Guia da Semana
Teatro
Por Nathália Tourais

10 curiosidades sobre Cinderela que você precisa saber antes de assistir ao musical

Produção que aborda a clássica história da gata borralheira e chega ao Teatro Alfa a partir de março.

Versão Irmãos Grimm (Reprodução)

Quem não se lembra da história da gata borralheira, um dos contos de fada mais conhecidos e populares do mundo?! Com diferentes versões, a Cinderela mais famosa é a do escritor francês Charles Perrault, de 1697, que foi baseada num conto italiano popular chamado La gatta cenerentola. Porém, a primeira versão surgiu na China, por volta de 860 a.C. e, além dessas, outra bem conhecida é a dos Irmãos Grimm, que se assemelha a de Charles Perrault.

O conto tornou-se um clássico principalmente após o lançamento do filme infantil da Disney e, até hoje, é impulso para novas interpretações. Em março desse ano, o Teatro Alpha recebe o musical da história e para que você saiba mais a respeito o Guia da Semana lista 10 curiosidades interessantes. Confira:

DIFERENÇAS 

Como dito anteriormente, existem diferentes versões sobre uma mesma história. Em algumas, o famoso sapatinho de cristal é substituido por um sapatinho de pele e, em outras, a fada madrinha não aparece e o baile dura três dias ao invés de uma noite.

Já Walt Disney teve conhecimento da história em 1922, quando tinha uma empresa de animação chamada Laugh-O-Grams e acabou produzindo uma versão moderna do conto em forma de um curta mudo. 

PRODUÇÃO DISNEY

O filme era de grande risco para o estúdio, já que não podiam gastar muito dinheiro e, por isso, todo movimento de produção precisava ser extremamente preciso para não haver erros. Para o longa, Walt apostou tudo o que tinha e, assim, cada cena era pensada, planejada e repassada em seus mínimos detalhes antes de ser aprovada para passar para a animação. 

Para que tudo fosse mais preciso, o filme foi produzido, primeiramente, em storyboard e depois filmado com atores reais para que os artistas se inspirassem. As filmagens ajudavam Walt Disney a visualizar tudo antes de gastar dinheiro. 

Todos pensavam que se o filme não desse certo, seria o fim do estúdio. Mas, felizmente foi um sucesso: vendeu milhares de ingressos, discos e produtos com sua imagem, fazendo com que a empresa crescesse e começasse a distribuir os próprios filmes, entrando com tudo no mercado televisivo. 

EQUIPE - NINE OLD MAN


A produção da animação foi a primeira em que os Nine Old Man - como é chamado o grupo de produtores mais antigos da Disney - trabalharam juntos, fato que se repetiu apenas para os filmes Peter Pan e Alice no País das Maravilhas. 

NOME 

Para quem não sabe, "Cinderela" não é um nome e sim um um apelido maldoso e sarcástico que sua madrasta e irmãs lhe deram. Seu verdadeiro nome nunca foi revelado. A Disney fez desse o seu nome de nascimento, mas no filme lançado em 2015 o nome da personagem é Ella.

BIBIDI BOBIDI-BOO

Talvez as gerações mais atuais não saibam que a música de uma animação dos anos 80 já foi tão famosa como "Let it Go", de Frozen. Na época de Cinderela, a música Bibbidi Bobbidi Boo - que foi escrita por Jerry Livingston, Al Hoffman e Mack David e cantada por Verna Felton no filme da Disney - ficou extremamente popular, ganhando diversas versões, e alcançou o sétimo lugar das mais ouvidas da época. Além disso, foi motivo para algumas premiações do longa: Melhor som, mehor trilha sonora e melhor música original.

SIGNIFICADO DO SAPATINHO

Em primeiro lugar, vale lembrar que Cinderela perde um de seus sapatinhos não apenas uma vez, mas três. A primeira delas é quando está levando o café da manhã para sua madrasta e as irmãs, a segunda quando desce pelas escadas do castelo depois do baile e, por último, no dia de seu casamento. 

E a mensagem simbólica por trás dos sapatinhos é que ela é tão delicada que pode andar em sapatos de vidro e não quebrá-los, além de mostrar que ela pode facilmente adaptar-se a situações tipicamente "desconfortáveis​​" e continuar gentil e doce. 

MADRASTA

O animador Frank Thomas, responsável por dar vida à Sra. Tremaine, disse na época que ela foi uma das personagens mais realistas que ele já tinha feito. Com um ar de vilã elegante, disse também que boa parte do sucesso foi pela voz da personagem, feita por Eleanor Audley, a atriz que também atuava como seu modelo. O trabalho era minucioso e extremamente importante pois devia ser bem “real” nas mentes das pessoas, tendo em vista que Cinderela era tratada de modo bem realista.

MICKEYS ESCONDIDOS

Não é tão novidade que as produções da Disney possuem Mickeys escondidos e espalhados por suas animações e em Cinderela não é diferente. Conhecidos como Hidden Mickeys, eles aparecem nos painéis de vidro da porta da frente de sua casa e, em outra situação, enquanto a princesa - ainda gata borralheira - esfrega o chão e a imagem forma-se em bolhas de sabão.

PRÍNCIPE

É curioso lembrar que o príncipe encantado da animação não tem nome. Assim, passou a ficar conhecido como Príncipe Encantado e tal referência faz parecer que este é o seu nome verdadeiro. Porém, não é a primeira história da Disney em que isso acontece. A Fera de A Bela e a Fera e o príncipe e a madrasta de A Branca de Neve são alguns exemplos. 

MUSICAL EM 2016

No dia 11 de março desse ano, Cinderela - O Musical chega em São Paulo. Sob direção de Carlos Bauzys e direção de produção de Renata Borges, a produção da Broadway promete agitar o cenário cultural da cidade. Para saber mais a respeito, clique aqui


Por Nathália Tourais

Atualizado em 22 Fev 2016.

Mais notícias

5 bons motivos para assistir ao "Ovo", novo espetáculo do Cirque du Soleil que estreia no Brasil em 2019

Teatro

Mais de 10 peças de teatro imperdíveis em novembro de 2018

Teatro

6 motivos para assistir ao musical "O Fantasma da Ópera"

Teatro

'Disney On Ice' chega ao Brasil com cenas de 'Frozen', 'O Rei Leão' e outros clássicos infantis; saiba tudo sobre o espetáculo!

Teatro

9 peças de teatro imperdíveis para assistir em São Paulo em maio de 2018

Teatro

"Baixa Terapia", peça com Antonio Fagundes, comemora um ano em cartaz com turnê pelo Brasil; confira!

Teatro