Guia da Semana
Teatro
Por Redação Guia da Semana

Teatro é um barato, será?

Os altos preços de peças de teatro no Brasil espantam o grande público.



Freqüentar a cena cultural das cidades deveria ser para todos, mas infelizmente não é o que acontece na prática, principalmente, quando o assunto é teatro. Os altos preços como 50, 80, 100 e até 200 reais impedem que a grande maioria da população usufrua do que é um direito básico: cultura e lazer.

Por isso em 1991 o Governo Federal criou a lei Incentivo à Cultura, conhecida também por Lei Rouanet, com a finalidade de: estimular a produção, a distribuição e o acesso aos produtos culturais (CDs, DVDs, espetáculos musicais, teatrais, de dança, filmes e outras produções na área Audiovisual, exposições, livros nas áreas de Ciências Humanas, Artes, jornais, revistas, cursos e oficinas); proteger e conservar o patrimônio histórico e artístico; estimular a difusão da cultura brasileira e a diversidade regional e étnico-cultural, entre outras. Segundo a legislação ela pode ser usada por empresas e pessoas físicas que desejam financiar projetos culturais e como benefício é possível deduzir do imposto de renda até 60% do valor investido. A lei permite também ao patrocinador obter retorno de produtos como CDs, banners, gravuras, etc., para utilizar como brinde ou marketing pessoal.

A intenção era que o incentivo fiscal beneficiasse à empresa, ao idealizador do projeto e também à sociedade como um todo. Porém na prática não é isso que acontece. "As empresas podem escolher em qual projeto investir e acabam selecionando espetáculos e shows de grande visibilidade, com artistas consagrados para se beneficiarem com o marketing. Companhias pequenas, as que realmente precisam da ajuda financeira, são esquecidas", argumenta Thiago Reis Vasconcelos, diretor da Cia. Antropofágica.



O próprio Gilberto Gil, ex-ministro da Cultura, acredita que a Lei Rouanet precisa ser melhorada. De acordo com ele, a legislação tem permitido, entre outras coisas, que as empresas invistam apenas em espetáculos e ações de grande visibilidade, em sua maioria, na Região Sudeste e ao longo do litoral. "É necessário corrigir mecanismos na lei que permitam o cumprimento da exigência de regionalização, do compromisso com a produção artística local", disse à Agência Brasil em janeiro desse ano. Gil prometeu levar o assunto ao Congresso Nacional ainda em 2008, porém com a sua saída do Ministério o projeto deve ser engavetado por algum tempo.

"É quase impossível ir ao teatro. Os ingressos custam em média 30% do meu salário, não dá para pagar!", reclama a vendedora Juliana Morena do preço da entrada de Hamlet, onde o protagonista é o seu ator preferido, Wagner Moura. "Depois eu escuto as pessoas falarem que o povo brasileiro é ignorante e não vai ao teatro. Lógico! No Brasil a cultura foi feita para pessoas ricas", protesta. Os argumentos de Juliana têm fundamento, quando atores famosos fazem parte do elenco, como é o caso de Hamlet, o preço costuma ir às alturas. Porém, a classe teatral defende o seu ponto de vista. "Fazer teatro custa caro. Temos que pagar o aluguel do espaço, o salário de toda a equipe e outras despesas. Mesmo com patrocínio as coisas ainda ficam com um valor elevado e isso acaba refletindo no preço do ingresso", explica Cláudia Mello, que está em cartaz com o espetáculo A Alma Boa de Setsuan e também interpretou a Dalila no seriado A Diarista, na rede Globo. Mesmo assim, Cláudia acha injusto com os espectadores. "Tentamos fazer peças a preços populares para beneficiar quem não pode pagar os R$60,00. Em Paulínia (interior de São Paulo), por exemplo, fizemos apresentações gratuitas. Foi fantástico.". O ator Diogo Vilela, em cartaz com a peça Otelo, que também custa R$ 60,00, partilha da mesma opinião. "Toda vez que faço uma peça fico um tempo em cartaz com o custo tradicional, depois tento fazer uma temporada para quem não pode pagar, mas nem sempre é possível", finaliza.

Enquanto os valores não ficam mais acessíveis, só existem duas saídas: ou as pessoas deixam de ir ao teatro ou usam benefícios que ajudam a pagar menos. Mas mesmo assim ainda fica caro! Agora é torcer (e cobrar!) para que todas as promessas feitas por políticos sejam efetivamente colocadas em prática e, a Lei Rouanet beneficie a quem tem que beneficiar. Só assim o povo terá acesso ao lazer e à cultura.

Meia entrada:
? Carteira de estudante - Quem tem esse benefício paga 50% do valor. Porém, por conta da falsificação, alguns estabelecimentos cobram comprovante de matrícula ou boleto bancário;

? Pessoas maiores de 65 anos, em cinemas, teatros, museus, circos, parques, centros de lazer e diversões públicas;

? Aposentados, em cinemas, teatros, espetáculos e eventos esportivos;

? Portadores de deficiências físicas, nos espetáculos culturais, artísticos e esportivos promovidos pelo governo municipal;

? Professores da rede pública estadual de ensino, em estabelecimentos que proporcionem lazer e cultura, desde que apresentem carteira funcional emitida pela Secretaria da Educação de São Paulo.




Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

22 espetáculos de Stand Up Comedy imperdíveis em São Paulo em setembro de 2019

Teatro

13 peças infantis imperdíveis em São Paulo em setembro de 2019

Teatro

12 peças de teatro e musicais imperdíveis em São Paulo em setembro de 2019

Teatro

9 peças infantis imperdíveis em São Paulo em agosto de 2019

Teatro

Mais de 20 espetáculos de Stand Up Comedy para assistir em São Paulo em agosto de 2019

Teatro

10 peças de teatro e musicais imperdíveis em agosto de 2019

Teatro