Guia da Semana

Guia da Semana

WarioWare é uma dessas franquias da Nintendo que podem passar despercebidas, pelo foco da maioria das pessoas nos “AAAs” da Big N. Mas não deveria. Presente desde o Game Boy Advanced, a série de jogos é focada em Wario – o rival do personagem mais famoso do mundo dos games, que ama ouro e alho – em sua tentativa de criar um império dos videogames.

A história é apenas o plano de fundo para introduzir o gameplay, que envolve mais de 200 “microgames”, que são minigames super-rápidos – tarefas a serem resolvidas em cinco segundos – jogados em um ritmo frenético. Com algumas edições desde sua estreia, a série sempre teve na utilização criativa de periféricos incluídos nos videogames da Nintendo (desde o stylus do DS até os motioncontrols do Wii) um de seus maiores atrativos. Agora, com o Switch, será que essa criatividade, bem como o espírito do jogo vão se manter? Veja agora em nossa resenha de WarioWare – Get it Together!

Mais rápido! Mais rápido!

A primeira impressão que temos é que a essência do gameplay se manteve intacta dos outros títulos: cada estágio possui uma série de microgames em rápida sucessão. De cara, podemos ficar confusos diante da velocidade e dos reflexos necessários para lidar com o ritmo em que chegam os jogos, mas a sensação de resolver problemas em alta velocidade é extremamente recompensadora, auxiliada por uma trilha sonora energética e visuais engraçadíssimos.

WarioWare: Get It Together!
Os microgames continuam frenéticos e bizarros em WarioWare: Get It Together!. (Imagem: Divulgação)

A variedade é absurda, com objetivos que evocam raciocínio ou reflexos, ainda que ambos regulados pelo tempo curto em resolver a questão que nos apresenta. Após um certo número, somos colocados em um “microgame de chefe”, que traz um desafio mais complexo e de maior duração, contribuindo ainda mais com essa miscelânea de experiências que o jogo nos oferece.

Escolha sua equipe

No começo do texto, alardeei que a franquia sempre faz uso criativo das particularidades dos consoles para deixar cada jogo com uma experiência distinta. Confesso ter me preocupado com o que fariam para garantir essa característica no Switch, mas a sacada foi de gênio, pois o grande diferencial que WarioWare: Get It Together! tem para com seus predecessores são diferentes personagens jogáveis.

Sim, pode parecer estranho se você nunca jogou nenhum jogo da franquia, mas até então, todos os microgames eram jogados da mesma forma, pelo jogador. Agora, assumimos o controle de diversos personagens da série, cada qual com um gameplay único e, portanto, maneiras distintas de conquistar cada tarefa. Isso adiciona uma dimensão enorme na variedade já existente e abre as portas para fortalecer outra ótima característica: o coop.

Antes, qualquer interação de multiplayer era concentrada em microgames específicos, mas agora é possível trafegar pelos múltiplos jogos na companhia de um segundo jogador, que assume o controle de outro personagem e auxilia no cumprimento dos objetivos. Não preciso nem dizer o quanto isso valoriza o jogo e a experiência em geral. Infelizmente, no entanto, não é possível jogar online dessa forma, apenas comparando seus recordes com outros jogadores.

WarioWare: Get It Together!
Jogadores podem combinar suas forças em todos os microgames. (Imagem: Divulgação)

De cara, vemos que os três primeiros personagens que temos para experimentar são totalmente diferentes uns dos outros. Wario pode voar e se locomover rapidamente na horizontal com um ataque corporal, Young Cricket corre e pula como um personagem clássico de platformers e 18-volt realiza ataques a distância, mas só se locomove acertando seus projeteis em ganchos espalhados pelo cenário. Escolhemos três personagens a cada início de estágio, mas o que utilizamos em cada minigame é escolhido aleatoriamente, assim, embora cada habilidade seja mais útil em minigames específicos, podemos ter mais ou menos dificuldade neles dependendo de quem tivermos que controlar no momento. Isso adiciona uma camada de desafio, que é bem interessante.

Durante o modo história, vamos desbloqueando cada vez mais personagens, ao vencer os minigames que existem em seus estágios. Alguns que são liberados mais à frente na campanha acabam por deixar anteriores obsoletos – a bruxa Ashley por exemplo, é essencialmente uma versão melhorada do robô Mike – outros possuem habilidades bem interessantes, mas se comportam mal na grande maioria dos minigames. 5-volt, por exemplo, pode se teletransportar, mas acaba sendo lenta demais para o ritmo das tarefas. É algo entendível em um jogo que contêm 20 personagens utilizáveis, mas ainda assim, acaba sendo uma pena destravar personagens que nunca temos vontade de usar.

O fim é apenas o começo. Será?

O modo história de WarioWare: Get It Together! é bem curto, podendo ser vencido em umas quatro horas. Mas como o próprio final nos fala, isso é apenas o começo. O jogo contém conteúdo para nos manter interessados por um bom tempo.

Para começar, é destravado o “variety pack”, uma coleção de dez modos de jogo únicos (variando de um até quatro jogadores) que seguem uma fórmula mais demorada e, muitas vezes, sem limite de tempo. As modalidades vão desde partidas de vôlei até luta, passando pelas sequencias de microjogos comuns, mas com dois jogadores competindo.

WarioWare: Get It Together!
Após a campanha, novas modalidades são destravadas e podem abrigar até quatro jogadores. (Imagem: Divulgação)

O jogador também pode se desafiar a rejogar os estágios e atingir pontuações altas – o que cumpre missões extras. Os estágios já completados se tornam infinitos, recomeçando após o chefe em uma versão mais difícil. Também é interessante tentar vencer cada microjogo – que podem ser acessados individualmente após o término da campanha – com todos os personagens, se desafiando naqueles em que as habilidades não “casam” com a tarefa. No pós-jogo, também é possível ultrapassar o limite de três personagens por estágio, com uma opção para utilizar toda a equipe.

A cada semana existe também um desafio especial, que pode ser cumprido em troca de moedas virtuais – que podem ser utilizadas para customizar o visual da equipe e destrava colecionáveis – e competição com outros jogadores pelo mundo.

De maneira geral, não há exatamente conteúdos de grande inovação após terminarmos a história. Há o esforço de se motivar o jogador a continuar jogando e melhorando suas habilidades, mas o valor de replay acaba sendo algo bem individual.

Vale a pena comprar WarioWare: Get It Together!?

WarioWare: Get It Together! entrega uma variedade de experiências muito similar à de seus predecessores, e isso é algo bom. Há uma diversão absurda envolvida em vencer microgames em sequência, ainda mais jogando em coop.

No entanto, fica o alerta da duração do jogo estar totalmente ligada ao tipo de jogador. Quem gosta de completar todas as missões oferecidas e rejogar os mesmos jogos, com diferentes personagens, vai curtir o jogo por um bom tempo. Quem apenas quer acabar a história e jogar cada microjogo uma vez, vai curtir também, mas por uma duração consideravelmente menor.

Ainda assim, com um preço menor que os AAA da Nintendo (o que ainda é bastante custoso no Brasil), o jogo é, sem sombra de dúvidas, uma maravilha naquelas sessões rápidas de jogatina em meio a correria do dia-a-dia. WarioWare: Get It Together! está disponível em formato digital por R$ 249,00 na Nintendo eShop.

*Review elaborada com código fornecido pela Nintendo.

Pizza Fria

Reviews, notícias e tudo sobre o mundo dos games

Por João Gabriel Marques, Pizza Fria

Atualizado em 16 Nov 2021.