Guia da Semana
Viagens
Por Redação Guia da Semana

Fantasmas no Municipal

Histórias de Fantasma
Tenor Misterioso

"Eu estava aqui no Theatro por volta das 15h na véspera de Natal e ouvi a voz de um homem cantando. O som vinha do palco, e estranhei que houvesse alguém aqui por conta da data. Desci do terceiro para o primeiro andar para ver o que estava acontecendo. Quando cheguei no auditório, estava tudo apagado, tudo escuro. Não havia ninguém. Fui perguntar para o guarda se alguém tinha entrado e ele me respondeu que não. Foi quando o elevador, vazio, saiu do primeiro andar e foi até o quinto, parando de andar em andar até descer novamente para o primeiro. Fomos até a porta do elevador e quando a ela se abriu não havia ninguém".

Elegante desconhecido

"Há uns sete, oito anos, estava sendo realizada a montagem de uma ópera aqui no Municipal. A produção virava a noite montando o espetáculo, já que era uma apresentação grande. Uma noite, durante o trabalho, um funcionário diz ter visto um homem de capa e chapéu com as mãos na cintura. O homem não fazia parte do espetáculo. Contou então que ele chamou as outras pessoas que estavam trabalhando e que ninguém viu a tal pessoa. Então, o misterioso foi chegando mais perto do palco e sumiu de repente".

Pianista fantasma

"A história do pianista é uma das mais recentes e também uma das mais famosas daqui. Uma noite, um funcionário estava trabalhando e foi até o Salão Nobre. Quando chegou para trancar a porta da sala, havia um pianista tocando. Ele então decidiu deixá-lo lá tocando enquanto fechava as outras portas. Quando ele subiu para fechar a cúpula, assim que ele colocou o pé dentro do salão, o piano parou de tocar e o pianista misterioso desapareceu. O funcionário pediu transferência e nunca mais apareceu para trabalhar".

Dama do vestido vermelho

"Uma vez, durante um espetáculo, o intervalo tinha acabado de terminar e o público estava entrando novamente no auditório. Pedi para uma das moças da manutenção entrar e fazer a checagem do banheiro, para ver se não faltava papel ou sabonete. Ela disse que não podia entrar ainda, porque havia acabado de entrar uma senhora de vestido vermelho. Eu estava com ela e não tinha visto nada, mas não insisti. Esperamos uns dez minutos e a mulher não saía do banheiro. Entramos para ver se estava tudo bem. Chequei todas a cabines e adivinhe? Não tinha ninguém".

Companhia no elevador

"Há algum tempo, perto da véspera de Natal também, eu estava terminando de fechar as salas do prédio para sair de férias. Depois que fechei o Salão nobre, que fica no segundo andar, entrei no elevador para falar com o segurança. Foi quando eu senti que havia alguém junto comigo no elevador. Como esse elevador costuma ficar preso muito facilmente, pedi para que a ´pessoa´que estava comigo não me deixasse presa, pois era véspera de Natal e eu queria ver a minha família. Cheguei no primeiro andar, dei tchau, agradeci por não ter ficado presa e sai. Por causa da programação do elevador, ele deveria ter permanecido no primeiro andar. Só que assim que eu sai, ele fechou a porta e subiu até o quarto andar. Ficou lá um tempo e depois desceu novamente. Até achei que pudesse ter alguém, mas quando a porta se abriu novamente no primeiro andar, não havia ninguém".




Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Conheça a cidade de Leuven, capital da cerveja belga

Viagens

8 passeios imperdíveis em Seattle, nos Estados Unidos

Viagens

10 passeios imperdíveis no bairro de Belém, em Lisboa

Viagens

Conheça a cidade medieval de Füssen, na Alemanha

Viagens

Conheça Panama Beach City, destino com praias paradisíacas e muita natureza na Flórida

Viagens

9 passeios imperdíveis em Alfama, bairro tradicional de Lisboa

Viagens