Guia da Semana
Viagens
Por Redação Guia da Semana

Terapêutica Floripa

Mais uma viagem tamanho família!.

Em mais uma viagem de família (quem leu a minha última coluna sobre o cruzeiro deve pensar que somos ciganos, pois sempre estamos de um lugar para outro e juntos em grandes grupos, nada contra, mas não somos), o destino escolhido da vez foi a capital catarinense, Florianópolis ou Floripa. Saímos de São Paulo em uma van Ducato com vinte pessoas, rumo ao paraíso que só chegaria após 705 quilômetros. Enfim, a viagem de ida um pouco cansativa, mas também divertida. Como não pegamos trânsito, músicas e piadas compensaram o aperto.

A chegada foi fantástica, talvez pelo alívio, após boas horas dentro da van. Mas eu diria que, além disso, ver aquela paisagem maravilhosa, de águas calmas e limpas, céu azul e sol estalado, somados a uma brisa sem igual, deixou tudo melhor ainda. O clima de Florianópolis é ótimo, com verão e inverno bem definidos e primavera e outono frescos e ensolarados. Antes mesmo de deixarmos as malas, fizemos a primeira parada na Lagoa da Conceição, região considerada como um bairro autônomo da ilha, por disponibilizar serviços de correio, bancos, postos de abastecimento, mercados, lojas roupas e acessórios, marinas, restaurantes e bares.

Para escolher o local do almoço foi difícil, entre tantos diferentes tipos de estabelecimentos: casas de frutos do mar, de feijoada, pizzarias, comida japonesa, espanhola. Há restaurantes para todos os gostos, dos mais refinados àqueles simples, com jeitinho caseiro.

Passado o "frisson" gastronômico, fomos às praias! Andamos por todas possíveis em quatro dias: praia Mole, onde o mar é bravo, paraíso dos surfistas, assim como a praia Brava; Barra da Lagoa, maior núcleo pesqueiro de Floripa; Cacupé e Santo Antônio de Lisboa, ambas com águas tranquilas, boas para um dia de descanso; Santinho, verdadeiro acervo de inscrições rupestres; Praia dos Ingleses, batizada assim devido a um naufrágio de um grande navio inglês na região, uma das melhores opções para quem quer bons serviços (de alimentação a butiques e hospedagem) enquanto se diverte.

Dois dias foram dedicados especialmente às praias Joaquina e Moçambique. A primeira já era esperada, pois é lá que as pessoas vão para se divertir como criança ao rolar nas dunas. Sim, é na Joaquina que se faz o "skibunda". Detalhe, minha família voltou pra casa acabada, pois pra descer é uma maravilha, mas escalar as dunas com os pés afundando na areia, meu Deus! Eu me canso só de lembrar.

Já a praia de Moçambique foi um verdadeiro achado, um lugar para esquecer o mundo e relaxar. Praticamente deserta e sem a estrutura das outras, nada de bares ou vendedores de petiscos, tem uma beleza formada apenas por areia, pedras e mar. Íamos sempre a pé pra lá, em um percurso que levava dez minutos. Para chegar, era preciso pular alguns muros, pegar estradinhas cheia de buracos e até atravessar um bosque - eu não passaria ali à noite nem que me pagassem, mas, curiosamente, durante o dia tudo nele era fascinante, da luz do sol que escapava entre as fretas formadas pelo arvoredo enfileirado às folhas secas caídas no chão.

Quando o sol ia embora, as praias davam lugar aos bares, cafés, boliches, danceterias e cinemas, que ficam lotados. Nós saímos algumas vezes à noite, mas eu considero essa viagem muito mais diurna e aventureira, se comparada à primeira vez que visitei Florianópolis, em uma viagem de formatura.

Nessa primeira viagem, fiquei hospedada em um hotel na praia de Jurerê, região com grande número de clubes, restaurantes e hotéis. Para quem deseja fazer intercâmbio sem sair do país, é a região certa! Pois lá encontramos muitos turistas, gente de todos os lugares do mundo, de argentinos, sempre espalhados por lá, a ingleses. Com meu grupo, ou seja, adolescentes ensandecidos, eu passeio por todos os bares possíveis da ilha. Mas isso também já tem algum tempo.

Com minha turma teen e orientados por um time de monitores, fiz uma trilha noturna fantástica pela praia de Sambaqui, cujo nome é de origem indígena e significa cemitério, exatamente por onde andamos. Mas quem pensa em encontrar por lá coisas do gênero darkness, como caveiras, velas acesas, entre outras bizarrices, está enganado. O local é depósito de artefatos, areia, conchas e esqueletos de habitantes que viveram na região há anos, ou seja, de primitivos. Aliás, das antigas mesmo, já que a fundação de Floripa aconteceu em março de 1726.

Mas essa ilha-capital brasileira oferece muito mais passeios, como o percurso feito de escuna sob o cartão postal local, a ponte Hercílio Luz, onde vez ou outra você pode se deparar com golfinhos e até uma baleia perdida (aconteceu em minha primeira viagem), além dos teatros e museus, do Mercado Público de Florianópolis, da Praça XV de Novembro. Indico pelo menos uma visita anual para relembrar os locais já vistos e ficar por dentro das novidades. Com relação à volta na van, após dez horas de trânsito, em um aperto infeliz, tendo ouvido todas as músicas do iPod e conseguido não enforcar ninguém, hoje posso dizer que sou uma pessoa equilibrada.
Quem é a colunista: Fernanda Balieiro

O que faz: Jornalista mil e uma utilidades.

Pecado gastronômico: a torta de limão do meu respectivo (maridão Fran).

Melhor lugar do Mundo: Todo o Nordeste.

Fale com ela: [email protected]


Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Turismo: 5 destinos brasileiros que serão tendência no 2º semestre de 2021

Viagens

10 lugares da Bahia para conhecer online

Viagens

10 atrações turísticas do Sul do Brasil para ver online

Viagens

10 pontos turísticos do Nordeste brasileiro para ver online

Viagens

10 destinos religiosos ao redor do mundo para ver online

Viagens

6 atrações turísticas em Mykonos, na Grécia, para ver online

Viagens