Guia da Semana

Já sei namorar

Quando as crianças despertam o interesse pela sexualidade e deixam de lado o essencial: a infância!.


A velocidade dos acontecimentos cotidianos provoca notáveis mudanças de comportamento no ser humano. Crianças e adolescentes, por vezes emancipados antes do tempo, acabam atropelando fases importantes do crescimento saudável, como a infância. A puberdade precoce e a ânsia de conquistar a liberdade cada vez mais rápido fazem com que os pequenos deixem de viver a verdadeira e importante infância.

De acordo com o psiquiatra especialista em comportamento infantil Francisco Assumpção, a criança com até 12 anos ainda não sofreu a transformação hormonal que caracteriza a passagem da infância para a adolescência. "É uma fase na qual as crianças devem brincar, desenvolver a habilidade de criação, o que as possibilitam viver em grupo, em sociedade. Não é o momento de destacar o namoro", afirma o profissional.

Já a psicóloga Ana Cássia Maturano ressalta que a idealização da criança por um "namoradinho" surge pelos papéis representativos dos pais ou avós. "Quando há a abordagem do namoro somente nos papéis do masculino e feminino, é no sentido inocente. Só não pode haver estimulo da sexualidade pelos pais ou por terceiros. Isso tem que surgir naturalmente na puberdade", explica.

Agora, quando a "paixão" para uma criança causa sofrimentos e mudanças de comportamento, como falta de apetite, isolamento no convívio social, problemas de aprendizado, os responsáveis devem ficar em alerta. "O acompanhamento de um profissional é importante quando há confusão e dificuldade de lidar com este tipo de situação. Não é natural nem mesmo com os adultos", informa a psicóloga.

Criança da atualidade
Num momento em que a sexualidade aparece em tom de glamour e com grande destaque pela mídia, as crianças recebem imagens e informações que acabam sendo inseridas no seu dia-a-dia de maneira inconsciente. Agora, as meninas dançam na "boquinha da garrafa" em vez de brincarem de roda, usam maquiagem e salto alto no lugar de lacinhos e sandálias confortáveis. Os meninos se rendem incontrolavelmente aos computadores e videogames, não brincam mais de pipas e nem mesmo fazem brinquedos com as próprias mãos.

Para Francisco Assumpção, as crianças brincam cada vez menos e têm as suas agendas equivalente a dos adultos, privando-as de viver a importante fase da infância. "Deve-se tratar criança como tal. Exigir horários, atitudes e comportamentos de adultos interfere diretamente no desenvolvimento do menor", indica o psiquiatra.
E a dica aos responsáveis para proporcionar uma boa fase infantil ao filho é muito simples: "deixem as crianças viverem toda a imaginação do seu mundo, isso basta!", garante Assumpção.

Serviço

Dra. Ana Cássia Maturano - Psicóloga Infantil
Tel: (11) 3722-4646

Dr. Francisco Assumpção - Psiquiatra Infantil
Tel: (11) 5579-2762

Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

De Harry Potter a Scooby-Doo: espaço em Pinheiros oferece atividades infantis temáticas durante as férias

24 programas imperdíveis para fazer com crianças em SP nas férias de janeiro de 2017

Tem parque de trampolim, festival de teatro, programação em shoppings e por aí vai

Dia das Crianças no Rio de Janeiro 2016

Confira as opções de diversão na Cidade Maravilhosa para a data

Mais de 10 passeios em SP para curtir com crianças neste fim de semana

Opções de teatro, musicais e passeios gratuitos para ir em família e se divertir junto com os pequenos!

Beatles para crianças: 4 motivos para assistir à série Beat Bugs com seu filho

Primeira temporada da série infantil já está em cartaz na Netflix

Raposo Shopping oferece oficina gratuita para crianças que gostam de cozinhar

Atividade ensina aos pequenos receitas do programa "Tem Criança na Cozinha", do canal Gloob