Guia da Semana
Viagens
Por Redação Guia da Semana

Massinha, cacetinho e negrinho...

Coisas que só o Rio Grande do Sul tem.

Foto: Arquivo Pessoal


Olá! Depois de um bom tempinho eu voltei para encerrar a série sobre o Rio Grande do Sul. Na minha última coluna, falei um pouco sobre a cultura do fumo e o jantar na Casa Textor.

Fui até Santa Cruz do Sul para fazer uma reportagem sobre a indústria do fumo. Saímos de lá direto para o almoço e pouco menos de duas horas depois, fomos tomar o famoso chá das cinco em uma casa tradicional da cidade. Parece que naquele dia os patrocinadores da viagem estavam decididos a nos engordar.

À noite, fomos ao Centro de Tradições Gaúchas - CTG. A recepção foi uma apresentação de dança com chimarrão e a coroação dos peões e das prendas, que fizeram questão de convidar todos os presentes para dançar com eles. O jantar, claro, foi um típico churrasco.

Chegando ao hotel, comecei a arrumar minhas coisas, já que no dia seguinte eu voltaria para São Paulo. No meu último dia em Santa Cruz do Sul, resolvi aproveitar bem o café do hotel. Para quem está acostumada a se conter na alimentação o ano inteiro, nada como abrir mão nas férias e poder comer salsicha, bacon e ovo mexido de manhã, coisa que não faço em casa nem por decreto.

Acabamos o café e partimos rumo a Porto Alegre. Fomos a um hotel assistir a mais uma apresentação sobre a produção do cigarro e visitar alguns pontos de venda da cidade para verificar o nível de concorrência entre as duas maiores indústrias do país.

Entre os pontos de venda, estavam lojas de conveniência e padarias. E foi justamente em uma padaria que aprendi um pouco mais do vocabulário gaúcho com suas gírias regionais. Lá tinha cacetinho (pão francês), massinha (pão doce) e negrinho (brigadeiro). Alguns atendentes se referiam a outros por "trocinho" (pessoa). E claro, a interjeição "bah!" (eu incorporei o "tri" rapidamente!).

Estava curtindo a cidade quando percebi que era hora de ir para o aeroporto. Chegando lá, despachei a bagagem e fiquei esperando a hora do embarque.

Já em São Paulo, fui pegar minha mala na esteira do aeroporto. Vi uma mala idêntica à minha. Estranho, mas esperei mais um pouco. Quando me dei conta, a única mala que estava na esteira era a minha. Só em São Paulo percebi que a companhia aérea simplesmente tirou meu chaveiro de estimação (detalhe: um chaveiro de ursinho azul escuro com cerca de 15 cm) para colocar o lacre.

Tudo bem...ainda bem que no Rio Grande do Sul eu já tinha comprado um chaveiro "tão discreto" quanto o outro. Mas esse não fica como enfeite de mala de jeito nenhum!

Até a próxima!

Leia as colunas anteriores de Belisa Frangione:

Uma cidade que aprecia o fumo. Sem moderação

Deu para ti...vou para Santa Cruz do Sul

Nem só de praia vive Santos

Quem é a colunista: Belisa Frangione

O que faz: jornalista

Pecado gastronômico: comida japonesa e chocolate

Melhor lugar do Brasil: São Paulo

Fale com ela: befrangione @hotmail.com


Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

10 lugares da Bahia para conhecer online

Viagens

10 atrações turísticas do Sul do Brasil para ver online

Viagens

10 pontos turísticos do Nordeste brasileiro para ver online

Viagens

10 destinos religiosos ao redor do mundo para ver online

Viagens

6 atrações turísticas em Mykonos, na Grécia, para ver online

Viagens

10 montanhas incríveis ao redor do mundo para ver online

Viagens