Guia da Semana
Cinema
Por Juliana Varella

“Sob a Pele”: Scarlett Johansson protagoniza terror experimental

Filme de Jonathan Glazer explora nudez, realismo e trilha sonora penetrante.

Scarlett Johansson vive uma alienígena que seduz os escoceses para matá-los (Divulgação)

Dizem que trabalhar em filmes de super-heróis pode ser uma maldição, mas há quem saiba usar a situação a seu favor. Scarlett Johansson, a atual Viúva Negra da Marvel, vem aproveitando a fama (conquistada desde Moça com Brinco de Pérola, é verdade, mas potencializada nos últimos anos pelas franquias Vingadores e Capitão América) para alavancar produções autorais, que dificilmente chegariam aos olhos do grande público.

Em Sob a Pele, thriller de Jonathan Glazer, Scarlett tira a roupa, abre mão da voz rouca e sensual (sua personagem quase não fala) e limita-se a observar as reações à sua beleza. Ela é uma alienígena, sem nome, e sua missão é sequestrar homens humanos para que sua carne (e tudo o mais que existe sob a pele) seja sugada, para fins que não chegamos a conhecer pelo filme.

A personagem começa como um predador calculista, mas descobre aos poucos o sentimento de compaixão – disparado pelo choro de uma criança. Disposta a entender esse estranho universo humano, ela se aventura e se arrisca. Ingênua.

A história vem do livro de mesmo nome de Michel Faber, mas há mais distâncias do que aproximações entre as duas versões. No original, os humanos são entregues aos alienígenas e engordados até chegarem ao “ponto”, para que sua carne seja consumida. Sentiu uma pontada de João e Maria? É pior: a crítica de Faber ataca diretamente a indústria alimentícia, enfocando a crueldade com os animais e os jogos políticos. Tudo isso, é claro, no “outro planeta”, afinal, basta mudar o ponto de vista para a questão se tornar muito mais chocante.

O filme de Glazer deixa de lado a política e o ativismo para se concentrar num terror minimalista e nos conflitos psicológicos da protagonista – que não os pronuncia, apenas exibe no olhar curioso. O diretor experimenta com a linguagem: mexe com fundos brancos e pretos, avermelha a luz, faz boiarem os corpos das vítimas e suas peles flácidas, cega o espectador com neblina espessa. Tudo é gelado. Estamos na Escócia.

Parte do longa foi filmado como um documentário, às câmeras escondidas. A atriz dirigia um furgão, sob os olhos de oito pequenas lentes, levando a equipe de filmagem na parte de trás. Andava, parava, abria o vidro e puxava conversa com um homem qualquer. A espontaneidade era registrada.

A trilha sonora, metálica e pulsante, cortada por um eventual violino arranhado, é a culpada pela tensão e pela sensação constante de estranhamento. É desconfortável, alienígena, sedutora como Scarlett.

A sequência inicial é desconcertantemente experimental: vemos círculos, que lembram planetas, que lembram globos oculares, que lembram máquinas. Mais de uma vez, encaramos linhas horizontais vermelho-sangue. Mas não é preciso explicar nada: Sob a Pele questiona mais do que responde, provocando o espectador a construir parte da história. Quem é ela? Para quem trabalha? Como chegou ali? Assista de novo. Experimente um pouco mais.

Assista se você:

  • Procura um filme com uma linguagem diferente
  • Quer ver um filme arrepiante, mas que também faz pensar
  • Gosta de ficção científica com uma pegada realista

Não assista se você:

  • Não gosta de filmes europeus, mais lentos que os americanos
  • Procura um filme de terror com muito sangue e sustos
  •  Espera ver um filme fiel ao livro

Por Juliana Varella

Atualizado em 16 Mai 2014.

Mais notícias

Saiba tudo sobre a live-action de "O Rei Leão", que estreia nos cinemas nesta quinta-feira (18)

Cinema

"O Rei Leão", "Jornada da Vida" e mais dois filmes que estreiam nesta quinta (18); Confira:

Cinema

10 filmes que completam 10 anos em 2019

Cinema

10 filmes não Blockbusters lançados em 2019 que você não pode deixar de assistir

Cinema

10 filmes incríveis que valem por sessões de terapia

Cinema

10 filmes que abordam o universo nerd para assistir pelo menos uma vez na vida

Cinema