Guia da Semana
Viagens
Por Redação Guia da Semana

Será que vai dar certo?

Projeto que pretende transformar a Frei Caneca em rua oficialmente gay de São Paulo cria polêmica entre os moradores do local.

Fotos: Gabriel Oliveira/ Guia da Semana
Rua Frei Caneca: pacata na primeira metade e badalada na altura do shopping


Rua das grifes internacionais, das noivas, dos lustres, dos produtos orientais, das motos... São 59 vias temáticas na capital paulista que fazem o comércio local ferver. Prestes a se transformar na de número 60, a Frei Caneca ganhou um projeto no mínimo inusitado. Com apoio dos vereadores Soninha Francine e José Police Neto, o empresário e presidente da Associação GLS Casarão Brasil, Douglas Drumont, pretende transformar a rua, na região central de São Paulo, em oficialmente gay.

O local, que já é popular entre os homossexuais, ficou conhecido pela polêmica gerada por um segurança do Shopping Frei Caneca, que expulsou um casal que se beijava na praça de alimentação. Seguindo o exemplo de Nova Iorque, onde a Oitava avenida, no Chelsea, é o epicentro gay da cidade, Drumond e mais 40 empresários estão investindo na sede da ong, ao lado da paróquia, para atrair ainda mais a população à rua. "Pretendemos fazer com que a sociedade nos veja de outra forma. Não desejamos segregar e nem criar guetos, só queremos nosso espaço", diz.

Muitas cores, calçadas largas, área de convivência e policiamento. É assim que Drumond imagina a Frei Caneca, apresar de ainda não ter um projeto arquitetônico. "Será feito um concurso entre vários arquitetos para eleger o melhor plano. Queremos envolver o Casarão Brasil com a Associação de Moradores, comerciantes e governo para que seja viável a repaginação da rua".

Douglas Drumond: "Em um domingo contamos 63 gays passando pela porta do Casarão em uma hora"


Insatisfeitos

Para a Samorcc, Sociedade dos Amigos e Moradores do Bairro de Cerqueira César, o plano é só para agitar a região e tem interesse puramente pessoal. "Nós já temos um projeto de revitalização da rua, com plantio de árvores, elevando a Frei Caneca a alameda, como é do outro lado da Paulista, e deixando os imóveis mais valorizados", afirma a advogada da associação, Célia Marcondes Smith, que ainda completa: "o comércio é muito menor do que os prédios residenciais. Essa é uma rua tradicional e para todos, como qualquer outra, inclusive para homossexuais. Não se pode segregar. Se fosse uma temática religiosa também não deixaríamos".

Em resposta à Samorcc, Drumond é categórico ao afirmar: "mudamos o nome do projeto por conta da polêmica criada com a associação de moradores. Passamos de Rua Gay para Rua do Respeito à Diversidade. Se é segregação, como as ´donas Célias´ dizem, então que seja em benefício, uma segregação que transforma".

Opiniões divididas

Quando Eliza Fernandes, proprietária do salão de beleza Eliza´s Hair que fica na Frei Caneca, ficou sabendo da novidade logo soltou: "Mais gay do que já é! Eu não me incomodo, desde que não atrapalhe o meu comércio". Já para a professora Dionê Muniz, o projeto de deixar a via mais bonita é ótimo, mas não de torná-la gay. "Eles têm o espaço deles no shopping. Lá podem se beijar e fazer o que quiserem. Agora, transformar uma rua coletiva não é certo. Poderiam ter um bairro longe daqui, como é em São Francisco e existe muito respeito. Mas aqui tudo é à base de droga e prostituição", comenta.

"Acho uma iniciativa muito interessante, agora o que isso irá acrescentar ao país ou até mesmo o que acrescentará em nós? Acho que pode tornar-se mais um pólo a ser explorado turisticamente. Nós gostamos de coisas boas e requintadas. A Rua Frei Caneca está Longe de ter esse aspecto, freqüento o shopping, a Lôca e o Frey Café & Coisinhas mais pela facilidade de acesso do que pelo local em si", afirma o analista de seguros e gay, Gabriel Freitas.

A esquerda: paróquia Frei Caneca; a direita: sede da Associação GLS Casarão Brasil


O Casarão

O principal objetivo da recém inaugurada Associação GLS Casarão Brasil é cadastrar os gays de todo o Brasil, além de outros projetos, entre eles, a sede da ong, que será entregue em junho na Parada Gay, abrigará uma floricultura, um café, diversos consultórios médicos direcionados a atendimento de gays e prevenção de DSTs, exames de HIV gratuitos e uma barbearia que, entre outros serviços, oferecerá corte de pelos pubianos.

Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Turismo: 5 destinos brasileiros que serão tendência no 2º semestre de 2021

Viagens

10 lugares da Bahia para conhecer online

Viagens

10 atrações turísticas do Sul do Brasil para ver online

Viagens

10 pontos turísticos do Nordeste brasileiro para ver online

Viagens

10 destinos religiosos ao redor do mundo para ver online

Viagens

6 atrações turísticas em Mykonos, na Grécia, para ver online

Viagens