Guia da Semana

"O Hobbit - A Desolação de Smaug" é aventura mais comercial da série até agora

Segundo filme da trilogia se afasta da obra original, mas garante diversão para fãs e leigos.

Nem parece, mas já se passou um ano desde que “O Hobbit – Uma Jornada Inesperada” chegou aos cinemas, revelando uma tecnologia revolucionária (os 48 qps, com os quais toda a trilogia foi feita) e reaquecendo os corações dos fãs desamparados da trilogia “O Senhor dos Anéis”. Agora, “A Desolação de Smaug” estreia sem o alarde tecnológico, mas com a promessa de materializar na tela um dos personagens mais icônicos da série literária: o dragão Smaug.

+ Confira os horários para assistir ao filme
+ Saiba quais são as melhores salas para assistir ao filme
+ Assista ao trailer de "O Hobbit - A Desolação de Smaug"
+ Veja as estreias da semana nos cinemas 

Benedict Cumberbatch – o Khan de “Star Trek – Além da Escuridão” ou o Sherlock da TV – foi encarregado de dar voz à criatura mitológica e a um segundo vilão, o Necromancer. Entre tantos efeitos sonoros, é preciso se esforçar um pouco para reconhecer o timbre naturalmente grave e imponente do ator, mas o que realmente impressiona (e agrada) é a forma lenta e inabalável com que ele conduz seu diálogos. É com palavras, aliás, que ele e Bilbo (Martin Freeman, novamente genial) se confrontarão no ponto mais alto do filme.

A história parte de onde terminou o primeiro episódio: Bilbo, Gandalf e os 12 anões estão se refugiando de Orcs e lobos no início de sua jornada rumo à Montanha de Erebor, onde o dragão guarda o tesouro do antigo reino dos anões. O objetivo do grupo é roubar de Smaug uma joia específica que devolverá a Thórin o direito de reinar ali.

Na jornada, os fãs encontrarão algumas figuras conhecidas do livro ou dos outros filmes, como o transmorfo Beorn (uma espécie de lobisomen), o mago marrom Radagast, o humano Bard e até o bom e velho elfo Legolas – figura que não aparece no livro original, mas apenas na trilogia “O Senhor dos Anéis”.

Outros personagens são fruto da imaginação da equipe de roteiro e podem incomodar aos mais puristas: a criação mais gritante é a da elfa Tauriel (Evangeline Lilly). Inspirada, possivelmente, na história de Lúthien (elfa que se apaixona por um humano em Silmarillion), ela tem a função de equilibrar a narrativa com uma sub-trama levemente romântica e levemente heroica, além de ser uma “escada” para a aparição de Legolas.

A sensação, contudo, é de que faltou mergulhar mais fundo no contexto desses dois elfos para justificar suas ações e tornar sua passagem realmente necessária na história.  

O que falta a Tauriel, no fundo, falta a todo o filme: densidade psicológica. Enquanto a saga “O Senhor dos Anéis” exalava a dilemas morais e conflitos internos, a hiper-extendida adaptação em três filmes para o livro “O Hobbit” tenta se apoiar apenas na aventura. Sobram espadas, flechas, orcs e aranhas gigantes; faltam silêncios, ambiguidades e diálogos como o de Bilbo com o dragão.

Como era de se esperar, “O Hobbit – A Desolação de Smaug” não decepciona nos gráficos. As paisagens da Nova Zelândia continuam estonteantes, assim como os detalhes de cenário e figurino, que mergulham o espectador naquele universo que já conhecemos tão bem. Sem a exibição em 48 fps (a filmagem foi feita com a tecnologia, mas a maioria das salas ainda oferece a exibição comum), a experiência se mantém mágica, sem o realismo exagerado do filme anterior. 

Os fãs da franquia formarão novamente suas filas quilométricas nos shoppings para conferir o novo longa, isso é certo. E não sem razão: entrar no universo de Tolkien-Jackson é sempre um prazer - há algo de transcendental na experiência. Mas não há como evitar uma ponta de decepção, mesmo para os seguidores mais fiéis: falta alguma coisa... Falta um pouco mais de Tolkien, um pouco menos de Peter Jackson.

Assista se você:

- É fã da franquia "O Senhor dos Anéis" e "O Hobbit"

- Procura uma aventura empolgante para assistir nas férias

- Quer levar os filhos ao cinema

Não assista se você:

- É um fã mais purista dos livros de Tolkien

- Não gosta de filmes muito longos (este tem 2h41) 

- Não se interessa por histórias de fantasia

Atualizado em 12 Fev 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Entrevista: Dylan O’Brien fala sobre seu primeiro papel nos cinemas após acidente em 2016

“O Assassino: O Primeiro Alvo” chega aos cinemas nesta quinta, 21 de setembro

"All I See is You", drama com Blake Lively, ganha primeiro trailer; assista!

Longa estreia dia 27 de outubro nos EUA

Bilheterias da semana: "It - A Coisa" mantém liderança enquanto "Mãe!" fracassa nos EUA

Filme pode se tornar a maior bilheteria da história no gênero de horror

"Bingo - O Rei das Manhãs" é escolhido para representar o Brasil no Oscar 2018

Filme de Daniel Rezende se inspira na história real de um dos atores que interpretou o palhaço Bozo no Brasil

Reserva Cultural exibe filmes franceses sobre a Melhor Idade com café da manhã e preços baixos

Programação marca o último ciclo do ano do Cinéclub, projeto que acontece sempre no último domingo do mês

Estreias da semana: “Feito na América”, “As Duas Irenes” e mais 7 filmes

Novo horror ambientado na famosa casa de Amityville também é destaque