Guia da Semana
Teatro
Por Redação Guia da Semana

Os Sertões e a verdadeira face de um teatro infantil

O colunista explica porque vale a pena vencer o cansaço e assistir as quase seis horas de cada uma das cinco partes de Os Sertões.

Por Ruy Filho



Quando se abrem as portas do Teatro Oficina, tudo pode acontecer. A peça, entretanto, começa antes, nas calçadas e encontros durante a espera, uma vez que os corpos anônimos se tornarão um só, outro personagem a construir e participar do jogo. E entre tantos palcos e espaços, nenhum merece tanto ser associado com esta palavra quanto este.

Cantos, danças, rodas, beijos, fonte d´água, corredor subterrâneo, fogo, o teto móvel expandindo o teatro ao céu, enquanto este traz a essência de todos os personagens. Se somos coro, o maestro é principalmente Zé Celso.

Da faculdade de Direito, Zé trouxe à cena a indagação pelo justo, mas sem o julgamento duro e direcionado das leis. Nesses mais de quarenta anos de teatro, formula diariamente questionamentos sobre a natureza humana, priorizando na retórica de suas melodias a importância da liberdade.

Em cartaz, Os Sertões, baseado no livro de Euclídes da Cunha, e dividido em A Terra, Homem I, Homem II, A Luta - parte I, A Luta - parte II. A guerra de Antonio Conselheiro em criar no sertão nordestino uma sociedade participativa regrada pelo viés religioso fala muito do teatro de Zé Celso. Foram décadas tentando atrair o mundo para o corredor-palco, na busca de transformação.

Contudo, o improvável se manifesta. Inverte-se o diálogo óbvio. Nas ruas e vielas do Bixiga, molda-se um novo Oficina feito por crianças falando de revoluções. Zé Celso prepara a próxima geração com as mais importantes armas: ideologia e história.

Levará ainda uma década para conhecermos de fato as transformações no Bixiga e suas crianças. O fluxo contínuo entre teatro e rua gera uma percepção diferente aos que rodeiam o teatro, enquanto Zé Celso responde criativamente formando... gente! São garotos e garotas que olham para o futuro como quem já o conhece e entende, e se colocam responsáveis por fazê-lo outro.

Não assistir ao espetáculo por preguiça, cansaço, pelo incômodo do sentar sem cadeiras estofadas ou por ser longo, é se abster de um movimento mais profundo. Os Sertões deixou de ser apenas teatro e abstrato manifesto. Transcendeu a isso. Revelou-se possibilidade concreta de dialogarmos com os problemas e traduzir o mundo, destrinchando-o para ser antropofagiado em forma de arte e assim ressurgir em verbo, ação e solução.

Não é preciso concordar com Zé Celso ou o teatro que ele propõe. Basta exercitar a convivência. Sair de casa. Olhar sobre o muro. E perceber a dominância da indiferença e do medo sobre nossas vidas, as distâncias, a felicidade fingida. Ao conseguir, também estaremos recriando Canudos. Se a intenção for ir além da sobrevivência no isolamento, então devemos olhar nos olhos das crianças em Os Sertões, deixar que elas nos levem para dentro da cena. Lá estão os futuros das nossas ruas e nossos palcos.

Quem é o colunista: Ruy Filho.

O que faz: diretor e dramaturgo.

Pecado gastronômico: carpaccio de pato do Piselli.

Melhor lugar do Brasil: Salvador fora de temporada.

Fale com ele: [email protected]


Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

12 espetáculos de Stand Up Comedy que estão em cartaz em São Paulo em março de 2019

Teatro

7 peças infantis imperdíveis em São Paulo em março de 2019

Teatro

10 peças de teatro e musicais imperdíveis em São Paulo em março de 2019

Teatro

6 motivos para assistir à peça “Dogville”, com Mel Lisboa e Fábio Assunção

Teatro

Peças de teatro e musicais para assistir em São Paulo no feriado de 25 de janeiro de 2019

Teatro

16 musicais imperdíveis para assistir em São Paulo em 2019

Teatro