Guia da Semana
Teatro
Por Nathália Tourais

9 motivos para assistir à peça "Um Bonde Chamado Desejo"

Espetáculo fica em cartaz até dia 26 de junho no Tucarana.

Motivos para assistir à peça "Um Bonde chamado Desejo" (João Caldas)

Não é exagero dizer que doar seu tempo (e dinheiro) para assistir ao espetáculo "Um Bonde Chamado Desejo" é o maior presente cultural que você mesmo pode se dar. A peça é uma daquelas que tiram o fôlego do início ao fim e que, sem dúvidas, assistimos e não ficamos satisfeitos em vê-la uma única vez. O motivo? Tudo! 

Para quem ainda não conhece, a história é antiga - de 1947 - e ganhou vida pelo gênio da dramaturgia Tennessee Williams, que conquistou o Prêmio Pulitzer no mesmo ano. O sucesso foi tanto que a versão original ganhou diferentes adaptações, com a mais famosa, cinematográfica, estrelada por ninguém menos que Marlon Brando (O Poderoso Chefão) e Vivian Leigh (E o Vento Levou...).

Já fora de cartaz há um tempo, o diretor Rafael Gomes a trouxe de presente o ano passado, e este ano segue temporada até dia 26 de junho, no Teatro Tucarena. Se você ainda não assistiu, listamos os motivos pelos quais deve programar-se para respirar esse turbilhão de cultura. Confira: 

HISTÓRIA 

Maria Luisa Mendonça é Blanche DuBois, a sonhadora e atormentada personagem criada por Tennessee Williams, no clássico da dramaturgia, que entra em violento embate com a brutalidade de seu cunhado, Stanley, interpretado por Juliano Cazarré. Assim, a história narra a decadência financeira, psíquica e emocional de Blanche, que se abriga na casa da irmã Stella para fugir do passado e se depara com novos conflitos. 

Jefferson Pacieri

ATUAÇÕES E PERSONAGENS

Quando as luzes se apagam e a música começa, atores vestidos de personagens brutalmente poéticos - desde o primeiro respiro - tomam o palco e nos mostram muito mais do que impecáveis atuações individuais. O que vemos em cena é um time. Um time que atua de maneira tão generosa que quem está em volta consegue sentir e se emocionar com o gesto. Assim, Maria Luíza Mendonça, Juliano Cazarré, Matheus Martins, Fabricio Licursi, Virginia Buckowski, Fernanda Castelo Branco e Donizeti Mazonas atuam com sintonia, sincronicidade, e despem-se de suas respectivas características, deixando personagens profundos e intensos habitarem seus corpos e mentes, chegando a cada um de nós de forma arrebatadora. 

João Caldas

MARIA LUÍZA MENDONÇA

Todos os atores estão impecáveis, mas é impossível não destacar a atuação e entrega da protagonista Maria Luíza Mendonça. Definitivamente, essa peça é impossível de acontecer se não existir uma Blanche densa e o que vemos no palco, na pele dessa Blanche, é uma verdadeira aula de interpretação.

João Caldas

TRILHA SONORA 

A trilha sonora é outro show à parte. De George Gershwin e Nina Simone a Beirut e Amy Winehouse, as músicas encaixam-se perfeitamente com cada movimento dos atores e com a dinâmica de cada cena que, muitas vezes, parece um ballet. 

PALCO E ILUMINAÇÃO

Ao assistir a peça, temos a plena certeza de que a produção nasceu para este palco, que parece pedir um trilho em volta de si. Nele, os atores preenchem cada pedaço de espaço com atuações que ultrapassam seus corpos e se fazem presentes no ambiente como um todo. A iluminação também ganha destaque, não apenas pela relação que Blanche tem com a luz, mas que a dramaturgia tem com a noite e com o espaço interno e externo.

Há muito tempo não se vê um projeto cenográfico tão incrível em São Paulo e este, assinado por André Cortez, prende nossa atenção de forma única, assim como a imagem inicial da caixa de madeira, que surpreende os olhos de quem assiste.

QUESTÃO COM O HUMANO 

A peça, do inicío ao fim, nos traz questões profundas sobre as mais diversas formas de relação. Mais do que isso, nos mostra como os sonhos são importantes, ainda mais quando vive-se uma realidade extremamente difícil. As cenas nos mostram que, muitas vezes, é através da própria ficção e até da invenção que conseguimos atingir uma redenção, o que pode nos salvar de uma dura realidade. 

Além disso, é uma história que fala de escuta, sobre a forma como nos escondemos e nos protegemos em nossos antagonismos. Fala de desejo, tolerância, sensibilidade, limites, verdade, honestidade, valores, caráter e a bruta relação entre sanidade e loucura.

Bob Sousa

DIÁLOGOS

Os diálogos, muito bem estruturados e colocados, com uma linguagem deliciosa, nos fazem pensar na nossa própria concepção como pessoa, no fato de que somos feitos de traços próprios e também de restos de outras pessoas que passaram por nossas vidas. 

 Bob Sousa

SERVIÇO

Um bonde chamado Desejo
Onde: Tucarena (Rua Bartira,1, Perdizes – SP)
Quando: Até 26/6; sextas, às 21h30; sábados, às 21h; domingos, às 18h
Quanto: de R$25 a R$70


Por Nathália Tourais

Atualizado em 30 Mai 2016.

Mais notícias

22 espetáculos de Stand Up Comedy imperdíveis em São Paulo em setembro de 2019

Teatro

13 peças infantis imperdíveis em São Paulo em setembro de 2019

Teatro

12 peças de teatro e musicais imperdíveis em São Paulo em setembro de 2019

Teatro

9 peças infantis imperdíveis em São Paulo em agosto de 2019

Teatro

Mais de 20 espetáculos de Stand Up Comedy para assistir em São Paulo em agosto de 2019

Teatro

10 peças de teatro e musicais imperdíveis em agosto de 2019

Teatro