Guia da Semana

Guia da Semana

Um playground com escorregador, balanço e uma enorme área para brincar. À primeira vista, um parque de diversões como outro qualquer. Mas basta um passeio para descobrir o outro lado da Cidade da Criança, em São Bernardo do Campo. O nome não é por acaso: em uma área gigantesca de 42 mil m2, várias atrações tradicionais, como playground, arvorismo e tirolesa, disputam a atenção do público e concorrem com novidades como o ultramoderno Simulador 4D.

A Cidade da Criança já existe há 42 anos: inaugurada em 1968, foi o primeiro parque temático do Brasil e embalou a garotada por gerações e gerações, até os anos 2000. Nos anos 70, chegou a atrair um milhão de visitantes por ano. Era a atração turística da cidade, responsável até mesmo por alavancar o turismo e comércio locais. Mas os investimentos públicos foram minguando e os brinquedos se deterioraram, devido à falta de manutenção. Em 2005, o parque foi fechado. Reaberto em 2008, novamente fechou logo no dia seguinte. O motivo foi o mesmo: falta de infraestrutura. Aberta em janeiro de 2010, a Cidade ainda não está com todas as suas atrações funcionando, mas já traz, renovados, vários brinquedos, cenários e ambientes abertos à população.

Quando foi inaugurado pela primeira vez, o parque inovou ao apresentar atividades diferentes e brinquedos que apareceriam somente mais tarde, nos centros de diversão modernos. Um dos ambientes muito visitado na época - e até hoje - é a minicidade cenográfica da novela Redenção, exibida pela extinta TV Excelsior entre 1966 e 1968. As instalações viraram ponto de visitação, abertas ainda hoje. "Havia um comércio dentro das casinhas, com lanchonete e loja de brinquedos, e que estão em processo de reforma para voltar a funcionar", diz a gerente do parque, Fabíola Lemos.

Também reformado e em funcionamento, o teleférico leva os visitantes de um lado a outro do parque. Um avião DC-3, com hélices no lugar das turbinas, fazia parte da programação e hoje está aberto para visitação. O parque tem ainda uma preocupação especial com as pessoas com mobilidade reduzida. As novas instalações ficaram totalmente inclusivas e contam com piso tátil para cegos e brinquedos destinados a crianças cadeirantes. Dessa forma, todos podem desfrutar atrações como o Jardim de Especiarias, que tem várias plantas aromáticas usadas como temperos; o El Dorado, um passeio pela exploração de minérios, com carrinhos que correm por trilhos e mostram como era a época da mineração no Velho Oeste norte-americano; e o Espaço Construtor, com blocos gigantes de Lego para fazer suas edificações; além do In Corpore Sano, com equipamentos infláveis que mostram como é o corpo humano.

Uma das atrações mais recentes e inovadoras da Cidade, que também permite a participação de pessoas com mobilidade reduzida, é o circuito de arvorismo e tirolesa, com duração de 40 minutos. "Na tirolesa, há um equipamento que ajuda o deficiente físico a subir com a cadeira de rodas", explica Fabíola. A Gigantografia também encanta crianças e adultos: é como se fosse uma maquete gigante, que mostra ao visitante o projeto da cidade e ajuda a garotada a reconhecer pontos de referência, como a sua casa, a de amigos e parentes.

Além de um Planetário, uma atração que promete conquistar os visitantes é um submarino, imerso em uma piscina gigante com cinco milhões de m3 de água. O projeto já está aprovado e pronto para ser executado. "O submarino é de verdade, em que as pessoas entram e conhecem por dentro, e terá toda a cenografia do fundo do mar", explica, que vai concorrer com o Simulador 4D: além dos já conhecidos óculos para o efeito tridimensional, as sessões contarão com a projeção de fumaça em algumas partes do filme. E, sim, o parque também terá os famosos carrosséis, bate-bate, trenzinho e roda-gigante para completar o cenário de um parque que tinha tudo para perder o tom de novidade, mas tem uma bela história de vanguarda e quer se manter cada vez mais surpreendente!

Mapa do local

Brinquedos para todas as idades

Preço(s) entrada gratuita; R$ 2 por viagem no Teleférico; R$ 2 para andar no El Dorado; R$ 10 para o circuito de arvorismo e tirolesa.

Horário(s) 9h às 17h (das 6h às 9h o parque abre somente para a prática de exercícios físicos e caminhadas).

Endereço
Rua Tasman, 301, Grande São Paulo 09750-360

Telefone (11) 4330-6998