Guia da Semana
Restaurantes
Por Redação Guia da Semana

DJ de aluguel

Longe das grandes baladas e festivais, os DJs de eventos encaram uma saída alternativa para viver de música.



Quem nunca se aventurou a comandar o setlist de um aniversário munido de sua coleção pessoal de discos? Se você já arriscou essa experiência, deve ter descoberto que assumir o som de uma festinha para amigos, de modo que agrade a todos os convidados, é mais difícil do que parece. E é justamente para não pagar esse mico que muitas pessoas preferem contratar um DJ.

Não estamos falando de Fatboy Slim, Marky, ou Mau Mau. Anônimos no circuito das grandes baladas e megafestivais, os DJs de eventos tocam em todo o tipo de ocasião imaginável, como casamentos, bailes de debutantes e confraternizações de empresas. Além do som, também podem assinar toda a montagem do ambiente, equipamentos e efeitos. Tudo sempre ao gosto do freguês.

Diversidade

Hip-hop, forró, samba, eletrônico, valsa, trash. São apenas alguns dos ritmos que encontrados ao vasculhar o case desses profissionais. Ao contrário das estrelas internacionais, representantes de vertentes e grandes festas, virar discos se transformou em uma profissão como qualquer outra, com escolas de formação técnica e até uma associação internacional, IDJTA (International Disc Jockey Trade Association), que já conta com mais de oito mil membros ao redor do mundo.


Fazer o som de uma festa depende muito do ambiente em questão

Ouvir discos bacanas, assistir à mulherada dançando na pista com um drinque na mão, atrás dos picapes. E ainda receber para isso. Parece fácil, não? Ledo engano. "Preciso tocar diversos ritmos em uma mesma festa, saber um pouco de tudo. De bolero até as músicas atuais. É preciso se renovar a cada semana. São muitas coisas para prestar atenção, tem que estar antenado no mundo da música 24 horas por dia", afirma o DJ Lobão, no ramo de eventos há 21 anos.

Balada X Festas

Tocar em casas noturnas geralmente requer seguir uma determinada linha. Afinal, cada balada tem seu estilo próprio, ditado pela trilha sonora da noite. Mas como isso funciona para um DJ de eventos? De acordo com Lobão, são dois mundos bastante diferentes. "Na balada rola o som que está acontecendo naquela noite. Costumo comentar que DJ de balada não consegue fazer um casamento, por exemplo. Já o de casamento, consegue segurar a balada na boa. Em uma festa particular, é preciso observar os convidados e seu comportamento, sentir o clima e o ambiente, antes de fazer o som".


Aparelhos de alta qualidade fazem toda diferença na hora do evento

Infraestrutura

Em performances nos clubes, sets e cases antenados costumam dar conta do recado. Mas fora deles, o trabalho também envolve carregar caixas de som, aparelhos pesados e iluminação. Um dos quesitos frequentemente exigidos na montagem dos eventos é a produção do ambiente. Até a decoração pode terminar sob responsabilidade do DJ. "Precisa entender desde montagem de aparelhos, até mexer com efeitos. Trabalhar com a estrutura da festa do começo até o fim. Na balada é mais fácil. É só levar os CDs, montar a lista e rolar o som", afirma o DJ Xande, a frente dos picapes de eventos há quase uma década.

Vale a pena?

O cachê médio da área varia de acordo com o segmento em que se atua. Se for para embalar uma noite eletrônica, o valor gira em torno de R$ 2 mil, podendo chegar até R$15 mil. Já em casamentos, bailes de debutantes e aniversários, as cifras variam de R$ 600,00 a R$ 5 mil, considerando a necessidade de montagem de infra. Segundo Xande, a maior vantagem na área de eventos, é realmente a financeira, pois é difícil ficar sem trabalho. "Um DJ de casa noturna ou estoura e faz sucesso, ou fica em uma casa só ganhando o mesmo cachê fixo, que se a casa não faz sucesso, costuma ser bem baixo. O mercado de eventos oferece mais possibilidades de viver da música".

Dica do DJ
Quer se aventurar na vida de DJ de eventos? Segundo Xande, o mais importante é a versatilidade, não ficar preso a apenas um estilo. Além disso, se atualizar quase diariamente para conferir os útltimos hits e "babas" (músicas conhecidas) na boca do povo. Confira abaixo os equipamentos básicos para começar:

-Jogo de picapes
-CDJs
-Mixer
-Duas caixas de som
-Fone profissional
-Cerca de 200 CDs
-Dois mil áudios em MP3


Atualizado em 7 Ago 2012.

Mais notícias

Restaurante America lança Ovo de Páscoa Farofino em parceria com Carole Crema; saiba mais!

Restaurantes

São Paulo ganha primeira casa dedicada ao avocado; saiba tudo!

Restaurantes

Restaurante Abbraccio aposta em Festival de Lula para os dias quentes do verão; saiba tudo!

Restaurantes

Bullguer vende sanduíche a R$10 nesta segunda-feira (22); saiba tudo!

Restaurantes

10 pratos imperdíveis com frutos do mar para provar em São Paulo

Restaurantes

Points gastronômicos em São Paulo com pratos especiais para o verão 2021

Restaurantes