Guia da Semana

XI Festival de Cinema Judaico de São Paulo


O cineasta israelense Eytan Fox é o homenageado da edição 2007 do evento. Ele comparecerá ao festival, além de ter seu novo filme, A Bolha (foto), entre os destaques. Na sexta-feira (10), às 22h, ele participa de um bate-papo com o público logo após a exibição do longa, no Centro de Cultura Judaica.

No período de 7 e 12 de agosto serão exibidos um total de 42 filmes (ficção e documentários), todos com a temática da religião judaica.

Confira a programação de salas e horários no site www.fcjsp.com.br

Serviço:

Festival de Cinema Judaico de São Paulo
Data: de 7 a 12 de agosto de 2007

Locais de exibição
  • Hebraica - R. Hungria, 1000. Tel: 3818-8888

  • Casa da Cultura Judaica - R. Oscar Freire, 2500. Tel: 3065-4333

  • Cinesesc - R. Augusta, 2075. Tel: 3064-1668

  • Livraria Cultura - Conjunto Nacional, Av. Paulista, 2073. Tel: 3170-4033

    Preços: Grátis (Teatro Anne Frank e Livaria Cultura); R$ 7,00 (Teatro Arthur Rubinstein e Cinesesc); 1kg de alimento não perecível (Centro de Cultura Judaica).
  • Atualizado em 6 Set 2011.

    Compartilhe

    Comentários

    Outras notícias recomendadas

    20 anos em 20 filmes: confira longas que marcaram as últimas duas décadas

    Produções fizeram história e são referência na trajetória cinematográfica

    9 filmes sobre o acaso que farão você ver a vida diferente

    De comédias românticas a dramas intensos, confira longas que questionam a imprevisibilidade da vida

    6 filmes com mais de 10 anos que continuam sendo atuais

    Confira longas que, apesar de antigos, fazem sentido e nos ensinam até os dias de hoje

    6 filmes para não assistir na Netflix

    Confira títulos para passar bem longe

    17 filmes que abordam assuntos polêmicos e necessários que você precisa assistir

    Confira longas que tratam de temas como aborto, drogas, preconceito, maternidade e muito mais

    10 filmes não clichês sobre relacionamentos que você precisa assistir

    Confira longas que falam sobre o amor real e saem do senso comum