Guia da Semana
Arte
Por Nathália Tourais

Janus

Clima noir dá o tom à peça, que estreia dia 11 de maio no Teatro Augusta.

Divulgação

Este evento terminou

Janus

Data 11 Mai 2016-30 Jun 2016
De 11 de maio a 30 de junho de 2016

Preço(s) R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia-entrada)

Horário(s) Quartas e quintas, às 21 horas

Zona Central
Rua Augusta, 943, Centro 01305-100

Telefone (11) 3151-4141

Após mais de um mês em cartaz em Brasília com direito a sessões com cadeiras extras, a peça Janus inicia temporada em São Paulo. Ritmo de thriller policial com interpretações e trilha sonora inspiradas no cinema noir dão o tom do novo espetáculo dirigido por José de Campos. A montagem estreia dia 11 de maio e fica em cartaz até dia 30 de junho no Teatro Augusta. As apresentações acontecem todas às quartas e quintas às 21h na Sala Experimental.

Para quem ainda não conhece, a peça conta a história de uma misteriosa chacina de uma família na noite da véspera de natal. A narrativa começa com o interrogatório do único suspeito encontrado pela polícia na cena do crime. Com texto original do próprio coletivo, o espetáculo passeia pela atmosfera dos filmes Noir, um subgênero de filmes policiais americanos, e que teve o seu ápice entre os anos de 1939 e 1950. A peça é marcada pela experimentação de comunicação entre as linguagens teatrais e cinematográficas, explorando as quebras de paredes entre platéia, atores, direção e espaço.

O espetáculo é dividido em três atos com enormes possibilidades de interpretações, tanto para a plateia, quanto para os atores. O público assiste, desde o interrogatório do suspeito, até os desfechos que fazem do espetáculo um começo e fim contínuos, de metalinguagens e reviravoltas. Transições e dualidades permeiam a existência de um passado incerto, onde questionamentos surgem a cada fala dos personagens.

O texto busca inspiração em histórias reais de serial-killers, na psicopatia e na capacidade da transgressão da dualidade humana. As atuações refletem os pólos existentes entre atores e personagens, sustentados apenas pelas profundezas de suas próprias almas. O nome do espetáculo é uma homenagem ao deus Jano, ou Janus, que foi um deus romano que representava as mudanças e transições. A sua face dupla também simboliza o passado e o futuro. Jano foi o deus dos inícios, das decisões e das escolhas.


Por Nathália Tourais

Mapa do local

Explore ao redor

Chicano Taqueria

Restaurantes

Santa Augusta Bar

Bares

Retrô Hair

Na Cidade

Animalchef

Restaurantes

TEX Redneck Bar

Bares

Bar do Netão

Bares

Notícias recomendadas

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte

Museu da Empatia chega a São Paulo com instalação interativa; saiba mais!

Arte

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Arte