Guia da Semana
Teatro
Por Nathália Tourais

10 motivos para assistir ao musical Mudança de Hábito

O clássico filme interpretado por Whoopi Goldberg chega ao teatro Renault.

Musical não fica atrás de sucesso de filme e lota Teatro Renault (Divulgação)

A sensação de ter assistido a um clássico e, depois de ter uma memória afetiva extremamente forte e carinhosa com o filme, ir ao musical, gera bastante expectativa. Afinal, mesmo sabendo das óbvias diferenças, é impossível não comparar a história, o enredo, os atores, as músicas e tudo que envolve o universo do espetáculo. 

Entretanto, encantar-se com cada detalhe da superprodução para os palcos desde a primeira cena, faz as expectativas transformarem-se em ansiedade, encanto e, sem dúvidas, satisfação, tendo a certeza que o sucesso se repete. 

A equipe do Guia da Semana esteve no Teatro Renault para conferir o musical Mudança de Hábito e conta agora os motivos pelos quais você não pode deixar de ir. Confira: 

1- TEATRO RENAULT

O espetáculo começa antes mesmo de abrirem as cortinas. Afinal, o passeio inicia-se ao entrar no Teatro Renault, que, além da incrível arquitetura, é aconchegante e nos coloca em contato com a arte no momento em que começamos a subir as escadas. 

Ricardo D’Angelo

2- HISTÓRIA 

Em 1992, a comédia norte-americana Mudança de Hábito, com Whoopi Goldberg como protagonista, estreou nos cinemas e, em menos de um ano, o filme e sua estrela tornaram-se mundialmente conhecidos. Tanto o filme quanto Whoopi foram indicados ao Globo de Ouro.

Para quem não conhece a história, Deloris Van Cartier é uma cantora espalhafatosa sem sucesso que namora um homem mau caráter. Sem querer, ao vê-lo matar uma pessoa, torna-se a única e principal testemunha do crime. Para não correr risco, é levada a um convento e contra a vontade da Madre Superiora, finge ser uma freira. Para isso, precisa trocar seus brilhos, plumas e paetês pelo hábito longo e sóbreo, substituindo velhos comportamentos pelas regras aplicadas a todas as irmãs. Entretanto, com sua personalidade forte, Deloris contesta os costumes rígidos e também passa a ensaiar o coro da igreja, que é um terror.

3- O MUSICAL 

A produção invadiu os palcos e ganhou a superprodução musical em 2009, reconhecida pelo público e pela crítica. Hoje já soma apresentações em 11 países, incluindo os Estados Unidos, na Broadway, e Inglaterra, no West End. Depois de ser assistido por mais de cinco milhões de espectadores no mundo, a montagem original – com letras em português e elenco brasileiro – desembarca pela primeira vez no Brasil.

4- KARIN HILS

O papel de Deloris não poderia ser interpretado por outra pessoa. Karin Hils está simplesmente maravilhosa. Com presença marcante, não só fez jus à incrível e eterna Whoopi Goldberg como desvinculou-se e deu um toque único, próprio e à altura que todos os espectadores esperavam. 

5- ELENCO

O elenco está incrível e engana-se quem pensa que Karin apaga o brilho dos outros colegas de palco. Todos os atores, sem exceção, estão dando um show de apresentação, com atuação, presença de palco, voz e entrega aos personagens impecáveis.

6- MÚSICAS

Na versão dos palcos, Mudança de Hábito apresenta uma trilha sonora marcante inspirada nos estilos musicais da Motown (soul e funk), passando por influências de Barry White, até grandes temas da disco music. A trilha sonora original tem músicas do vencedor do Oscar, Grammy e Globo de Ouro, Alan Menken (A Pequena Sereia, Pocahontas, A Bela e a Fera, Enrolados, entre outros), letras do indicado ao Oscar e ao Tony Awards, Glenn Slater (A Pequena Sereia), e texto dos vencedores do Emmy Awards, Cheri e Bill Steinkellner (do seriado Cheers). A direção ficou por conta do experiente Jerry Zaks, que acumula quatro Tony Awards em sua carreira e dirigiu recentemente “A Família Addams”, na Broadway e no Brasil.

7- OS HOMENS

Em um musical onde a maioria do elenco é feminino, os homens não ficam às sombras e fazem de seus personagens tão bons e marcantes quanto. Divertidos e absolutamente talentosos, deixam o espetáculo ainda mais interessante e envolvente. 

8- PRODUÇÃO

A produção do espetáculo é de deixar o queixo cair. Os cenários são lindos, bem feitos e ricos em cada detalhe. Desde a primeira cena, onde Dalores começa cantando, com luzes e brilhos, até a última, onde o elenco todo reúne-se no convento.

Além disso, as músicas são tocadas ao vivo, embaixo do palco e de frente para o público. Para quem tiver curiosidade, é possível acompanhar tudo por uma televisão nos cantos do Teatro. 

9- FIGURINO

O figurino é outro ponto alto do musical. As freiras, inclusive, mudam de hábito várias vezes, do mais básico ao mais brilhante, passando por muitas variações. Eddie, o policial interpretado por Thiago Machado, também chama a atenção quando em uma cena onde está cantando muda de roupa três vezes, com uma rapidez incrível. 

No fim do espetáculo, todos estão com roupas de paetês, inclusive Eddie, a Madre Superiora e o Monsenhor, dando ainda mais alegria à cena.

10- EMOÇÃO

Apesar de ser uma comédia, o musical emociona. E muito! Na cena onde as irmãs começam a cantar juntas, afinadas, fica até difícil conter as lágrimas. E assim o espetáculo segue até o final: emocionante. Não por acaso, na última música o elenco levantou o teatro inteiro (que estava lotado), que batia palmas acompanhando o que acontecia no palco. E nesse momento, foi impossível não arrepiar da cabeça aos pés, vendo que a emoção não parava na platéia, e subia para o palco, onde a diva Karin Hils e alguns companheiros levavam as mãos aos olhos para enxugar as lágrimas enquanto dançavam.


Por Nathália Tourais

Atualizado em 23 Mar 2015.

Mais notícias

12 espetáculos de Stand Up Comedy que estão em cartaz em São Paulo em março de 2019

Teatro

7 peças infantis imperdíveis em São Paulo em março de 2019

Teatro

10 peças de teatro e musicais imperdíveis em São Paulo em março de 2019

Teatro

6 motivos para assistir à peça “Dogville”, com Mel Lisboa e Fábio Assunção

Teatro

Peças de teatro e musicais para assistir em São Paulo no feriado de 25 de janeiro de 2019

Teatro

16 musicais imperdíveis para assistir em São Paulo em 2019

Teatro