relevante no terceiro filme e pode vir a salvar a trilogia.

As duas ajudam a dar um pouco de humanidade ao longa, que ameaça se afundar em cenas de ação sem sentido. É compreensível que o público queira ver lutas e perseguições, mas essas chegam sem aviso, como se o diretor quisesse compensar a falta de bons diálogos colocando seus atores para correr.

Se “Divergente” já levantara dúvidas sobre o potencial dos livros de Veronica Roth nos cinemas, “Insurgente” deixa claro que seus personagens não têm a densidade necessária para sustentar uma franquia tão bem sucedida quanto aquelas que a inspiraram. Será que os próximos filmes surpreenderão?

“Insurgente” chega aos cinemas nesta quinta, 19 de março.


Por Juliana Varella

Atualizado em 17 Mar 2015.

Mais notícias

7 filmes do diretor David Lynch que você precisa assistir

Cinema

Os melhores filmes infantis de 2019... até agora

Cinema

10 filmes imperdíveis com alienígenas para quem gosta do gênero

Cinema

10 filmes europeus imperdíveis para assistir na Netflix

Cinema

"MIB: Homens de Preto - Internacional", "Dor e Glória" e mais quatro filmes estreiam nesta quinta (13); Confira:

Cinema

Dia dos Namorados? 8 filmes para cultivar o amor próprio

Cinema