Guia da Semana
Cinema
Por Redação Guia da Semana

Michael Moore

Uma iniciativa Trident sobre as coisas que devem durar mais! Um documentarista polêmico que faz filmes para atacar organizações e o governo dos Estados Unidos.

Michael Moore

Diretor: Michael Moore

País de origem: EUA

A gente não poderia deixar de falar de documentários nessa lista de clássicos. E é difícil falar em documentaristas sem logo pensar no estadunidense Michael Moore. Longe de ser considerado o melhor profissional da área, ele é ao menos o mais famoso e polêmico. Com dois dentre os três documentários mais vistos de todos os tempos, ele usa em seus filmes muito humor para atacar governos e organizações, principalmente o presidente George W. Bush, seu alvo favorito.

Desde novo, Moore já gostava de uma polêmica. Com 18 anos se candidatou ao conselho de diretores do colégio onde estudava e ganhou, se tornando um dos funcionários públicos mais novos de Flint, sua cidade. Aos 22, fundou o jornal Flint Voice, no qual já começava a fazer suas denúncias. Logo partiu para o cinema e fez o documentário Roger e Eu, contra a automobilística General Motors, que havia fechado a fábrica em que seu pai trabalhava.

Depois de participar de um programa de televisão, fazer um filme de ficção, escrever um livro e realizar outro documentário, criou a série de TV The Awful Truth. Quando adaptava para a telona um quadro sobre saúde, que viria a se tornar Sicko - $O$ Saúde, uma tragédia o fez mudar de caminho e filmar Tiros Em Columbine. Ganhador do Oscar, além de um prêmio em Cannes, o longa foi o que lhe deu fama internacional. Nele, Moore aproveita o massacre em uma escola na cidade de Columbine para analisar o fascínio do norte-americano por armas de fogo. Na cena mais famosa, o cineasta entrevista o ator Charlton Heston, presidente da Associação Nacional de Rifles, colocando o Moisés de Os Dez Mandamentos na parede.

A partir de então, ele se tornou um showman e sua carreira entrou em uma ascendente. Escreveu mais três livros de sucesso e ganhou a Palma de Ouro em Cannes por Fahrenheit 11 de Setembro, em que analisa a culpa de Bush pela explosão das torres gêmeas. Fala das conseqüências do atentado, fazendo referência à posterior invasão do Iraque liderada pelos EUA e pela Grã-Bretanha. Além disso, tenta decifrar os reais alcances dos vínculos que existiriam entre as famílias do presidente George W. Bush e a de Osama bin Laden. Tanto o filme, quanto os livros têm o objetivo claro de impedir a vitória do presidente nas eleições de 2004.

Sicko acabou sendo lançado em 2007, é seu filme mais recente. No longa, ele apresenta um panorama crítico ao sistema de saúde pública americano. E o faz denunciando a máfia da indústria farmacêutica, dos planos de saúde e do sistema de assistência médica. A partir do perfil de cidadãos comuns, Moore expõe seu ponto de vista de que milhões de vidas são destruídas por um esquema em que o mais importante é garantir os lucros no fim do mês. Agora que Bush não será mais o presidente, quem será que o polêmico documentarista vai atacar?

Veja também:

Branca de Neve e os Sete Anões
Psicose e a obra de Hitchcock
Os Simpsons
Indiana Jones
Harry Potter
O Senhor dos Anéis
O Iluminado
Titanic
Guerra nas Estrelas
E.T., O Extraterreste

Trailer do filme

Notícias recomendadas

10 filmes que completam 10 anos em 2019

Cinema

10 filmes não Blockbusters lançados em 2019 que você não pode deixar de assistir

Cinema

10 filmes incríveis que valem por sessões de terapia

Cinema

10 filmes que abordam o universo nerd para assistir pelo menos uma vez na vida

Cinema

10 filmes sobre amadurecimento que você deveria assistir

Cinema

10 filmes que as futuras gerações não podem deixar de assistir 

Cinema