Guia da Semana
Restaurantes
Por Redação Guia da Semana

O "bom moço" da cozinha

Confira curiosidades e benefícios do azeite de oliva para a saúde.

Por Marcela Besson

Quem não pode freqüentar as butiques de azeite dos Jardins não precisa entrar em desespero. Os grandes supermercados da capital também disponibilizam boas marcas nas prateleiras. E o melhor: os preços também não estão pela hora da morte. Mas é preciso saber escolher. Latas guardam melhor o azeite do que o vidro, portanto, a primeira dica é pegar os vidros que ficam na parte de trás da gôndola porque estão mais protegidos da luz. Verificar o lote e a validade são medidas imprescindíveis. Quanto mais jovem, melhor é o azeite. Fechados, eles duram até um ano e meio. Depois de abertos, devem ser consumidos em até quatro meses. Infelizmente, os rótulos podem enganar. Veja se o produto informa o nome do fruto, se é virgem ou extra-virgem e o nível de acidez. Azeites extra-virgens (puros e de melhor qualidade) costumam ter de 0 a 1% de acidez.

Azeite de oliva: o líquido da vez
  • Produção: começa com a seleção das azeitonas, que devem ser firmes e não podem ter nenhum machucado. Depois de muito bem escolhidas, elas vão para uma espécie de tanque. Aí os frutos (polpa e semente) são prensados. A fase seguinte é a espadalagem, que nada mais é que a lenta mistura das polpas até a sua transformação em uma pasta homogênea, o que facilita a liberação de maior quantidade de azeite. Por último, a extração por prensagem ou centrifugação. Tarefa difícil, demorada e pouco rendosa, pois, para cada 5 quilos de azeitonas, se produz apenas 1 litro de azeite!

  • Saúde: devido ao seu elevado teor de ácidos gordos monoinsaturados (70%), o azeite ajuda a reduzir o "mau" colesterol (LDL), mantendo o nível do "bom" colesterol (HDL). A vitamina E e a provitamina A desempenham uma função antioxidante sobre as paredes das artérias, ajudando a prevenir doenças cardiovasculares como arteriosclerose, trombose, enfarte cardíaco e acidentes vasculares cerebrais. Estudos realizados com povos mediterrâneos comprovaram um índice menor de mortalidade por enfarte do miocárdio. Além disso, há pesquisas que comprovam que o consumo de azeite de oliva está diretamente ligado à redução da incidência de três tipos de câncer: o coloretal, o de mama e o de próstata.

  • Beleza: para as mulheres preocupadas com a aparência, o produto apresenta uma vantagem: é considerado um dos elementos que retardam o envelhecimento contribuindo, inclusive, com a maior proteção à pele. Alguns povos mediterrâneos utilizam o produto em cosméticos, como ingrediente da formulação de cremes para a pele.

  • Gastronomia: os especialistas reconhecem três tipos diferentes de buquê nos azeites de oliva. Cada um deles é indicado para a produção ou acompanhamento de determinados pratos. Os herbáceos vão bem com vegetais cozidos, massas, molhos encorpados e carnes de caça. Os florais e frutados são perfeitos para as carnes brancas, legumes, sobremesas e risotos. Por último, os amadeirados acompanham carnes vermelhas, saladas, queijos, alguns molhos. Na hora do preparo, os chefs indicam a utilização do azeite virgem. O extra-virgem, por sua vez, deve finalizar o prato.




  • Atualizado em 7 Ago 2012.

    Mais notícias

    11 lugares para comer fondue em São Paulo no inverno 2021

    Restaurantes

    Inverno 2021: onde tomar sopas em São Paulo

    Restaurantes

    Dia da pizza 2021: lugares para comemorar a data em São Paulo

    Restaurantes

    18 restaurantes em São Paulo com menu especial para o inverno 2021

    Restaurantes

    10 restaurantes em São Paulo com quitutes juninos

    Restaurantes

    Mr. Cheney lança cookie Paçoca Amor para celebrar as festas juninas; saiba tudo!

    Restaurantes