Guia da Semana

Três filmes obrigatórios de Quentin Tarantino

Colunista do Guia da Semana indica três filmes imperdíveis de Quentin Tarantino.

Quando se pensa em Tarantino nos vem a cabeça, violência extrema, armas, muito sangue, diálogos espetaculares e mortes épicas. Justamente por tratar com grande maestria desses temas - nem sempre agradáveis aos olhos - que ele é diretor referência, gênio! Como ele diz: "Sempre pensei que o cinema foi inventado para mostrar gente se beijando e se matando"

+ Saiba mais sobre Django Livre, novo filme de Tarantino
+ Veja as estreias dos cinema da semana

Inspirado no lançamento de Django Livre, novo filme do diretor, preparei uma lista de três filmes obrigatórios da obra do cineasta para você assistir. Confira!

Cães de Aluguel



O primeiro filme profissional de Tarantino, rodado em 1992, estreou no
Festival de Sundance e não foi lá tão bem recebido, mas abriu portas e
ele virou sensação em Hollywood do dia para noite e já mostrou para o
que veio com seu  jeitão  peculiar de ver e filmar e,  na minha
opinião, tem um dos melhores diálogos de todo o cinema.

Começando pela apresentação memorável  dos personagens, numa
lanchonete em meio a fumaça de cigarro a câmera passeia por eles
enquanto o personagem Mr Brown - interpretado pelo próprio Quentin-,
discursa sua interpretação para a música "Like a Virgen", da Madonna.

Jackie Brown


Um dos filmes menos aclamado e menos reconhecido, também é um dos mais convencionais da obra de Tarantino. O longa é uma adaptação do livro "Rum Punch", o que deu menos espaço para as piras do diretor, porém o fez sair da sua zona de conforto e fez ampliar seus horizontes  

Óbvio que suas marcas registradas estão todas lá, intactas, com diálogos inteligentes, personagens curiosos, trilha sonora arrebatadora, mistura de gêneros, narrativa não-linear e as homenagens diversas. Eu recomendo que dêem uma chance a esse filme, ele pode te surpreender.

Bastardos e inglórios


A versão da segunda Guerra mundial do Tarantino é simplesmente genial. Pequenas histórias sequenciais muito bem filmadas e que geram um final delirante e apoteótico. O filme é excelente. Talvez seja o melhor Tarantino desde “Pulp Fiction”, seu grande marco.

Mais do que nunca, o elenco é poderoso, grandes atuações, e o grande destaque vai para Christoph Waltz, que agarrou com unhas e dentes o o papel de Hans Landa,  que o fez ganhar o prêmio de melhor ator no festival de Cannes e um Oscar de Ator Coadjuvante. Enfim, essa caçada contra os nazistas é simplesmente imperdível.

Aguardo ansiosa por Django Livre e ver como Quentin Tarantino irá nos surpreender desta vez. Por enquanto é só. Hasta luego suuuckers.

Atualizado em 21 Jan 2013.

Por Marina Previato
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Mostra Internacional de Cinema de São Paulo revela pôster e primeiras atrações

Vencedores da Palma de Ouro e do Festival de Toronto são destaques entre os filmes confirmados na programação

Estreias da semana: "Mãe!", "Esta é a Sua Morte – O Show" e mais 6 filmes

Suspense de Darren Aronofsky com Jennifer Lawrence promete dividir opiniões

“Ensaio Sobre a Cegueira” tem sessão gratuita com debate no MIS

Filme será acompanhado por bate-papo com historiadora

Final da Copa do Brasil será exibida nos cinemas

Rede Cinemark transmite o jogo ao vivo no dia 27 de setembro

"Tomb Raider" com Alicia Vikander no papel de Lara Croft ganha primeiro trailer; assista!

Novo filme da franquia tem estreia prevista para março de 2018

13 objetos de decoração que vão deixar sua casa mais cinéfila

De quadro interativo a almofada para pipoca, confira os itens que não podem faltar no seu cafofo