Guia da Semana
Turismo
Por Redação Guia da Semana

Red Bull Music Armada: confira a aventura em mares paulistas

Renata Simões conta os melhores momentos da jornada em Santos e Ilhabela.

Já na metade do Red Bull Music Armada, a apresentadora Renata Simões conversa com o Guia da Semana sobre as emoções em Santos e Ilhabela, as duas cidades paulistas do roteiro.

Depois da passagem pelo estado de São Paulo, o Tocorimé seguiu para Paraty, onde Renata conheceu as praias, os prédios históricos e um alambique à beira-mar. As próximas paradas dessa verdadeira jornada cultural e gastronômica pelo litoral brasileiro serão Búzios e a capital fluminense.


Guia da Semana: Você já está no segundo estado do roteiro. O que aprendeu de mais interessante até aqui?

Renata Simões: A vida a bordo. Aprendi a guiar um barco, a içar uma vela e, acima de tudo, a importância de conviver e se fazer conviver. A preocupação com o coletivo é algo que devemos ter sempre, mas em alto-mar isso se torna mais necessário. Aprendi a trabalhar sempre em prol do coletivo.


GDS: Como foi a passagem por Santos?

RS: A parada em Santos foi superbacana. Chegamos cedo e demos uma volta pela cidade, principalmente para conhecer a pista de skate, no emissário [Parque Municipal Roberto Mário Santini]. Essa pista é conhecida como Pista do Quebra-Mar. Lá, encontramos os skatistas Luciano Kid, Bruninho Angelo e Victoria Fiamma. O Luciano é skatista profissional e os dois últimos são da nova geração, são amadores, mas estão superengajados no esporte. O Bruno até trabalha no Chorão Skate Park, criado pelo vocalista do Charlie Brown Jr. Foi muito bacana ver a ligação que a cidade tem com o skate. É aquela história de que quando não tinha onda na praia, os jovens iam andar de skate.


GDS: E o que teve de mais inusitado na etapa santista?

RS: O melhor de tudo foi encontrar o Neguinho, skatista que ensinou a Victoria a andar de skate. Ele me deu umas aulas e, pela primeira vez, andei em um half [pista de skate].


GDS: O que marcou a sunset party santista?

RS: O show do Chorão, o improviso dele com o DJ Zegon e a discotecagem do Zegon depois. Essa fusão musical é bem característica do litoral, ouve-se de tudo, tudo misturado. Acho que o pluralismo cultural de Santos estava expresso na sunset party. A festa estava muito animada, com um astral sensacional. Sem contar que o cenário do Porto de Santos é muito interessante, com aqueles navios enormes passando do seu lado.


GDS: E em Ilhabela, o que mais te chamou a atenção?

RS: Reencontrei a cidade que eu conhecia da minha adolescência. Eu reencontrei o espírito aventureiro, animado, vivo. O que caracterizou Santos foi a mistura de público, de gente, de música. Em Ilhabela foi a energia, a predominância do mar.


GDS: Que passeios fez pela ilha?

RS: Focamos na questão dos naufrágios, bastante famosos em Ilhabela. Fomos a um point de mergulho e encontramos o mergulhador Edu Meuer. Ele morou na ilha por muito tempo e hoje em dia tem uma empresa de robôs que fazem pesquisa submarina. Um dos melhores momentos foi mergulhar nos destroços do Aymoré [que naufragou em julho de 1920]. O Edu aproveitou para mostrar a tecnologia dos robôs e a gente conseguiu ver a popa do navio. Foi tudo no maior climão Titanic. Essa questão dos robôs é algo que existe há algum tempo, mas é pouco difundida no Brasil.


Foto: Divulgação/ Secretaria de Turismo de Ilhabela
Ilhabela: na cidade, Tocrimé recebeu Killer on the Dancefloor


GDS: E como foi a sunset party de Ilhabela?

RS: Foi surreal, a que acabou mais tarde. Em geral, as sunsets terminaram seis, seis e meia. Essa foi até oito e meia da noite, foram três horas e meia de festa. Os meninos do Killer on the Dance Floor [formado pelos DJs e produtores Phillip A, Ali Disco B e Fatu] não queriam sair do som e a gente não queria parar de dançar.


GDS: Como você classificaria os ritmos de Santos e Ilhabela?

RS: O Killer on the Dance Floor, da sunset de Ilhabela, tem uma base eletrônica e bem dançante. Já em Santos, o Chorão e o Zegon mostraram bem o estilo da cidade, a mistura de ritmos. O Zegon tem uma habilidade incrível de misturar músicas. Ele pega o vocal de uma e junta com a batida de outra, fazendo um som original, diferente.


GDS: Quais foram os sabores dos almoços a bordo?

RS: Em Santos, tivemos um churrasco, bem a cara da cidade. Em Ilhabela o almoço não poderia ter sido melhor. Foi tudo preparado pelo Marakuthai, restaurante bastante tradicional da ilha. Provamos um macarrão de feijão verde com camarões que estava sensacional.


GDS: O que você sentiu de diferente entre a passagem por Floripa e o passeio pelas praias paulistas?

RS: A maior diferença entre Floripa e Ilhabela e Santos é que as praias paulistas têm uma identidade mais forte com relação aos seus gostos. Passamos por Florianópolis no pré-carnaval, quando a cidade ainda estava aproveitando o Verão. Floripa estava lotada de turistas, de gente de todos os lugares querendo curtir o clima de lá. Em Santos e Ilhabela conseguimos explorar mais a cultura local, o skate em Santos e os naufrágios em Ilhabela.


GDS: Sobre Santos e Ilhabela, em poucas palavas:

RS: Um cheiro... infelizmente, o de detergente que vinha do mar no Porto de Santos.

Uma cor... vermelho e azul, as cores do barco na sunset party de Ilhabela.

Um sabor... macarrão de feijão verde com camarões, preparado pelo Marakuthai, em Ilhabela.

Um som... a mistura sonora que caracterizou a passagem pelo Estado de São Paulo.

Um momento... mergulhar na região de um naufrágio foi demais.

Uma música... Pode ser duas? Do Zegon, em Santos: Dor e Dor, do Tom Zé, com uma base que eu nunca tinha ouvido. E do Killer on the Dance Floor, em Ilhabela: Melô do Isqueirão, do Nego Moçambique.

Queria ficar mais um pouco para... Não quero ficar, eu quero é seguir viagem, ir em frente sempre, continuar a jornada.

A viagem valeu a pena porque... deu para ver o pluralismo de São Paulo.


Serviço

Red Bull Music Armada
Datas: 3 a 27 de março de 2011
Locais: Florianópolis, Santos, Ilhabela, Paraty, Búzios e Rio de Janeiro.
Transmissão: http://admin.guiadasemana.com.br/www.redbull.com.br e Rádio Oi FM

Programa De Carona
Horários: Segunda a sexta, 17h às 19h.
Apresentação: Renata Simões e Joana Ceccato
Transmissão: Oi FM (94,1)

Especial Red Bull Music Armada
Datas: 3 a 24 de março de 2011.
Horários: Quintas, às 22h.
Transmissão: Rádio Oi FM (94,1)

Flashes Sunset Parties
Datas: Ao vivo, conforme programação.
Transmissão: Rádio Oi FM (94,1)


Foto Abertura: Divulgação/ Jozzu


Leia a matéria especial sobre o Red Bull Music Armada

Leia a entrevista com Renata Simões

Leia a matéria sobre o Red Bull Music Armada Florianópolis

Leia a matéria especial sobre o Red Bull Music Armada Santos

Leia a matéria especial sobre Red Bull Music Armada Ilhabela

Leia a matéria sobre o
Red Bull Music Armada Búzios

Leia a matéria sobre o
Red Bull Music Armada Rio de Janeiro

Leia a matéria especial sobre o Red Bull Music Armada Paraty
 
Renata Simões fala sobre a parada em Floripa

Renata Simões fala sobre
a etapa carioca

Renata Simões faz balanço geral do
Red Bull Music Armada


Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Chuva de meteoros será visível na noite desta quarta-feira

Turismo

Brasil estreia contra a Suíça na Copa do Mundo de 2018; jogo será no dia 17 de junho

Turismo

Agora você pode comprar passagens de ônibus no Guia da Semana – e pelo melhor preço!

Turismo

Hotéis Mercure oferecem descontos a seus hóspedes em ingressos de espetáculos dos teatros ‘Bradesco’ e ‘Opus’; saiba mais

Turismo

Disney divulga primeiras imagens do parque do Star Wars

Turismo

5 opções de hospedagens para quem vai curtir o Rock In Rio 2017

Turismo