Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

“O Juiz” traz Robert Downey Jr. em papel intenso

Ator interpreta um advogado que defende o pai em caso de homicídio.

Robert Downey Jr. é Henry Palmer, um advogado de defesa (Divulgação)

O tribunal parece ser um dos ambientes favoritos dos roteiristas – ao lado da redação, da sala de aula e da sala de jantar. É ali, entre cadeiras de madeira maciça e ternos bem cortados, que se faz a justiça, com base nos pequenos detalhes revelados pouco a pouco em depoimentos, pressionados por advogados e suas línguas afiadas. Assistindo a isso, um corpo de jurados anônimos, sensibilizados no calor do momento, decidem o futuro de um único réu: culpado ou inocente?

Em “O Juiz”, novo drama de David Dobkin (“Penetras Bons de Bico”) escrito em parceria com Nick Schenk (“Gran Torino”), uma inversão de papéis apimenta o julgamento: o juiz se torna réu; o réu, juiz (pelo menos metaforicamente).

Robert Downey Jr. é o coração desta história, que, mais do que investigar um assassinato, explora os rancores mal resolvidos entre um pai e um filho. Downey Jr. é o filho, Henry, um advogado especialista em defender criminosos, encontrando todas as brechas possíveis na lei mesmo que seus clientes sejam culpados.

Numa única manhã, Henry perde a esposa e a mãe – a primeira, para outro homem; a segunda, para um coágulo no coração. Hesitante, o homem da cidade grande vai para sua cidadezinha natal, menos receoso pela imagem da mãe morta do que pela expectativa do reencontro com o pai, Joseph Palmer (Robert Duvall).

O sr. Palmer é juiz há mais de 40 anos e, na visão de Henry, costuma mostrar mais compaixão pelos réus desconhecidos do que por seu próprio filho. Mas Henry não é o único, e sim o do meio - o mais rebelde, mais cobrado e mais bem sucedido. O mais velho, Glen (Vincent D’Onofrio) tinha tudo para ser um grande atleta, até machucar o punho. O mais novo, Dale (Jeremy Strong), tem uma deficiência intelectual e depende de sua câmera para sentir-se seguro. Entre os três, há aquela cumplicidade que só irmãos compreendem.

Os sentimentos masculinos têm peso especial em “O Juiz”, centrado numa família onde só os homens restaram e as mulheres se resumem a crianças delicadas ou parceiras de cama. Não que este seja um filme sexista, mas a forma como os personagens lidam com o orgulho, prejudicando a si mesmos e uns aos outros em cada palavra não dita, só encontra seu sentido pleno na interpretação de um homem – criado para ser infalível.

Os conflitos de Henry se multiplicam quando Joseph é acusado de homicídio e, mesmo sabendo do talento do filho, recusa sua ajuda. Se o pai é o clássico patriarca rabugento, o filho surpreende com uma vastidão de sentimentos que vão da auto-confiança ao medo paralisante e do amor incondicional ao ódio, levando à inevitável transformação e à redenção. Toda essa energia é canalisada no tribunal, onde as melhores sequências acontecem, para deleite do público.

Vera Farmiga e Billy Bob Thornton reforçam o elenco, neste filme que deve sua força especialmente aos atores. “O Juiz” estreia no Brasil no dia 16 de outubro.

Assista se você:

  • Gosta de filmes sobre julgamentos
  • Gosta de filmes sobre pais e filhos
  • Quer ver uma atuação surpreendente de Robert Downey Jr.

Não assista se você:

  • Não gosta de filmes com tribunais
  • Não gosta de dramas familiares
  • Está cansado de filmes sobre homens orgulhosos ou rabugentos

Por Juliana Varella

Atualizado em 8 Out 2014.

Mais notícias

Saiba como assistir ao Oscar 2021 na TV e Internet

Cinema

Divulgados trailer e pôster inéditos do filme "Cruella"; confira!

Cinema

Resenha: 'En las estrellas'

Cinema

Confira a lista dos indicados ao Oscar 2021

Cinema

Oscar 2021: saiba onde assistir aos filmes indicados

Cinema

10 mostras de cinema online para conferir em março de 2021

Cinema