Guia da Semana
Viagens
Por Redação Guia da Semana

Esportes de Aventura X Atividades de Aventura: cada um no seu lugar

Fotos: Getty Images

O paradoxo do homem moderno evidencia sua capacidade de produzir um mundo com padrões de vida altamente civilizados e tecnologicamente avançados. Já na sua experimentação, esse homem moderno se faz notar pela capacidade de cercear-se pelo autocontrole e de inibir seu desejo de grandes emoções, acabando por buscar em seu lazer atividades que vertem a sensação do risco e a reaproximação com a natureza.

Neste contexto emergem os esportes e as atividades de aventuras, objetivando a fuga do cotidiano urbano e a melhoria da qualidade de vida associada aos riscos controlados da aventura, que instiga sensações e percepções prazerosas.

O esporte de aventura é praticado por atletas profissionais ou amadores, de forma contínua e sistemática, conhecendo a atividade, suas técnicas, seu condicionamento físico, cientes de seus riscos e tendo a segurança na esfera do controle através da prática e do apoio de uma entidade esportiva.

Já a atividade de aventura é exercida, normalmente, pelo turista. Um ator passivo, dependente de orientação para a execução da ação. São homens, mulheres e adolescentes, na maioria das vezes sedentários, totalmente carentes de conhecimentos técnicos e de vivência motora da atividade. Buscam, geralmente, um redimensionamento de suas relações com o ambiente natural, e o simples fato de estar neste meio já é uma aventura para muitos.

Colocada a conceituação de uma e outra, é importante considerar um outro ponto de extrema importância: o que para o atleta pode ser uma ação cotidiana ou uma performance natural, para o turista pode ser uma prática limítrofe, de dificuldade extrema. Daí a necessidade de evidenciar a diferença entre estes dois atores e dar ao turista, que pratica atividades de aventura, as condições ideais de segurança.

Como voluntários da Associação Férias Vivas - ong que tem como missão educar para o turismo e o lazer seguro e responsável, trabalhando em prol da segurança e prevenção de acidentes em atividades dessas áreas - atuamos arduamente para conscientizar toda a cadeia de serviços turísticos quanto à importância primordial de buscar a segurança em meio à prática do risco pelo turista.

A luta é sempre a de fazer com que leis sejam conhecidas e cumpridas. Que normas estejam sempre apoiadas no respeito pelo ser humano. O Código do Consumidor, que completou 16 anos este ano, diminuiu em muito o desequilíbrio de forças nas relações entre fornecedores e consumidores. Estamos também assistindo ao início do processo de profissionalização do turismo de aventura no país através do Projeto de Normalização e Certificação em Turismo de Aventura. Deflagrado em dezembro de 2003, o Projeto é uma iniciativa do Ministério do Turismo, que tem como entidade executora o Instituto de Hospitalidade e como parceira a Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT, por meio do seu Comitê Brasileiro de Turismo - CB54 e do qual, como organização não-governamental, Férias Vivas participa ativamente.

A exemplo de tantas outras batalhas, essa é mais uma que está sempre aberta a novos soldados. O turismo responsável, o lazer saudável e seguro, a viagem com ida e volta são também exercício da cidadania.

Quem é a colunista: Sônia Kohler Garcia

O que faz: Consultora de turismo e eventos.

Pecado Gastronômico: Panini, da Doceira Cristallo

Melhor Lugar do Brasil: São Paulo

Para Falar com Sônia: [email protected]




Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Parque da Cerveja Campos do Jordão tem mirante com vista 180° da Serra da Mantiqueira, saiba tudo!

Viagens

Projeto de crowdfunding quer ajudar o povo Kuikuro a trazer de volta o Kuarup; saiba tudo!

Viagens

Turismo: 5 destinos brasileiros que serão tendência no 2º semestre de 2021

Viagens

10 lugares da Bahia para conhecer online

Viagens

10 atrações turísticas do Sul do Brasil para ver online

Viagens

10 pontos turísticos do Nordeste brasileiro para ver online

Viagens