Guia da Semana
Turismo
Por Redação Guia da Semana

Um dia em São Paulo

O que fazer em 24 horas na capital paulista.



Você tem apenas um dia para conhecer a cidade de São Paulo? Parece exagero, já que nem os próprios habitantes conhecem os seus cerca de 1.530 quilômetros quadrados. Mas para o turista, a maior cidade da América do Sul oferece inúmeros eventos culturais, shows e opções de compras. Com 240 mil lojas (cadastradas), é quase impossível não se encontrar o que procura.

O acesso é simples. Os aeroportos de Congonhas e Cumbica (este na vizinha Guarulhos) são as opções mais fáceis. A cidade tem três terminais rodoviários para quem quiser chegar de ônibus: Barra Funda, Jabaquara e Tietê, a maior delas. Dentro da cidade, é uma boa opção fazer o turismo de dia pelo metrô, com quatro linhas e 52 estações. Parece muito, mas está longe de atingir toda a cidade. Para isso, a frota de ônibus tem cerca de 980 linhas para atender a população.

Manhã no Centro

De manhã o turista com interesse histórico pode aproveitar para conhecer a pé o centro velho de São Paulo. Ali se encontra prédios de arquitetura antiga, apesar de nem sempre bem conservados. A história da cidade pode ser mais bem compreendida pela Praça da Sé, que abriga o marco zero, por meio do qual é possível calcular a distância de qualquer lugar em relação ao centro da cidade. Lá está localizada a Catedral da Sé, uma das maiores do mundo, com capacidade para 8 mil pessoas. Apresenta uma arquitetura gótica e bizantina.

Encostado na Praça da Sé fica o Pateo do Collegio, local onde o padre José de Anchieta fundou São Paulo, erguendo a primeira igreja. Lá funciona hoje o Museu Anchieta e a Biblioteca Padre Antonio Vieira, que contam a história da cidade. Outro local próximo que desperta interesse é o Largo São Bento, onde se pode comprar guloseimas como pão de mandioquinha, pão de mel, o bolo Santa Escolástica, de maçã com nozes, e o Bolo dos Monges, de ameixa com bananas. Isso em frente ao Mosteiro de São Bento. Construída pelos monges beneditinos, a igreja tem estátuas de todos os apóstolos. Na saída, há uma lojinha de artigos sacros.

O Theatro Municipal, na Praça Ramos de Azevedo, foi inaugurado em 1911 com um estilo renascentista barroco, inspirado na Ópera de Paris. O Municipal ainda foi o principal palco da Semana de Arte Moderna de 1922. As visitas devem ser agendadas.

Entre um lugar e outro do centro, o turista que não estiver muito interessado em história encontrará uma variedade enorme de lojas e também produtos vendidos nas ruas por camelôs, mais precisamente nas ruas XV de Novembro, Barão de Itapetininga, Ladeira Porto Geral e, claro, a 25 de Março, a mais famosa delas. Por ter alta concentração de pessoas, tenha cuidado com seus pertences. Se quiser produtos eletrônicos, vá ao Viaduto do Chá e à rua Santa Ifigênia. Perto desta, aproveite para conhecer a reformada Estação da Luz, originalmente construída na ligação de Santos a Jundiaí. Mantém a arquitetura de quando foi aberta, em 1901.

Parada para o almoço no centro. O turista deve comer algo leve para agüentar o roteiro da tarde. A dica é o Mercado Municipal, que tem muitas opções de alimentos nacionais e importados. São 281 boxes que oferecem desde os tradicionais pastéis de bacalhau e sanduíches de mortadela até culinária japonesa. Se quiser gastar muito pouco, experimente um sanduíche grego na Praça da Sé. O lanche de pão francês com carne custa apenas R$ 1,00 e ainda vem com dois copos de suco. Com cardápio italiano, uma opção de almoço chique é o Terraço Itália, na avenida Ipiranga. Outro mais em conta é o Almanara, próximo a Praça da República, de comida árabe.

Tarde nos museus e parques

Saindo do centro da cidade em direção à zona sul, logo encontra-se o Ipiranga, local de fundamental importância na história do Brasil. O Parque da Independência é o lugar aproximado onde Dom Pedro I deu o "grito" que decretou a independência do país em 1822. Com muitas árvores, o local é propício para descanso e caminhada. São cerca de 160 mil metros quadrados. Dentro do parque funciona o Museu Paulista (ou Museu do Ipiranga), que tem mais de 125 mil itens, entre objetos indígenas, mobiliário, armaria, pinturas, ferramentas e outros instrumentos, muitos de uso pessoal, que retratam a história do país.

O destino agora é o maior e mais famoso parque dos paulistanos, o Ibirapuera. Só que antes, no caminho, vale a pena passar pelo Centro Cultural São Paulo, na rua Vergueiro. Ao lado da Biblioteca Mário de Andrade, ele oferece peças de teatro, espetáculos de dança, mostra de artes, debates e cursos. Na continuação da Vergueiro, não há como não visitar a Avenida Paulista. Nos seus quase três quilômetros, se encontra de tudo. É uma boa parada para shoppings como o Paulista e o Center 3, e livrarias, como a Fnac.

Depois da Paulista, há o Parque do Ibirapuera, com 1,6 milhão de metros quadrados, é o mais freqüentado pelos paulistanos. É possível alugar bicicleta, patins e patinetes, assim fica mais fácil conhecer todas as suas atrações em menos tempo. A paz das árvores e a tranqüilidade do Lago costumam propiciar aos visitantes a chance de apreciar as aves migratórias que passeiam por lá. Vale a visita ao Viveiro Manequinho.

Dentro do parque há centros de eventos culturais, com a Fundação Bienal, o Museu de Arte Moderna (MAM), Museu Afro-Brasil e a Oca, um palco de mostras temporárias. Existe também uma réplica do Palácio de Katura, de Kyoto (Japão), chamado de Pavilhão Japonês. Os skatistas e patinadores se juntam na grande Marquise, ideal para a prática desses esportes.

Se você detesta aglomerações e quiser realizar este passeio em sábados, domingos e feriados, recomenda-se que inverta a ordem e vá de manhã ao Ibirapuera, antes da lotação que o parque costuma ter a partir das 9h. A abertura é às 5h.

Onde Comer

Para jantar, não faltam bons restaurantes em São Paulo, especializados em qualquer tipo de culinária. Ao todo, existem 12,5 mil restaurantes na capital. O roteiro indicado termina na zona sul, e a concentração de bares e baladas para curtir a madrugada também está localizada aí. Para você que tem tempo a perder, o Guia da Semana te dá dicas na região.

O La Pasta Gialla, no Itaim Bibi, do chef Sergio Arno, de culinária italiana, serve 28 tipos de bruschettas (fatia grossa de pão italiano, que é esfregada em dente de alho e borrifada com azeite e sal), além dos tradicionais tipos de massa. De cozinha argentina, há o Ladrillo, em Moema, e o Rincón de Buenos Aires, na Vila Olímpia. Ainda há o caríssimo mas conceituado Parigi, de cozinha variada. No vizinho bairro de Pinheiros, as dicas são o Consulado Mineiro (comida mineira, com destaque para a galinhada), e Cantina di Salerno, italiana.

Bares e Baladas

Vila Madalena, na zona oeste, e Itaim Bibi (Vila Olímpia), na zona sul, são os lugares mais procurados para bares e baladas. A Pacha, por exemplo, é uma opção para quem gosta de música eletrônica e pode gastar mais dinheiro. Também na Vila Madalena, o Genésio Pasta e Chopp é o típico bar sossegado, para botar a conversa em dia com os amigos.

Na Vila Olímpia, se você é mais velho, a dica é o Bar do Juarez, também sossegado, que serve picanha argentina. Outro para o estilo quarentão e cinquentão é o Passatempo Bar, que conta com mesas e pista de dança. O som é MPB.

O Alibabar é uma opção não tão cara para os mais jovens. Costuma ter música pop ao vivo e também pista para dançar eletrônica. Tudo com decoração árabe. Outro que serve tanto para dançar como para conversar é o Pennélope Bar Beats & Boutique, na rua Atílio Innocenti, uma das mais agitadas do local. O Corleonne Bar I Cucina, na mesma rua, tem uma decoração inspirada em Chicago dos anos 20, do filme O Poderoso Chefão. É mais indicado para os amantes de rock.

Hospedagem

O Comfort Nova Paulista, da Atlantica Hotels Internacional, localizado na rua Vergueiro, é uma opção econômica para a região em que está localizado. As tarifas de janeiro estão a partir de R$ 109,00, com café da manhã. Se estiver próximo das baladas e não quiser andar muito, no Blue Tree Towers Faria Lima, na Vila Olímpia, as diárias estão a partir de R$ 125,00.

Se o seu objetivo é pagar pouco, pode se hospedar em albergues. O São Paulo Hostel Downtown, no centro da cidade, está com diárias a partir de R$ 36,00. A 15 minutos do Parque do Ibirapuera, está o Praça da Árvore Hostel, a partir de R$ 26,00.

Raio X de São Paulo
Localização: região Sudeste

Área: 1.530 quilômetros quadrados

População: aproximadamente 11 milhões de habitantes

Cartão postal da cidade: Avenida Paulista

Clima
- 22ºC a 27ºC no verão
- 15ºC a 21ºC no inverno

Altitude
- 750 metros acima do nível do mar

Estabelecimentos *
- Agências bancárias: 2 mil
- Indústrias: 34 mil
- Comércio: 72 mil
- Serviços: 90 mil
- Lojas: 240 mil
- Feiras livres: 900
- Hospitais: 114
- Pronto-socorros: 17
- Farmácias: 4 mil
- Ruas de comércio especializado: 59

Curiosidade da cidade: a população de São Paulo é três vezes maior do que o Uruguai.

*Números oficiais divulgados pela prefeitura de São Paulo

Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Chuva de meteoros será visível na noite desta quarta-feira

Turismo

Brasil estreia contra a Suíça na Copa do Mundo de 2018; jogo será no dia 17 de junho

Turismo

Agora você pode comprar passagens de ônibus no Guia da Semana – e pelo melhor preço!

Turismo

Hotéis Mercure oferecem descontos a seus hóspedes em ingressos de espetáculos dos teatros ‘Bradesco’ e ‘Opus’; saiba mais

Turismo

Disney divulga primeiras imagens do parque do Star Wars

Turismo

5 opções de hospedagens para quem vai curtir o Rock In Rio 2017

Turismo