Guia da Semana
Restaurantes
Por Redação Guia da Semana

Quer pagar como?

Nada pior do que fechar a balada com filas e confusão. Previna-se desses pequenos tormentos com as dicas do Guia da Semana.

Foto: sxc.hu


A festa foi boa! Um dos melhores DJs do planeta mandou muito bem no som, a jogação rolou solta e as cervejas estavam geladíssimas. Quando chega a hora de ir embora, descansar em casa o sono dos justos ou então dar uma esticadinha em algum lugar especial, começa o tormento. Fila enorme no caixa, cartão que não é aceito, gente que perdeu a comanda, pessoas que beberam além da conta (bancária), sistema que cai... Quem se arrisca na noite, eventualmente acaba tendo que passar por algum perrengue do tipo. Pagar a conta da balada é um sufoco!

Pensando no sofrimento dos boêmios quando são obrigados a ficar mais do que desejam em algum lugar por conta de filas e problemas de ordem financeira, o Guia da Semana explica como funciona o sistema de pagamento e dá algumas dicas para quem quer apressar o processo.


Aceitacartão?

Foto: sxc.hu


Hoje em dia, dinheiro vivo e talões de cheque estão quase se tornando obsoletos. A grande maioria das pessoas circula por aí portando somente cartões. De débito em conta, de crédito e de diversas bandeiras diferentes, os magnéticos ocupam menos espaço e é mais difícil de perder. Para se ter uma ideia, de seis anos para cá, quase 1 bilhão de cheques deixaram de ser emitidos.

Para quem vende o produto ou serviço, o fato é uma via de duas mãos. Ao mesmo tempo em que os cartões funcionam de uma maneira que dificulta a ocorrência de fraudes, eles também possuem uma taxa maior, que varia de 2,4% a 4%, no caso de cartões de crédito. Com isso, o preço da mercadoria sobe e o consumo, ocasionalmente, podediminuir.

Origem do cartão de crédito
A ideia dessa forma de pagamento é atribuída ao executivo Frank MacNamara. Em 1950, ele estava com alguns convidados em um restaurante e, ao receber a conta, percebeu que havia esquecido o dinheiro. Uma conversa com o dono do local permitiu a possibilidade de assinar uma nota de despesas, a ser paga em um outro dia. Partindo desse pensamento, MacNamara criou o Diners Club Card. No primeiro ano de vida, o cartão era aceito em 27 restaurantes e os portadores chegaram a quase 200 pessoas, a maioria amiga do idealizador.

Fonte:ABECS (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito eServiços).


Segundo Carlos Coscarelli, assessor-chefe do Procon-SP, os estabelecimentos não têm nenhuma obrigatoriedade de aceitação de outros meios de pagamento com exceção da moeda corrente, ou seja, dinheiro vivo. "A obrigação é apenas informar ao consumidor como os produtos ou serviços podem ser pagos", conclui. Por lei, as casas devem anunciar quando não recebem cheques e os tipos de cartões que são benvindos.

A responsabilidade recai para os dois lados. Quem paga deve procurar saber a maneira com a qual o local trabalha. Por sua vez, os que recebem têm o dever de avisar, de modo claro e objetivo, todas as informações necessárias ao cliente. "Em uma situação emergencial, em que o problema é gerado por terceiros, como quando o sistema do banco falha, por exemplo, deve prevalecer o bom senso de ambas as partes", acredita Coscarelli. Segundo ele, um acordo amigável é o mais indicado.

Foto: sxc.hu


Érika Medeiros, de 32 anos, já passou por situação semelhante. "Nunca saio só com cartão e justo no dia em que saí, o sistema ficou a madrugada inteira fora". A solução para seu caso foi sair no meio da noite em busca de um caixa eletrônico. Porém, segundo ela, apesar de chata, a situação se resolveu de forma tranquila: "A casa foi bem solícita, já que o problema não era nem meu e nem deles". No entanto, em uma busca rápida pela internet, é possível encontrar inúmeros relatos de gente que teve que deixar até os sapatos nos caixas, como garantia de que traria o dinheiro referente ao pagamento.

"Esse procedimento não existe! Só por ação judicial é possível confiscar alguma coisa de alguém", explica o representante do Procon. De acordo com ele, isso vale também para documentos, já que não é raro escutar que "fulano teve que deixar o RG na portaria até arrrumar o dinheiro".

Essas situações chatas, que podem ocorrer no final da noite, transformam qualquer festa bacana em uma balada miada. Não custa nada tomar alguns cuidados extras para evitá-las. Siga as dicas do Guia da Semana e curta a jogação sem maiores preocupações.


-Antes de sair de casa, cheque os preços do lugar aonde vai. Você não quer pagar o mico de não ter levado grana suficiente, não é?

-Mesmo sabendo qual a melhor maneira de pagar, tenha sempre mais de uma opção. Uma folha de cheque não ocupa espaço algum na carteira e pode ser a salvação para um sistema fora do ar.

-Por mais que o costume de se andar com dinheiro esteja se dissipando, "cash" ainda é a maneira menos complicada de se pagar a conta.

-Se mesmo tomando todos esses cuidados ocorrer algum problema, não chegue feito doido, berrando no caixa. Procure antes saber direito o que aconteceu. Caso seja um problema relacionado a terceiros, lembre-se de que quem está te atendendo também não tem culpa. Tente conversar e chegar a uma solução bacana para os dois lados, sempre utilizando do bom senso.

-Caso se sinta lesado em algum momento, consulte o órgão responsável:
Procon SP: ligue 151, de segunda a sexta, das 8h às 17h. www.procon.sp.gov.br





Atualizado em 7 Ago 2012.

Mais notícias

Restaurante America lança Ovo de Páscoa Farofino em parceria com Carole Crema; saiba mais!

Restaurantes

São Paulo ganha primeira casa dedicada ao avocado; saiba tudo!

Restaurantes

Restaurante Abbraccio aposta em Festival de Lula para os dias quentes do verão; saiba tudo!

Restaurantes

Bullguer vende sanduíche a R$10 nesta segunda-feira (22); saiba tudo!

Restaurantes

10 pratos imperdíveis com frutos do mar para provar em São Paulo

Restaurantes

Points gastronômicos em São Paulo com pratos especiais para o verão 2021

Restaurantes