Guia da Semana
Restaurantes
Por Redação Guia da Semana

A 1ª impressão é a que fica

Pelo couvert já dá para imaginar o que de bom vem pela frente.

Foto: Divulgação
Carta de apresentação do Diaccuí

A espera por aquele suculento prato que você pediu pode levar alguns minutos que, dependendo da sua fome, podem parecer horas. Além disso, ficar ali, na mesa, observando quem já está se deliciando com suas massas, carnes e saladas transformava-se em uma longa tortura. Foi aí que alguém teve a ótima idéia de servir algo durante este momento para amenizar o "sofrimento" dos clientes.

De origem francesa, a palavra couvert significa, pura e simplesmente, talher (dicionário Larousse). Pelos restaurantes, o termo ganhou outra conotação. Além dos garfos, facas e colheres, trata-se de um pequeno abre-alas da qualidade da casa. "É uma espécie de carta de apresentação. Uma etapa da refeição para amenizar o tempo que os pratos demoram a ficar prontos", define Arnaldo Lorençato, editor de gastronomia da revista Veja S.P

Pequeninos, no couvert é colocado todo o capricho do restaurante. É um aperitivo, onde o cliente poderá ter a noção do que de bom há de vir. O chef e proprietário do La Tambouille, Giancarlo Bolla, diz que "o couvert demonstra a preocupação com os detalhes, com os ingredientes e com a apresentação de cada prato elaborado no restaurante. É uma pequena amostra de todas as delícias que o cliente poderá apreciar nos demais pratos".

Patrícia Hadlich, dona do Diaccuí, que fica em S.P, concorda. Para a jovem proprietária, o couvert mostra parte do que a casa promete em relação aos pratos, desde sua apresentação, variedade de itens, sabor e qualidade.



Vale tudo
Se há um momento em que quase não há regras em um restaurante é na hora do couvert. Como são servidos com o único propósito de distrair o estômago do cliente até a chegada da entrada, tudo pode figurar no cardápio, desde que em pequenas porções. Assim, o cliente vai provar de torradinhas acompanhadas de manteiga a exóticas iguarias que ele nem saberá o nome. "Acredito que no couvert entra tudo, desde o mais simples até o mais inesperado, se essa for a proposta da casa", afirma Patrícia.

Apesar deste convite à variedade, Arnaldo Lorençato lembra que há alguns anos, fosse em restaurantes caros ou naqueles mais simples, a manteiga era um dos itens obrigatório. "Hoje já se pode substituí-la por azeite". Outro produto imprescindível é o pão, em suas mais diversas formas. "Brasileiro adora pão", define Patrícia. Mais do que adorar, é com ele que se pode saborear boa parte do que encontra-se sobre a mesa, como as pastas, por exemplo. No estabelecimento da moça são servidas as de salmão, berinjela, de queijos, ratatule (berinjela, abobrinha e pimentão), sempre acompanhadas de uma cesta com pão quentinho.

Também não vá esperando que o couvert tenha apenas iguarias típicas da cozinha do restaurante. "Não há uma regra para isso. O ideal é usar produtos da Estação, coisas mais leves, que não afetam a escolha dos pratos do cardápio", explica Bola. Já Lorençato, editor da Veja S.P, diz que não irá achar nada mal encontrar bolinhos de bacalhau em casas portuguesas. "Talvez em restaurantes contemporâneos os produtos servidos possam ser mais diversificados", pondera.

Foto: Divulgação
Quase uma refeição: O completo couvert do La Tambouille

Bola lembra de um item que não pode estar presente em nenhum couvert, sob o risco do restaurante pôr a perder toda a refeição: "Descaso. Você pode escolher ingredientes simples ou sofisticados, mas o couvert deve refletir sempre a preocupação que a casa tem com os pratos oferecidos aos clientes".


A sorte está lançada
De acordo com o Código de defesa do consumidor (art. 39, inciso III, parágrafo único), tudo o que chegar à sua mesa sem ser solicitado é considerado amostra grátis. Ou seja, o cliente não precisa pagar por aquilo que não pediu. Assim, caso você seja recebido em qualquer estabelecimento com cestas de pães, palitinhos de legumes e outras coisas mais sem ter solicitado, fique de olho na conta, porque o valor não deverá ser cobrado.

Bola garante que em seu Tambouille "os garçons são orientados a sempre perguntar aos clientes se querem o couvert. Caso não queiram, eles (clientes) podem recusar". No Diaccui, Patrícia explica que o couvert é levado à mesa e oferecido. Se o cliente disser não, tudo é devolvido à cozinha, e nada será cobrado.

Assim, se algum garçom um pouco mais distraído colocar todas aquelas pequeninas delícias à sua disposição sem antes oferecer, comemore porque, além da espera pelo prato ser mais amena, o couvert também sairá de graça.



Serviço:
La Tambouille
Valor do Couvert: R$ 21,50.
O que é servido: Pães, sempre oferecidos com algum acompanhamento (creme à base de azeite de tartufo, um bouquet de folhas com peixes, ravioli recheado, entre outros).

Diaccui
Valor do couvert: R$ 4,50 (terça a sexta, almoço); R$ 9,00 (demais dias).
O que é servido: Pães variados, quatro tipos de pastas, palitos de legumes, entre outras opções.

Colaborou:
Arnaldo Lorençado
Editor de gastronomia da revista Veja S.P

Atualizado em 7 Ago 2012.

Mais notícias

Conheça o Frutta & Crema, restaurante italiano com vista para a Serra da Cantareira

Restaurantes

11 lugares para comer fondue em São Paulo no inverno 2021

Restaurantes

Inverno 2021: onde tomar sopas em São Paulo

Restaurantes

Dia da pizza 2021: lugares para comemorar a data em São Paulo

Restaurantes

18 restaurantes em São Paulo com menu especial para o inverno 2021

Restaurantes

10 restaurantes em São Paulo com quitutes juninos

Restaurantes