Guia da Semana
Viagens
Por Redação Guia da Semana

Encanta até o mais cruel

A Ilha de Capri encantou um dos mais cruéis imperadores romanos e graças a essa beleza, hoje vive do turismo chique.

Fotos: www.sxc.hu

O imperador romano Augusto descobriu o local por acaso, navegando pelo Mediterrâneo. Mas foi seu enteado e imperador posterior, o cruel Tibério, quem se encantou pelo destino. Sofrendo de mania de perseguição, ele se exilou do governo na Ilha de Capri, ao sul da Itália, onde construiu doze villas romanas, espalhadas pelos 10 km² de extensão do território .

As belezas naturais que o conquistaram servem para os milhares de turistas que visitam Capri (atualmente integrante da província de Nápoles), na região italiana da Campânia. As praias, praticamente sem areia, não são parecidas com as que conhecemos no Brasil. Entretanto, um banho de mar no verão é uma ótima pedida.

Para se chegar à Ilha de Capri deve-se pegar um barco ou uma lancha desde Nápoles, a 8 km de distância. O trajeto oferece uma noção exata do tamanho do Vesúvio, famoso vulcão napolitano, com 1.281 metros de altura, que teve sua última atividade registrada em 1968 (sem chegar a expelir lava).

Após uma hora de ferry, chega-se ao destino. O ideal é perambular um pouco pela região, congestionada pelos iates do Porto Marina Grande, para depois pegar um bonde até a parte alta, na Piazza Umberto I. Lá estão os restaurantes, hotéis e grifes - tudo muito caro e sofisticado.

O tráfego de veículos na ilha se restringe a táxis e ônibus. Aproveite para passear entre as ruas estreitas e comer os pratos de frutos do mar misturados com a culinária italiana. Para beber, uma boa opção são os vinhos típicos da região, conhecidos pela sua suavidade.

Dividida em duas cidades - Capri e Anacapri - a ilhota hospeda um dos patrimônios históricos mais preservados do mundo. São eles que ajudam a contar indiretamente a história do local, originalmente uma província grega, que depois dos romanos, esteve sob o domínio de espanhóis, árabes e franceses. Resquícios dessa história podem ser encontrados na Catedral de San Giacomo, construída no século XIV.

Um dos pontos mais famosos da ilha é uma homenagem ao "colonizador" do local: o Salto do Tibério, um penhasco de 300 metros de altura, de onde supostamente o imperador romano arremessava seus inimigos ao mar (há boatos que também jogava suas ex-amantes e até cozinheiros ruins).

Outros destaques turísticos naturais são o Arco Naturale e a Grotta Azzurra. O primeiro é uma rocha enorme submersa, em forma de arco. Para se chegar ao segundo, deve-se descer um penhasco por uma escada de madeira. Lá, se vê uma gruta que devido ao reflexo solar no oceano, fica toda azul. O Faraglioni, conjunto de três formações rochosas no mar, é considerado o cartão postal de Capri.

Localizada ao lado do monte Tibério, a luminosa Villa Jovis é uma das casas das villas construídas na época romana. São as ruínas mais conservadas da ilha.

Curiosidades e personalidades
? Capri cheira bem. Há mais de 600 anos a ilha abriga duas fábricas de perfume.

? A melhor época para ir a Capri é de junho a setembro, no verão europeu, quando a temperatura chega próxima aos 30ºC.

? No inverno, os restaurantes, lojas e até hotéis fecham as portas. Caso vá nessa época, durma em Nápoles.

? Vários personagens já se encantaram pela ilha da baía de Nápoles. Nos Jardins de Augusto, por exemplo, há uma homenagem a Lênin, revolucionário comunista russo. Ele visitou duas vezes a ilha para se encontrar com Máximo Gorki, escritor e ativista político russo exilado, que ajudou na Revolução Russa de 1917.

? A Villa San Michelle, em Anacapri, é a antiga residência do médico, psiquiatra e escritor sueco Axel Munthe. Lá podem ser encontradas diversas obras de arte e antiguidades.

? Outros grandes nomes da literatura que tiveram casa em Capri são o romancista britânico Graham Greene e o poeta francês Jacques d´Adelswärd-Fersen, exilado na ilha após mandado de prisão em Paris por comportamento indecente, em razão de suas relações homossexuais com adolescentes.


Como ir

Os pacotes costumam ter uma excursão de apenas um dia na Ilha de Capri*.

Viagem Express
Telefone: (11) 3021-4149
Pacote de 10 dias sai a partir de US$ 2.115,00 ( R$ 4.485,00) por pessoa em apartamento duplo. Passa por Veneza, Pádua, Florença, Siena, Assis, Roma e Ilha de Capri. Inclui passagens aéreas, hospedagem com café da manhã, traslados e guias locais.

Cabtour
Telefones: (11) 4063-8054 e (21) 2509-8023
Pacote de 10 dias sai a partir de 1.757,00 euro ( R$ 4.850,00) por pessoa em apartamento duplo. Passa por Roma, Assis, Siena, Florença, Pisa, Pádua, Veneza, San Marino, Nápoles, Pompéia, Sorrento e Capri. Inclui passagens aéreas, traslados, hospedagem com meia-pensão (café da manhã e jantar), passeios, guias e entradas para os passeios.

*Preços válidos para novembro de 2008 e sujeitos a alterações


Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Conheça a cidade de Leuven, capital da cerveja belga

Viagens

8 passeios imperdíveis em Seattle, nos Estados Unidos

Viagens

10 passeios imperdíveis no bairro de Belém, em Lisboa

Viagens

Conheça a cidade medieval de Füssen, na Alemanha

Viagens

Conheça Panama Beach City, destino com praias paradisíacas e muita natureza na Flórida

Viagens

9 passeios imperdíveis em Alfama, bairro tradicional de Lisboa

Viagens