Guia da Semana
Turismo
Por Redação Guia da Semana

Moradores de rua - Continuação

Nos viadutos, ruas e praças das grandes e pequenas cidades, a população desabrigada representa o retrato do descaso social.

Causa e conseqüência
Foto: scx.hu
É importante ressaltar que, segundo a pesquisa da FIPE, cerca de 20% da população desabrigada possui nível superior. No entanto, considerando as deficiências sociais do país, um dos principais motivos que desencadeia o crescimento dos moradores de rua é o desemprego. Sem ocupação e renda para auto sustento, essa parcela da sociedade migra para espaços públicos e, quando muito, contam com o amparo de papelões, sacos de lixo e folhas de jornal para se proteger do frio. Contudo, ficam sujeitos ao acaso da violência urbana e vulneráveis a vários tipos de enfermidades.

A economista Silvia Maria Schor, que atua políticas de desenvolvimento, pobreza e desigualdades, observa que, além da perda de emprego, existem outros fatores comuns a essas pessoas: "Ao ouvir os relatos dos moradores de rua, percebemos que o alcoolismo e a quebra de vínculo familiar são presentes na maioria das histórias. A ordem dos fatos muitas vezes se inverte e o peso varia de acordo com o relato pessoal de cada um. Mas, na minha observação pessoal, essa realidade é coincidente a uma grande parte deles", ressalva.

Mesmo com conhecimento dos projetos de amparo e acolhimento à essa população, Silvia acredita que a melhor forma de lidar com o problema, em primeira instância, é se apoiar na rede de proteção familiar. No caso de rompimento da mesma, ela aconselha que as pessoas procurem a rede de proteção social, evitando a alternativa de ter que ir para às ruas. "O fato mais preocupante é quando as pessoas vão para as ruas, de fato. Pois, quanto mais o tempo passa, mais difícil fica para reverter a situação. E isso, sem dúvidas, agrava o quadro do que chamamos de morador de rua crônico, que são indivíduos que passam por um estágio de retrocesso e comodismo, devido à convivência nas ruas, sendo, por exemplo, desapropriados de ofícios exercidos anteriormente, realidade que os empurra cada vez mais para as margens da sociedade", avalia.

Uma história de vida
Foto: Sebastião Nicomedes
Ao mesmo tempo que viver ao relento parece não ser a melhor escolha para a maioria das pessoas, a alternativa pode ser a única saída para indivíduos em situações críticas. Fato que se tornou realidade na vida de Sebastião Nicomedes de Oliveira. Vítima de um acidente, no ano de 2003, que lhe tirou os movimentos da mão esquerda, restou a ele a opção de morar nas ruas.

"No princípio, eu acho que não tinha elucidado o que havia acontecido comigo. Tinha a impressão de viver um pesadelo insone; nos dois primeiros dias, o medo e vergonha me impediam de dormir. A partir do terceiro dia, eu já tinha perdido a questão dos princípios e o cansaço dominou o corpo, passei a dormir durante o dia e noite", recorda.

Comum à rotina de moradores de rua, o desprezo constante da sociedade passou a fazer parte da vida de Sebastião. "Era comum que as pessoas passassem por mim, xingando e discriminando a minha situação. Em alguns casos, ainda que eu tivesse dinheiro para comprar um alimento, era enxotado dos lugares, feito uma aberração. Eu vivia em liberdade vigiada, me sentia eternamente perseguido, como se qualquer um tivesse o direito de me dispensar maus tratos", conta.

Não obstante às dificuldades, Sebastião superou essa fase. Inspirado pela cultura urbana, ele foi acometido pelo dom da literatura. "Certo dia um senhor me pediu que relatasse um diário dos moradores de rua para dividir essa realidade com outras pessoas, resolvi atender o pedido para tornar público um problema da sociedade, pois não é aceitável que as pessoas continuem vendo, sem enxergar, achando absolutamente normal o fato de uma parcela da população viver nas ruas, pois essa realidade não é comum, tampouco digna", reflete.

Sebastião exerceu os ofícios de entregador de revistas e carroceiro, mas logo teve seu talento reconhecido, quando seu texto Diário dum Carroceiro ganhou os palcos do teatro Fábrica São Paulo. O espetáculo, dirigido por Iara Brasil, foi o primeiro do gênero a estrear no circuito profissional. A peça é um monólogo que narra a rotina de um carroceiro, durante as festas de fim de ano

Depois três anos vivendo ao relento, Sebastião abandonou as ruas e reconquistou sua dignidade. Hoje, ele atua como roteirista, milita em frentes políticas em prol da população desabrigada e catadores de lixo e tem proposta de trabalhar como arte-educador no projeto alfabetização solidária.

*Confira a peça Diário dum Carroceiro , em cartaz no teatro Sérgio Cardoso.

Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Chuva de meteoros será visível na noite desta quarta-feira

Turismo

Brasil estreia contra a Suíça na Copa do Mundo de 2018; jogo será no dia 17 de junho

Turismo

Agora você pode comprar passagens de ônibus no Guia da Semana – e pelo melhor preço!

Turismo

Hotéis Mercure oferecem descontos a seus hóspedes em ingressos de espetáculos dos teatros ‘Bradesco’ e ‘Opus’; saiba mais

Turismo

Disney divulga primeiras imagens do parque do Star Wars

Turismo

5 opções de hospedagens para quem vai curtir o Rock In Rio 2017

Turismo