Guia da Semana

Made in China: mais uma vez, comédia nacional confunde preconceito com humor

Regina Casé estrela filme sobre comércio de rua no Rio de Janeiro

A cada comédia nacional que chega aos cinemas (salvo justas exceções), uma pergunta martela na cabeça de, pelo menos, uma pequena parte pensante dos espectadores: alguém ainda ri dos mesmos estereótipos de vinte anos atrás? Enquanto, no resto do mundo, roteiristas (bons e ruins) tentam encontrar graça no modo de vida contemporâneo – rindo da internet, das famílias misturadas ou da tragédia diária das cidades grandes -, no Brasil a graça ainda está no estrangeiro, no negro, no judeu e na bunda.

A nova produção da Globo Filmes, Made In China”, parte justamente de um grupo de estrangeiros para fazer sua piada: em especial a máfia chinesa que domina feirinhas e mercados suspiciosamente baratos nas capitais. No caso, a história se passa na Saara do Rio de Janeiro.

Regina Casé usa toda sua simpatia para interpretar Francis, uma vendedora cheia de lábia numa loja de brinquedos e cacarecos, cujo dono é um árabe (Otávio Augusto) e o locador é um judeu (Gilberto Marmorosch). Lá, também trabalha a “popozuda” Andressa (Juliana Alves), o mulherengo Carlos Eduardo (Xande de Pilares) e o preguiçoso filho do dono Peri (Luis Lobianco).

 

As vendas começam a cair quando os chineses (Liú Wang, Tony Lee e Yili Wang) abrem um loja do outro lado da rua, com os mesmos produtos pela metade do preço. Preocupada, Francis decide investigar a legalidade dos negócios na casa vizinha.

A premissa poderia ser ousada, se a investigação não se limitasse a uma visita fracassada ao porto. Os conflitos culturais também poderiam render risadas genuínas, se os comentários não fossem tão desrespeitosos (numa cena, Francis diz a Peri que a garota chinesa “fará o que ele quiser – dançará no carnaval, tomará cerveja, comerá cocô se ele pedir”).

Além da ingenuidade, o filme também brinca com o físico “desavantajado” das mulheres daquele país e até toca em temas como pedofilia. O estranho é que o crime sexual não é visto da mesma forma quando o homem da relação é branco e brasileiro.

Outro ponto que incomoda, talvez por pisar em calos, é o descaso com a corrupção. Quando o dono da loja descobre um ladrão entre seus funcionários, ele é convencido a puni-lo apenas “depois do carnaval”, colocando a festa em primeiro lugar.

“Made in China” pode agradar a um público acostumado ao humor de programas apelativos como Zorra Total e Pânico na TV, mas dificilmente arrancará gargalhadas sinceras. Para quem está cansado das mesmas piadas, o resultado será, no máximo, um sorrisinho nervoso e um suspiro de vergonha alheia.

Assista se você:

  • Costuma gostar das comédias nacionais
  • É fã de Regina Casé
  • Gosta de humor politicamente incorreto

Não assista se você:

  • Procura uma comédia inteligente
  • Não vê graça em piadas ofensivas
  • Não gosta de comédias nacionais com jeito de TV

Atualizado em 6 Nov 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

22 filmes para ver por até R$ 4 no Dia do Orgulho Nerd

"Batman: O Cavaleiro das Trevas" e "Harry Potter e as Relíquias da Morte" estão em cartaz por preços reduzidos

7 motivos para assistir ao novo “Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar”

Quinto filme da série chega aos cinemas nesta quinta-feira, 25 de maio

Filme "Extraordinário", com Julia Roberts e Jacob Tremblay, ganha trailer emocionante

Longa inspirado no best-seller de R.J. Palacio estreia em novembro

20 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em junho

"Mulher Maravilha", "A Múmia" e "Meu Malvado Favorito 3" estão entre os destaques do mês

Mostra itinerante exibe "Up - Altas Aventuras" e outros três filmes de graça em São Paulo

“Up – Altas Aventuras” e “O Sorriso de Monalisa” estão no cardápio do Cinemóvel Carrefour

Continuação de "Mamma Mia" é confirmada

Intitulado "Here We Go Again!", filme estreia em 2018