Guia da Semana
Viagens
Por Redação Guia da Semana

Descida radical

Última chamada para conhecer parte de uma estrada pavimentada no tempo do império.

Foto: Arquivo Pessoal


Tempos atrás, um jornalista americano classificou a Graciosa como uma das estradas mais perigosas do mundo, ao lado da estrada da morte na Bolívia. Para quem conhece a estrada, a afirmação foi mais do que exagerada. Agora, se o cara ainda tivesse a percorrido como nós percorremos no feriado de Tiradentes (de bike e sob chuva), ele teria um infarto.

A estrada tem lá sua dose de perigo. Uma infinidade de curvas, com algumas que mais parecem um círculo completo. Mão dupla. E o seu charme maior: 10 quilômetros de paralelepípedos. Tudo isso gera alguns acidentes, mas tão dramáticos como as quedas da estrada boliviana. O que ajuda muito a diminuir a força dos acidentes (ou causa alguns) é o visual da estrada. Sem dúvidas, uma das mais belas estradas de serra do Brasil.

Descer a Graciosa é o mais tradicional passeio de bike para quem mora em Curitiba. Todos colecionam histórias sobre descidas (e às vezes subidas). E como tempero, noite de lua cheia, frio, chuva e etc... Eu nunca vi alguém sair de casa pra pegar chuva na descida, mas como nunca sabemos o que vamos encontrar na serra... Há também as aventuras que acabamos buscando pelo caminho, como a trilha do alemão. Tem gente que a ama. Outros praguejam só de pensar.

O traçado original da Graciosa começa no trevo do Atuba, junto a BR116. No tempo de D. Pedro, ela ia até a cidade. No trevo, encontramos uma avenida que nos leva até Alphaville e de lá para Quatro Barras. Aos poucos, essa parte da nossa história está sendo apagada pelo progresso. Tudo em nome de ajudar o turismo na região, já que quem vai de carro para descer a Graciosa, prefere entrar pelo portal na BR 116, evitando Quatro Barras. Pedalando, parte da graça de fazer o trajeto vai se perder. Para ver como era a pavimentação no tempo do império é bom se apressar.

Falar em descer a Graciosa, não é bem o que parece. De descida direta mesmo, temos 14 quilômetros. Mas, antes de começar este trecho, passamos por 54 quilômetros de sobe e desce entre asfalto, terra e pedras. Estas últimas, em duas versões: presas e soltas. Para botar uma pitada de aventura existe a trilha do alemão. Esse trecho era o traçado original que levava ao mirante. Reza a lenda de que ali vivia um germânico que espionava o porto de Paranaguá para o Eixo no tempo da Segunda Guerra.

O mirante do alto da serra é onde começa a festa. O incrível aqui, mesmo com chuva fina, é achar alguém desanimado. Depois de reagrupar, combinamos as paradas no meio do caminho e começamos o melhor da festa. É soltar e ser feliz. Uma parada obrigatória é o núcleo da Ferradura, para o melhor pastel de palmito que já comi na vida. Tem o equivalente a meio vidro de palmito de recheio. Não há como recusar.

O final do passeio é em Morretes. Mas para chegar lá, é preciso voltar a pedalar. Do fim da descida, em São João da Graciosa, até a cidade do barreado e balinhas de banana, são mais 16 quilômetros. Os últimos seis são uma reta que parece infindável. A volta, para quem não agendou uma van, é o velho e bom trem, que leva três horas para subir, ou o ônibus que só leva duas bikes por vez. Para quem vai voltar de trem vale a recomendação de sair cedo de casa e comprar a passagem assim que chegar à estação.

No total, são cerca de 80 quilômetros de pedal, que cada vez que faço sempre parecem diferentes. Cada descida é uma história diferente nessa estrada, que além de bela, também tem muita história.

Leia as colunas anteriores de Marcelo Rudini:

Colônia Ucraniana

Cicloturismo - Vale Europeu

Gramado e Canela pedalando

Quem é o colunista: Fotógrafo e editor do site Onde Pedalar.com

O que faz: Fotógrafo editorial.

Pecado gastronômico: Um só? Na Bahia, Biju; em São Paulo, pizza; em Curitiba, Strogonoff de nozes e, em Belo Horizonte, feijão.

Melhor lugar do mundo: Aquele que te faz se sentir bem, equilibrado.

Fale com ele: [email protected]

Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Parque da Cerveja Campos do Jordão tem mirante com vista 180° da Serra da Mantiqueira, saiba tudo!

Viagens

Projeto de crowdfunding quer ajudar o povo Kuikuro a trazer de volta o Kuarup; saiba tudo!

Viagens

Turismo: 5 destinos brasileiros que serão tendência no 2º semestre de 2021

Viagens

10 lugares da Bahia para conhecer online

Viagens

10 atrações turísticas do Sul do Brasil para ver online

Viagens

10 pontos turísticos do Nordeste brasileiro para ver online

Viagens