Guia da Semana
Viagens
Por Redação Guia da Semana

Hóquei familiar

Fácil, acessível e divertido. Conheça o Floorball, a versão não-violenta do hóquei.

Foto: divulgação

Taco em punhos e bola na rede. Além disso, nada de trombadas, empurrões ou xingamentos. O uso de patins também é terminantemente proibido. Dá para imaginar um jogo de hóquei assim? Estamos falando do floorball criado nos EUA, nos anos 50, que após popularizar-se na Europa, chega agora ao Brasil, como uma alternativa familiar e menos violenta do que o hóquei.

Começar no esporte não é difícil. É preciso apenas obter um stick (taco) e uma bolinha para arriscar os primeiros lances. Depois disso, é só juntar alguns amigos e começar a jogar. E é devido a essa facilidade que o floorball já conta com 3,2 mil clubes e mais de 250 mil jogadores no mundo. Por esses lados, a prática ainda é novidade e reúne apenas 50 jogadores oficiais, todos eles em São Paulo, registrados pela Associação Brasileira de Floorball (ABF).

Saudável

Segundo o Emílio Bugs, secretário Geral da ABF, as vantagens do esporte vão além da diversão e da facilidade para obter o equipamento básico, refletindo em diversos benefícios à saúde. "O floorball exige movimentação intensa e constante de quase todos os jogadores (exceto o goleiro) e trabalha com todos os músculos do corpo, tanto os inferiores quanto os superiores, principalmente bíceps, ombro e peitorais. Um atleta gasta cerca de 600 calorias em uma hora de jogo".

O gerente de logística Jefferson Reis, 33 anos, teve contato com o esporte há pouco mais de um ano, através do trabalho. Além de se identificar com a modalidade, passou a se sentir mais tranquilo, aliviando suas tensões nas tacadas de floorball em jogos cosmopolitas. "É um tipo de competição diferente, que reduz o estresse do trabalho. Você ainda tem a oportunidade de fazer novas amizades e trocar experiências com estrangeiros, pois muitos dos praticantes no Brasil são de países europeus".

Foto: divulgação

Hóquei x Floorball

Embora seja uma vertente do hóquei, as únicas semelhanças entre as modalidades são os sticks e os gols reduzidos. No esporte de origem (no gelo ou in-line) deve-se utilizar uma série de equipamentos de segurança - joelheira, capacete, peitoral, cotoveleiras, luvas, etc - para evitar lesões. Além disso, a violência é um elemento tradicional e incentivado no hóquei, com brigas frequentes (sem penalidades sérias) em jogos oficiais ou amadores. Já no Floorball existe o contato físico natural de qualquer esporte coletivo, com qualquer jogadas mais violentas prontamente coibidas e penalizadas.

Primeiras tacadas

Para quem pensa em se arriscar no floorball, persistência é fundamental. Apesar de ser um esporte de fácil aprendizado, algumas técnicas, como chutes e dribles, levam certo tempo para serem dominadas. O tempo médio para se jogar com uma certa desenvoltura é de cerca de uma ano, como explica o advogado Rafael Nascimento, praticante associado à ABF. "É importante não desanimar nos primeiros jogos, pois para pegar a manha leva algum tempo. Mas depois que você aprende, vale a pena. O esporte é muito prazeroso e divertido".

As regras

? Empurrões e cargas físicas estão fora de questão. Esses tipos de contatos físicos são proibidos.

? Nada de saltar e bater na bola ao mesmo tempo. Se ambos os joelhos estiverem no chão, também não se pode jogar.

? A bola pode ser atirada pelo ar, desde que não suba acima do nível dos joelhos. Também pode ser chutada, mas apenas uma vez e sem ser atirada contra outro jogador. Não pode ser tocada com as mãos.

? O goleiro tem até três segundos para atirar a bola. A mesma tem que tocar no chão antes de ultrapassar a linha central.




Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Conheça a cidade de Leuven, capital da cerveja belga

Viagens

8 passeios imperdíveis em Seattle, nos Estados Unidos

Viagens

10 passeios imperdíveis no bairro de Belém, em Lisboa

Viagens

Conheça a cidade medieval de Füssen, na Alemanha

Viagens

Conheça Panama Beach City, destino com praias paradisíacas e muita natureza na Flórida

Viagens

9 passeios imperdíveis em Alfama, bairro tradicional de Lisboa

Viagens